Mensagem

Mensagem

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

PETIÇÃO

Á ASSEMBLEIA DA REPUBLICA

A normal compra de uma casa, foi durante muitos anos a solução mais barata, para se ter direito a um telhado.
Escusado será dizer que o esforço exigido á maioria dos casais, foi até ao limite do orçamento familiar, para satisfazer essa necessidade básica.
Hoje, devido ao agravamento das condições económicas, á degradação dos ordenados e até em grande parte aos casos de desemprego, os orçamentos familiares já de si muito limitados, encontram dificuldades suplementares, para responder aos escandalosos aumentos dos encargos, em beneficio dos Bancos que assim acrescentam os seus fabulosos lucros.
É no sentido de ajudar essas pessoas, em grande aflição, que lhe propomos que assine uma Petição á Assembleia da Republica.
Faça-o, porque nas circunstâncias actuais é um acto cívico da maior relevância e um acto de solidariedade e protesto contra as condições injustas e injustificadas, que põem uma parte significativa dos cidadãos deste país, com a corda na garganta.

PARA ASSINAR A PETIÇÃO CLIQUE AQUI

PARA IR A UM BLOGUE DEDICADO A ESTA PETIÇÃO CLIQUE AQUI

PARA REENVIAR A PETIÇÃO ENDEREÇO É: http://www.petitiononline.com/cor12008/


RIR É O QUE NOS RESTA!
É A OPINIÃO DO AMIGO QUE ME ENVIOU ESTE MAIL.

EU ACRESCENTO.....E LUTAR PARA ELE DEIXAR DE RIR!!!!

E AGORA ..........
A CEREJA NO CIMO DO BOLO!!!!

COM AS MINHAS HOMENAGENS AO "GENIAL" AUTOR DAS IMAGENS QUE SE SEGUEM.

PREPAREM-SE PARA CHORAR A RIR

CLIQUE PARA ABRIR
ESPERE - E CLIQUE EM F5
E PARA TERMINAR!!!!.......SIM PARA TERMINAR VEJA ESTA .......E NÃO SE ESQUEÇA DE IR CLICANDO EM CIMA DAS COISAS E DAS PESSOAS QUE VAI TER SURPRESAS MUITO AGRADÁVEIS
CLIQUE AQUI



HAMILTON NAKI

O CIRURGIÃO CLANDESTINO OU A IMPORTÂNCIA

DO QUE ÊLE NÃO FOI
Hamilton Naki, um negro sul-africano, nasceu em 13 de Junho de 1926 em Ngcingane, no Eastern Cape (Cabo Oriental).
A história da sua vida foi uma das mais pungentes e exemplares do século XX. No entanto tem permanecido em total obscuridade, até aos dias de hoje.
Quando nos apercebemos da tenacidade e sofrimento que foi necessário para sobreviver e resistir naquele criminoso regime de apartheid, sentimo-nos tão pequenos e dolorosamente convencionais, que não podemos deixar de nos emocionar com a dimensão do drama que foi a sua vida e pela forma humilde e corajosa como a soube enfrentar.
Filho de uma família muito pobre, descalço, apascentava os bois antes e depois das aulas, na escola da aldeia.
Aos 14 anos abandonou os estudos e foi para a cidade do Cabo á procura de trabalho. Conseguiu emprego na escola médica do célebre” Groote Schur Hospital”.
Começou a trabalhar como ajudante de jardinagem, limpezas de canis e instalações de animais empregues em experiências científicas.
Enfim um faz-tudo, que ia aproveitando sempre que podia para ver como actuavam os médicos e outros cientistas que trabalhavam nessas experiências de transplantes em animais.
Ele próprio dizia a brincar “que roubava as informações com os olhos”.
Um dia Robert Goetz, responsável pelo laboratório, ao operar uma girafa, pediu-lhe para o ajudar.
Para sua para surpresa, além dessa simples tarefa, Hamilton Naki demonstrou uma enorme maestria em outros procedimentos cirúrgicos mais complexos, incluindo suturas, anestesias e cuidados pós-operatórios.
Apesar da ausência de estudos formais, as suas capacidades foram sendo reconhecidas, recebendo, uma autorização especial para continuar os seus trabalhos, incluindo mesmo a prática de transplantes em animais.
Sempre que tinha horas vagas, aproveitava para ir lendo e estudando os manuais médicos.
Um dia o Doutor Christian Barnard, reconhecendo a excepcional habilidade e conhecimentos de Hamilton Naki, requisitou-o para a sua equipe, embora legalmente o regime do apartheid não permitisse um negro, trabalhar como médico de seres humanos.
No entanto seu desempenho era tão hábil e competente, que em breve se tornou o número dois dessa equipe que em 3 de Dezembro de 1967, fez o primeiro e mais célebre transplante de um coração.
Foi êle que nessa qualidade, procedeu á extracção do coração de Dennise Darvall, uma jovem que tinha sofrido um acidente automóvel, ao atravessar a rua para ir comprar um bolo.
Este facto foi sempre ocultado pelo regime vigente de apartheid.
Na versão oficial, teriam sido Marius Barnard, irmão de Christian Barnard e Terry O’Donovann que o realizaram, mas na realidade, foi Hamilton Naki quem teve a responsabilidade e a competência necessária, para extrair do coração todo o vestígio de sangue e mantê-lo a trabalhar por meio de dois eléctrodos e finalmente definir o momento para bombear o sangue novo, fazer o coração recomeçar a palpitar, agora no peito de Louis Washkanky.
O Dr. Barnard, bem sabia que podia confiar nele.
Foram umas mãos pretas, que extraíram o coração do cadáver de um branco e o preparou tecnicamente para o transplante, em consequência do qual, ficou celebre o Dr. Christian Barnard. Nada do que este fez, foi mais exigente e hábil do que o trabalho feito por Hamilton Naki.
Esta operação, pioneira em cirurgia de coração aberto e de uma enorme delicadeza e complexidade, permitiu que o doente transplantado, sobrevivesse. Infelizmente faleceu de uma pneumonia 18 dias depois, mas com um coração que batia fortemente.
O êxito desta operação teve na época uma incrível repercussão e deu uma extraordinária reputação ao Dr. Barnard, jovem, bonito e fotogénico, que os “midia” tornaram numa reputada "estrela", visitado com frequência por famosos da época, entre os quais a célebre estrela do cinema Sofia Loren, com quem se dizia que teve um romance.
Quando para comemorar o feito, foi publicada a fotografia do doente junto da equipe que tinha levado a cabo semelhante proeza, por "descuido" incluíram…. Hamilton Naki de bata branca ao lado do Dr. Barnard!!!.
O facto de êle ser negro não lhe podia permitir que aparecer na fotografia e para desculpar semelhante “delito”, foi noticiado que se tratava de um faxineiro.
Naki recordou mais tarde ter sido advertido pelo hospital, para não revelar seu envolvimento nessa operação: “Você sabe que é negro e este sangue é de um branco. Por isso ninguém deve saber o que você fez”.
É o próprio Dr. Barnard (êle tambem anti-apartheid, justiça lhe seja feita!!!) que em 1991, numa entrevista dada á televisão sobre a história da África do Sul, revelou a verdadeira história e a importância da intervenção de Hamilton Naki.
Nela admitiu, que a primeira cirurgia de transplante de coração nunca teria acontecido, não fora a habilidade cirúrgica e o brilhantismo do negro Hamiltom Naki, que apesar da legislação do Regime Apartheid, então vigente no país, não permitir um negro tocar no sangue de um branco, foi neste caso aberta uma excepção.
E terminou a entrevista confessando: “ Se Hamilton Naki tivesse tido oportunidade, teria sido melhor cirurgião do que eu”.
Barnard morreu em Chipre, na Grécia, em 2 de Setembro de 2001, vítima de um ataque agudo de asma.
Hamilton Naki, apesar de ser um cirurgião “clandestino” e dar aulas a estudantes brancos, vivia numa barraca, no gueto de Langa, onde nem sequer tinha electricidade ou água corrente. Quando os jornais descreveram as repercussões do avanço científico que discretamente ajudou a impulsionar, modestamente ficou silencioso, sem reclamar, impassível na sua humildade.
“Temos que aceitar aqueles dias, não tinha outro jeito. Era a lei desta terra”, afirmou já na década de 90.
Sendo formalmente jardineiro, o seu salário era o correspondente ao de um auxiliar de laboratório, porque era a maior remuneração permitida a um negro.
Foi na qualidade de jardineiro que se reformou com o ordenado de 275 dólares por mês, indo para um asilo destinado aos jardineiros, mas continuando a trabalhar como cirurgião em um ônibus adaptado como clínica móvel.
A maior parte do dinheiro era usada para ajudar escolas rurais para crianças pobres.
Apenas um de seus cinco filhos pôde completar o segundo grau.
Só após a queda do ”Apartheid” lhe foi reconhecido o mérito.
Em 2002 recebeu a maior honraria da África do Sul a “National Order of Mapungubwe”, e a graduação honorária em medicina pela Universidade da Cidade do Cabo em 2003.
Faleceu poucos anos depois, em 29 de Maio de 2005, com 78 anos de idade.
A sala do hospital Groote Schuur onde foi realizado o transplante se tornou um museu onde se exibe a foto de Hamilton Naki, a quem os nativos consideram um herói.
O tempo geralmente destrói os mitos.
A história às vezes os salva.
Esperemos que seja este o caso, pois a sua dimensão humana, e discreta resignação, transcende a morte da sua memória, com a heróica beleza do seu exemplo.
PODE VER ALGUMAS IMAGENS RELATIVAS A ESTE CASO.
CLIQUE PARA ABRIR, ESPERE UM POUCO E CLIQUE EM F5


domingo, 26 de outubro de 2008

CUBA…..MEU AMOR

Nunca fui a Cuba.
O meu amor por Cuba é uma espécie de amor platónico.
Que me faz sofrer na alma o seu calvário.
Que me pesa o conhecimento de cada um que desiste, que me dói cada um que foge, que me revolta cada um que atraiçoa, que me angustia cada um que perde a esperança.
Cuba é no percurso da vida humana, uma marca.
Do homem das cavernas á civilização a humanidade tem no seu percurso social e politico etapas, que são uma espécie de marcos, definidores dessa evolução.
Cuba nessa história tem um lugar privilegiado, como exemplo de um povo que na defesa da sua dignidade pode elevar a moral a um nível nunca igualado.
Bem sei que a solidariedade é uma arma, na sobrevivência de um povo acossado.
Mas Cuba, fez dessa solidariedade a sua mensagem para a eternidade e da defesa da dignidade da sua gente a razão primeira da sua heróica resistência.
A admiração que tenho pelo povo cubano, já vem de muito longe.
Já em 1974, logo após o 25 de Abril, dediquei a Cuba toda a atenção, sobre a forma como resistia e enfrentava o seu poderoso adversário.
A capacidade que o ser humano possui, de se ultrapassar, quando estimulado por causas que defendem valores morais em detrimento dos interesses materiais, sublima o que de melhor existe no ser humano.
A história da sua resistência, a integridade dos seus dirigentes, o seu apaixonado fervor revolucionário e objectivos, fizeram-me acreditar que o destino teria escolhido Cuba para complementar o que de bom tinha trazido a Grande Revolução de Outubro, como exemplo para toda a humanidade.
Recordo que do ponto de vista ideológico, mantive algumas divergências com alguns muito queridos camaradas, que consideravam a minha admiração exagerada e algumas vezes me senti marginalizado pelo facto de defender Cuba com tanto empenho.
Nesse período revolucionário, que se seguiu ao 25 de Abril, fiz de Cuba o meu horizonte revolucionário e do seu povo, a minha inveja.
O tempo deu-me razão!!!.
Cuba é hoje o meu orgulho, a minha esperança e a materialização da garantia, que o homem há-de vencer a tirania da exploração do homem pelo homem.
Não ficará tudo dito sob a heroicidade do povo cubano quando lerem o comovente texto CUBA: OS DESAFIOS DE UM GRANDE POVO “ILHADO””de Frei Gilvander Moreira, mas certamente ficarão a conhecer uma das mais belas facetas da humanidade quando estimuladas no amor ao próximo e na capacidade de uma nação conseguir ser solidária, com outros povos, apesar de ter de ultrapassar dificuldades inenarráveis, para ela própria sobreviver.
Instruções para leitura do texto
Clicar no quadrado do canto superior direito para acesso aos comandos



CUBA: os desafios de um grande povo “ilhado” Chico Buarque, cronista das esperanças políticas do seu tempo, ao falar sobre as suas viagens a Cuba, registrado no terceiro DVD da série retrospectiva de sua obra, ironiza: “antigamente, o passaporte brasileiro dizia: válido para todos os países com exceção de Cuba. Dá vontade de ir, né? ” Por Frei Gilvander Moreira Chico Buarque, cronista das esperanças políticas do seu tempo, ao falar sobre as suas viagens a Cuba, registrado no terceiro DVD da série retrospectiva de sua obra, ironiza: “antigamente, o passaporte brasileiro dizia: válido para todos os países com exceção de Cuba. Dá vontade de ir, né? ” Até bem pouco tempo, voltar ao Brasil após uma visita a Cuba podia custar alguns aborrecimentos. O próprio Chico Buarque foi protagonista de um fato que acabou virando manchete nos jornais. O jornal “Folha de São Paulo”, no dia 21 de fevereiro de 1978, trouxe a seguinte notícia: “CHICO VOLTA DE HAVANA E É DETIDO. Chico Buarque, sua mulher Marieta Severo, o escritor Antonio Callado e sua mulher Ana Arruda foram detidos ao chegar, na manhã de ontem, em aviões diferentes, no aeroporto do Galeão. Como foi divulgado pela imprensa, Chico Buarque e Callado integraram o júri de um prêmio literário em Havana, Cuba, na semana passada. Como eles, fizeram parte desse júri o jornalista Fernando Morais, também brevemente detido ao chegar em Congonhas, sábado, e o escritor Inácio de Loyola, que presumivelmente ainda não regressou ao País. O Brasil não tem relações diplomáticas com Cuba, mas um advogado ouvido ontem no Rio opinou "não haver nenhum crime em se visitar um país”. A Polícia carioca apreendeu a bagagem dos detidos, e ambos foram avisados de que serão convocados para novos depoimentos.” Afora os constrangimentos, nem mesmo na época da ditadura militar era crime visitar Cuba. No entanto, falar de Cuba, do socialismo e do grande líder revolucionário Fidel Castro ainda causa muito constrangimento e indignação. A mídia, geralmente, desfila um rosário de preconceitos acerca do regime político cubano e da história da Revolução. Todavia, mesmo correndo o risco de causar constrangimentos e indignação, retornando agora ao Brasil, após passar nove dias em Havana, quero assumir o compromisso e a responsabilidade de compartilhar a experiência de conhecer de perto a resistência e a determinação desse povo que luta contra o capitalismo e contra o imperialismo criminoso dos Estados Unidos da América. Abaixo destaco alguns aspectos presentes no modo de vida em Cuba e que, no meu entendimento, são relevantes para pensarmos no socialismo hoje para uma vida melhor em sociedade. Eis, abaixo, dez pontos que dão um panorama de nove dias em Cuba: primeiras impressões; o impacto já ocorre na chegada; a relação de Cuba com os demais países da América Latina; contra o bloqueio, muita criatividade; exercício do poder em Cuba; sistema de Saúde socialista; telenovelas brasileiras em Cuba; cristãos em Cuba; produção de alimentos e economia cubana. 1) Primeiras impressões De 19 a 28 de dezembro (de 2006) realizei um sonho de mais de 20 anos: pisar no solo sagrado de Cuba e conviver alguns dias com os cubanos, esse povo heróico que defende ainda nos dias atuais o socialismo, mesmo quando para muitos a única resposta possível para a humanidade é a chamada democracia burguesa e o capitalismo. Antes de emitir qualquer opinião sobre Cuba acredito ser relevante ter em mente dois aspectos fundamentais: o primeiro, a localização estratégica da ilha que fica a apenas 150 km do maior império da atualidade. Esta é a distância que separa Cuba do estado da Flórida nos Estados Unidos. O segundo aspecto é o fato de o país ter sofrido, e continuar sofrendo, ao longo de sua história, permanentes tentativas de invasão , exatamente em vista de sua posição estratégica na entrada do golfo do México. Cuba é uma ilha de 110.000 Km2, 20% do estado de Minas Gerais, estreita e comprida, assemelhando-se a um jacaré. Com 11 milhões de habitantes é uma ilha encantada por sua beleza natural e encantadora pelo seu povo. Cristóvão Colombo, ao chegar em Cuba, em 1492, já afirmara: “Esta é a terra mais bela que olhos humanos viram.” Nos dias atuais, pode-se afirmar que em Cuba, além de vermos coisas que nossos olhos nunca tinham visto antes, vamos sentir uma grande nostalgia diante de tantos objetos antigos que fizeram parte do nosso cotidiano em um tempo em que nossas vidas eram bem mais simples e livres do atual estresse em que vivemos nos dias atuais. Vamos nos deparar com coisas totalmente inusitadas e criativas: táxis em bicicletas, carros remendados com madeira e plásticos, ônibus construídos sobre antigas carretas, chamadas “camelos”. Tudo isso permite àquele povo resistir, com intrepidez e dignidade ao criminoso e diabólico bloqueio estadunidense. Convivem, no mesmo cenário, recursos materiais limitados, tão abundantes nos paises ocidentais, com o que há de mais moderno e avançado na criação humana. Seja nas ciências, nas artes, nos esportes, os cubanos destacam-se sempre. Ouvi relatos e reflexões que meus ouvidos nunca tinham ouvido. Procurei ouvir mais do que emitir qualquer parecer acerca do modo de vida que surge e que se atualiza desde o triunfo da Revolução em 1959. Aliás, este um fato que gera tanta especulação: as possibilidades de sobrevivência do regime socialista cubano diante da globalização, da pressão capitalista em todos os moldes e, principalmente, após a morte de Fidel. Com ouvido atento procurei descobrir a beleza daquela grande nação. O tempo todo tinha a sensação de estar na ilha imaginária de Thomas Morus , UTOPIA, na qual o autor, inspirado na República de Platão, pensa uma sociedade ideal em todos os sentidos, solidária, sem propriedade privada, sem violência e com dignidade para todas as pessoas. No entanto, não tenho a pretensão de defender a existência de uma sociedade perfeita. O meu propósito neste ensaio é mostrar que, somando o que há de bom em Cuba, fica um grande saldo em vista das limitações existentes, sobretudo se levarmos em conta que a maioria das carências, impostas ao povo, advém não do regime político socialista e sim do bloqueio da política imperialista dos Estados Unidos, que causa enormes danos à economia cubana. 2) O impacto já ocorre na chegada Na chegada a Havana, capital de Cuba, já é possível sentir a diferença de se estar em um Estado socialista. Do aeroporto José Marti ao centro da capital há um percurso de aproximadamente 30 quilômetros. Neste trajeto somos presenteados com uma delicada e bem cuidada paisagem, onde não há sequer uma propaganda comercial. Nas ruas de Havana, ocorre o mesmo, nenhum outdoor que estimule o consumo. Só podem ser vistas, e poucas, as propagandas do regime socialista. Lembro-me de algumas: “Neste momento mais de 2 milhões de crianças estão passando fome nas ruas do mundo, nenhuma delas é cubana.” “Pela vida. Não ao bloqueio econômico dos Estados Unidos.” “Che Guevara, teu exemplo é uma luz na nossa marcha socialista.” “Em Cuba, 100% das crianças estão na escola. ” Em 1961, após uma intensa campanha de alfabetização, Cuba foi declarada território livre do analfabetismo. Vimos pelas ruas pessoas simples e trabalhadoras que nos dão a certeza da existência, naquele território, de um povo educado e saudável. Também chama a atenção a enorme diversidade, nas pessoas, nas cores dos carros, no modo de vestir. Pessoas alegres e que falam com muito orgulho do seu país. Determinados mesmo quanto à independência e da opção e luta obstinada pelo socialismo e pela soberania. Nos quatro canais de TV abertos, todos estatais - há vários outros canais regionais –, não há também propaganda comercial. Só há programas culturais, informativos e esportivos. Poucos são os programas de entretenimento, dentre eles uma novela brasileira, atualmente, “Senhora do Destino”, à qual os cubanos se referem com grande entusiasmo. Gostam muito de telenovelas e radionovelas . Vale até lembrar que se orgulham de terem criado as radionovelas , a primeira que se tornou famosa no Brasil, “O direito de nascer”. 3) A relação de Cuba com os demais países da América Latina A eleição de Hugo Chaves, na Venezuela, criou novos laços entre os países da América Afrolatíndia e desenvolveu uma outra forma de solidariedade entre as nações do continente. Cuba recebe o petróleo venezuelano em troca do apoio na área da saúde. São milhares de médicos e outros profissionais trabalhando na Venezuela. Milhares de venezuelanos estão indo a Cuba para fazer tratamento de saúde. A excelência cubana na área da saúde também tem ajudado muitos outros países como o Brasil e a Bolívia. Ao visitar o Museu da Revolução, antiga sede presidencial do ditador Fulgêncio Batista, encontramos um grupo de jovens bolivianos, orgulhosos do governo Evo Morales. Aqueles jovens informaram que, logo após assumir a presidência, Morales enviou 400 jovens para cursar medicina em Cuba. Formados, serão missionários de uma revolução no sistema de saúde boliviano e poderão trabalhar também em outros países, voluntariamente. Na ELAN – Escola Latina Americana –, criada em 1999, há 4 mil jovens latinoamericanos cursando medicina. O estado cubano custeia tudo: além dos professores e da manutenção da universidade, oferece hospedagem, alimentação, livros, cadernos e ainda dá uma ajuda de custo mensal. Os livros usados são devolvidos ao final de cada ano para que outros estudantes possam estudar neles. É interessante registrar: enquanto nos Estados Unidos gastam-se 350 mil dólares para formar um médico, em Cuba 120 mil dólares são suficientes. Há milhares de estudantes estrangeiros em Cuba, na graduação e na pósgraduação. Só do Brasil são 700 jovens, 70 dos quais são enviados pelo MST para fazer medicina e outros cursos. 4) Contra o bloqueio, muita criatividade Cuba foi inicialmente uma colônia espanhola. Em 1898 foi ocupada militarmente pelos Estados Unidos. A partir de então, cresceram os negócios dos norte-americanos na ilha que somente em 1902 tornou-se um país independente. O destino de Cuba foi profundamente marcado pela influência norte-americana tanto no plano político, mediante o apoio a partidos ou grupos, quanto no econômico. A beleza caribenha e a localização estratégica atraíram também para o local o lazer e a orgia dos ianques. Também uma chaga que gera um grande incômodo: uma base militar dos Estados Unidos em território cubano, a base de Guantánamo . Essa base militar resultou das negociações para a retirada das tropas americanas na independência. Após a Revolução em 1959, muitos cubanos migraram para os EUA e por discordar do regime são, ainda nos dias atuais, manipulados e financiados pelo governo estadunidense com o intuito de derrubar o regime liderado por Fidel Castro. Hoje, incluindo os descendentes, há mais de um milhão de cubanos que vivem naquele país. A grande maioria colabora efetivamente para a economia cubana enviando dólares para os parentes que moram na ilha. Uma minoria, conhecida como a máfia cubana de Miami, que perdeu dinheiro e poder após a Revolução de 1959, conspira o tempo inteiro contra a política socialista. Essa pressão de uma minoria cubana interessa à política imperialista dos Estados Unidos que usa de artifícios para isolar o último país de resistência socialista existente no planeta. Basta ver que quando um estrangeiro chega clandestinamente aos Estados Unidos é imediatamente mandado de volta ao seu país. Os cubanos são a exceção . Para incentivar a saída de Cuba, o governo dos Estados Unidos acolhe como cidadãos os cubanos que chegam ao seu território. Ou seja, os únicos estrangeiros que têm visto de permanência incondicionado nos Estados Unidos são os originários de Cuba. O bloqueio dos Estado Unidos a Cuba consiste na proibição do comércio dos produtos cubanos nos Estados Unidos e a venda de qualquer produto norteamericano a Cuba. Além é claro da proibição do uso de tecnologia desenvolvida nos Estados Unidos. Não existe relação diplomática e comercial entre os dois países. Isso gera enormes dificuldades à economia cubana devido ao custo do transporte que é acrescido a todos os produtos que vêm de países bem mais distantes, como os países europeus, o Canadá ou China. Cuba tem de pagar sobretaxas para importar produtos norte-americanos de outros países. Deste modo, a única forma de o governo cubano sobreviver ao bloqueio, é usar de muita criatividade e contar irrestritamente com o apoio de um povo educado e que conhece muito bem a sua história. Vimos muita criatividade no sistema de transporte cubano: táxis em triciclos, uns motorizados, como os cocotáxis para os turistas, outros movidos somente com a força do pedal por valentes condutores, que levam passageiros a pequenas distâncias. Automóveis que foram sofisticados na década de 1950 e que continuam rodando suntuosos pelas avenidas de Havana. Pequenos automóveis Fiat , parecendo miniaturas dos antigos 147. Carros russos, como o Lada – das décadas de 1970 e 1980. Alguns seminovos em uma grande variedade de tipos e cores. Micro pick-ups com apenas 03 rodas, ônibus antigos tipo jardineira e os “ camellos ”, carretas com a carroceria transformada em “ super-ônibus ”, como base para o transporte coletivo dos trabalhadores, quase de graça. Incrível a diversidade de tipos e cores dos meios de transporte em Cuba. Vimos um grande número de pessoas pegando carona e muitos motoristas oferecendo carona, especialmente nos horários de pico. Depois ficamos sabendo que cerca de 80% dos automóveis são estatais e são orientados a dar carona. Os carros particulares, que são poucos, também cultivam essa prática de dar carona. É muito difícil ver uma pessoa sozinha no veículo. Normalmente andam duas, três ou quatro pessoas no mesmo automóvel, inclusive nos táxis. Percebemos que dar e receber carona é um valor socialista e faz parte da cultura, é o normal. Muita gente vai trabalhar e volta sem ter que pagar pelo transporte. Não existe o menor receio de violência como seria de se esperar no Brasil. Também uma forma bastante inteligente de economizar energia. O petróleo é muito oneroso para o governo cubano. E desta e de outras maneiras Cuba vai driblando o bloqueio norte-americano. 5) Exercício do poder em Cuba Conversamos com taxistas, médicos, lixeiros, comerciantes, professoras, psicólogas, agrônomos, advogados. Não vimos nem uma pessoa reclamar de Fidel Castro, nem do socialismo, nem da Revolução cubana. Pelo contrário, ouvimos o reconhecimento e a constatação de que a Revolução deu dignidade para milhares de pessoas em Cuba. Conforme já afirmamos acima, o diabólico bloqueio econômico que o ( des )governo dos Estados Unidos impôs a Cuba desde 1961 é identificado pelo povo cubano como o responsável pelas dificuldades enfrentadas em todos os níveis. Em Havana as praças públicas são realmente públicas. O povo circula à vontade. Não vimos ninguém alertando sobre riscos de roubo e assalto. A população está desarmada. Afirmam que existem armas guardadas em vários locais e que podem ser disponibilizadas à população em caso de invasão dos Estados Unidos. “Aqui não há delinqüentes e nem delinqüência. Aqui temos paz social, fruto da justiça social existente. É muito raro acontecer um assassinato ou um assalto”, diz uma criminóloga cubana. E acrescenta: “Em caso de invasão, cada um dos cubanos sabe onde deve estar imediatamente. ” Perguntamos a várias pessoas: “Como é exercido o poder em Cuba? Fidel manda muito?” Explicaram-me: “A base do exercício do poder em Cuba está nos CDRs – Comitês de Defesa da Revolução. Esses comitês que surgiram para proteger a população das tentativas de golpe, existem em todas as quadras das cidades e também na zona rural. No CDR todas as pessoas da quadra estão cadastradas. Fazem assim um retrato de toda a população. Sabem quantas crianças, quantos idosos e gestantes existem no país, com uma margem de erro insignificante. Há em cada comitê um/a presidente/a, um secretário/a e um vigilante que é o responsável pela saúde, educação das pessoas que moram naquele local. Além do CDR, há o delegado de circunscrição que exerce a função como voluntário, isto é, não recebe salário para desempenhar a função. De três em três meses esse delegado presta contas ao povo. Vinte delegados escolhem um delegado de território. A organização política cubana inclui também uma Assembléia municipal (poder executivo + legislativo) que cuida de finanças, esporte, educação, saúde, moradia, comércio, transporte, ruas e estradas, comunidades. Existem ainda as Assembléias provinciais (14 províncias). Da Assembléia Nacional fazem parte 601 deputados. Vale destacar que recebem apenas o necessário para viver. Exercem o mandato de deputado e continuam trabalhando na sua profissão e por isso recebem salário, não pelo fato de serem deputados, mas como padeiros, professores, médicos, ou qualquer outra profissão que exerçam. Em Cuba uma pessoa é reconhecida na sociedade pelo que faz em prol da coletividade e não pelo que consegue angariar para si mesma, como pela capacidade de ganhar dinheiro ou ter sinais externos de riqueza. Há um Conselho de Ministros com um presidente, que agora é Ricardo Alareni . As grandes decisões nacionais são tomadas na Assembléia Nacional. Fidel Castro é, desde o triunfo da Revolução em 1959, reeleito como deputado. É o primeiro secretário do PCC e comandante das Forças Armadas. Ilude-se quem pensa que Fidel decide tudo sozinho. É claro que ele tem muita influência nas decisões por razões históricas e pela idoneidade moral que adquiriu e conserva. Conforme vemos, há uma rede de participação que vai dos CDRs até ao Comitê Central da Revolução. Essas pessoas são integrantes do Partido Comunista de Cuba, mas só se ingressa no Partido após verificar com rigor a idoneidade e o interesse da pessoa pelo bem comum. 6) Sistema de Saúde socialista “Cuba é uma fábrica de médicos”, exclama Mongui , um cubano que se sente embaixador do Brasil em Havana. Na medicina a excelência cubana tem o seguinte objetivo: conquistar os melhores remédios para todos com o custo mais econômico possível e de forma sustentável. O Ministério da saúde, as faculdades de medicina e os médicos incentivam e incluem cada vez mais todos os tipos de medicina alternativos e naturistas – homeopatia, geoterapia, ervas medicinais, massagem. Prioriza-se muito a medicina preventiva que passa necessariamente por uma boa alimentação. Há 60 mil médicos cubanos trabalhando voluntariamente em missões internacionalistas, em 69 países, contribuindo com o resgate da saúde de milhares de pessoas. Só na Venezuela estão mais de 15 mil. Na Venezuela, atualmente, existem cerca de 20 mil médicos cubanos alavancando uma revolução no sistema público de saúde. São responsáveis pelo atendimento primário da população, algo parecido com o médico de família. Estão nas favelas e bairros pobres; lá vivem e atendem com competência e dedicação os pobres. Recordo-me de ter ouvido em Caracas, no 6o Fórum Social Mundial, três jovens camelôs dizendo com veemência: "Por mais de 50 anos, os médicos venezuelanos recém formados se recusaram a ir para interior, para os bairros, para a periferia. Só queriam ficar na capital, ganhar dinheiro às custas da dor. Agora, com Hugo Chávez, eles tiveram sua chance de ajudar o povo. Não quiseram. Então foi preciso apelar para a solidariedade. Vieram os médicos de Cuba e estamos tendo acesso à saúde nos lugares mais distantes e pobres". Ainda, em Caracas, em conversa com duas médicas e um médico, ouvimos, entre tantas coisas, o seguinte: “Não viemos aqui para ganhar dinheiro, mas por amor ao próximo. Estudamos medicina para cuidar das pessoas, nunca para ganhar dinheiro. Quando terminamos o curso de medicina em Cuba, fazemos um juramento de cuidar sempre da vida ameaçada em Cuba e em qualquer país do mundo. Quando se é de esquerda, socialista, somos mais cristãos, pensamos mais no próximo. Todo o povo do mundo é meu próximo, é minha família. Somos e devemos nos comportar todos como irmãos. Vivo para servir a sociedade. Aqui na Venezuela, recebemos apenas uma ajuda de custo para pagar metrô, ônibus coletivo e comprar alimentos e alguma coisa mais necessária.” O estipêndio recebido pelos médicos cubanos não chega a um salário mínimo da Venezuela, que é cerca de R$405,00. Mesmo com as dificuldades internas para a produção de alimentos, em Cuba, todas as crianças de 0 dia a 7 anos de idade e as gestantes têm garantido um litro de leite por dia. Cuba é administrada considerando todos os cubanos como sendo uma só família. Fidel é o pai de todos e os cubanos são todos irmãos e irmãs. Por isso todos são tratados com igualdade de oportunidades. Há prioridades que devem ser satisfeitas: alimentação, saúde, educação, transporte público, cultura e esporte. As reivindicações pessoais são atendidas, desde que sejam viáveis e no interesse de todos. Por exemplo, só tem computador individual – o que é um “luxo” em Cuba – quem está desenvolvendo um trabalho social relevante e que precisa deste instrumento. Só será permitido comprar celular quando se encontrar um sistema que seja acessível a todos. E estão quase conseguindo. O povo cubano é um povo sadio. Come-se o necessário para viver, sem exageros. Não vimos sequer uma pessoa obesa. A alimentação é orientada por nutricionistas e contém todos os nutrientes necessários para uma boa saúde. Norma, uma psicóloga cubana, passou três meses no Rio de Janeiro. Contounos que convidada para participar de diversos churrascos e rodízios, estranhou muito diante de tanta fartura de carne e tão pouca fartura na cultura e nas artes. Quando quis ir assistir a um show de Gilberto Gil no Canecão avisaramlhe que era muito caro. Ela revelou: “Entre comer muito, participar de rodízios, prefiro alimentar meu espírito. O que mais nos alimenta são os bens espirituais: cultura, arte, esporte e trabalho voluntário, tudo isso dentro do espírito revolucionário socialista. A sociedade capitalista enche a barriga das pessoas, mas deixa o espírito vazio . ” Vimos que a agricultura está diretamente associada à saúde. Os alimentos são produzidos de forma orgânica e ecológica. Usa-se muito pouco produtos químicos na agricultura. Está em curso um grande projeto de reflorestamento com árvores nativas e exóticas. 7) Telenovelas brasileiras em Cuba Em Cuba, a TV veicula uma telenovela por noite. Uma noite, uma telenovela cubana e na noite seguinte, uma telenovela brasileira ou de outro país. Antes da veiculação, uma comissão do setor de relações internacionais analisa a telenovela estrangeira, dá um parecer, corta cenas de sexo, de banalização. Perguntei a várias pessoas cubanas se já tinham pensado sobre os possíveis efeitos das telenovelas brasileiras sobre o povo cubano. Caridad , psicóloga do setor de relações internacionais da TV cubana me explicou: “A programação dos 4 canais cubanos é basicamente cultural. O povo estava pedindo mais programas de entretenimento. É muito melhor passar uma telenovela latinoamericana do que filmes dos Estados Unidos, filmes que geram uma cultura de violência e de consumo. A questão central não é veicular ou não uma novela. A questão é como veicular. Em Cuba as telenovelas são veiculadas sem nenhum comercial, apenas uma por dia. Assim o/a telespectador/a acompanha mentalmente o desenrolar da ficção. No Brasil, são muitas novelas por dia e são envenenadas pela propaganda intermitente, entremeada na novela. Quando o/a telespectador/a começa a raciocinar, interrompe-se a novela e joga uma propaganda. A pessoa deixa de pensar na novela e começa a pensar na propaganda. Esta mistura de novela com propaganda faz um estrago mental em quem está assistindo. Fica como abelha tonta. É impedida de pensar. Resultado: a novela vira tranqüilizante. Além disso, em Cuba o povo é culto e não aceita pacificamente o que é apresentado na telinha. Também não encontra na realidade o luxo espelhado nas telenovelas. Fica só no ficção.” 8) Cristãos em Cuba Participamos de uma celebração na Igreja Batista, presidida pelo pastor Raul Soares, deputado do PCC – Partido Comunista de Cuba. De origem camponesa, já está no 3o mandato como deputado. É um dos três pastores deputados em Cuba. Além de Raul, há um outro da igreja episcopal e outro presbiteriano. Raul Soares nos disse: “Não há contradição entre ser pastor e ser deputado socialista. Em Cuba 80% das pessoas se declararam religiosas. Acreditam em Deus. Seguimos o testemunho do Concílio Vaticano II, das Comunidades Eclesiais de Base e da Teologia da Libertação. Os pobres nos evangelizam. Em 1959, a Igreja Católica cubana traiu os pobres, a Jesus e a Deus, porque se colocou contra a Reforma Agrária que Fidel Castro estava fazendo. Sou um pastor de esquerda. Espero que Lula não traia os pobres e que faça uma verdadeira reforma agrária no Brasil. Não há saída para a humanidade fora do socialismo. Precisamos melhorar o socialismo. Capitalismo é anti-cristão e anti-humano.” Conhecemos o Centro Martin Luther King, com sede nas dependências da Igreja Batista. A partir da pedagogia de Paulo Freire, esse centro tem ajudado a construir cerca de 60 casas populares, por ano, em mutirão com a participação ativa dos sem-casa . Esse centro participa de brigadas populares de limpeza de praças públicas em trabalho voluntário. 9) Produção de alimentos Sentimos como Cuba vive, desde o fim do apoio soviético ao país, um grande desafio para alimentar o seu povo. Todavia, mesmo diante dessa dificuldade, em Cuba, os produtos transgênicos são proibidos. Lá, de fato, as sementes são patrimônio da humanidade. Preserva-se a diversidade das sementes e espécies. A produção de alimentos, em Cuba, acontece de forma diversificada. Há “granjas”, grandes fazendas do Estado, que produzem cana-de-açúcar, tabaco, arroz e gado. Poucas pessoas, com implementos agrícolas, garantem uma grande produção para o abastecimento de toda a população ou industrializa os seus produtos de exportação, como o açúcar e os famosos charutos e rum cubanos. Há pequenas, médias e grandes CCS – Cooperativas de Crédito e Serviço – que reúnem muitas famílias de pequenos proprietários; são empreendimentos mistos: privado e estatal. O cultivo é feito em sistema de rodízio. Por exemplo, ara-se um pedaço de terra, planta banana (só um pé em cada cova, 1,5 metro entre as fileiras, pois assim produz mais). Após a colheita, ara-se novamente a terra e planta-se uma nova cultura que pode ser mandioca, ou milho, depois feijão, tomate, e assim por diante. Deste modo, é preservada a fertilidade da terra. Há ainda as “fincas”, que são pequenas chácaras, nas quais a agricultura familiar é tocada por uma, duas ou três pessoas. Em Cuba a maior parte da terra rural pertence ao Estado. É muito raro o comércio de terras. O agricultor possui, geralmente, apenas o usufruto da área em que trabalha. Atualmente o Estado cede terra para usufruto por três anos. Se a pessoa progride, passa a ter direito sobre aquela porção de terra. Se não, a terra é devolvida para o Estado que a repassa para outro. Todos os trabalhadores, tanto do campo quanto os da cidade, têm todos os direitos trabalhistas respeitados. Aposentadoria aos 60 anos para os homens e 55 para as mulheres, férias mesmo para aqueles que trabalham por conta própria, saúde e educação, licença maternidade de 1 ano para as mães. Em Cuba há apenas 3% de desempregados. Após a queda do socialismo real, em novembro de 1989, Cuba entrou em um Regime Especial. A agricultura urbana é incentivada e está sendo desenvolvida para melhorar a alimentação do povo da cidade. Lotes vagos, fundo de quintal e pequenos espaços de terra na cidade estão sendo aproveitados na produção da horticultura. Há técnicos agrícolas que orientam o plantio. Sementes são doadas. Fertilizante orgânico e húmus a partir de minhocas chinesas garantem o êxito da produção de verduras. 10) Economia cubana Em Cuba a economia é estatal. Cada pessoa só pode ter uma casa e os que têm, só podem ter um carro. Existem diversos mecanismos para se impedir a acumulação de riquezas. Com uma economia tão “engessada” diriam os economistas de plantão, Cuba cresceu mais de 12,5% no ano passado. Em Cuba é proibido enriquecer-se, pois o enriquecimento de uns gerará o empobrecimento de outros. Para garantir esse princípio, uma série de medidas econômica é tomada. Por exemplo, de dois em dois anos, mais ou menos, muda-se moeda para evitar acumulação. Quem juntar dinheiro em casa, ainda que pouco-a-pouco, vendendo artesanato, com táxi, turismo, só poderá trocar pouco dinheiro velho pelo novo. Assim controla e impede a acumulação. Em 2005, foi proibido o comércio com dólar em Cuba. Agora o turista é obrigado a trocar o dólar para “peso convertible ” com uma desvalorização de 20%, isto é, U$1,00 vale 0,80 de peso “ convertible ”. Este vale 24 “pesos nacionais”, que é a moeda utilizada pelos cubanos. Uma pessoa cubana paga em peso nacional a maioria dos produtos. Um estrangeiro paga em peso “ convertible ”. É proibida a existência de classes entre os cubanos. O salário-mínimo está em 225,00 pesos nacionais por mês, piso mínimo para os aposentados. Há acréscimos como prêmio aos melhores funcionários. Uma pessoa não consegue ganhar mais do que 900,00 pesos nacionais por mês, incluindo todos os incentivos e prêmios por mérito. As empresas estatais dão “estímulos”, tais como cesta-básica, direito de fazer um curso especial em Cuba ou no exterior. Em Cuba as tarifas por serviços públicos são baixíssimas. A tarifa de energia é de 9,00 pesos nacionais ( cerca de 35 centavos de real) para 100 quilowatts de energia. Tanto as famílias quanto as empresas pagam o mesmo valor por 100 quilowatts. Não é como em Minas Gerais, onde as famílias pagam de 6 a 10 vezes mais do que o que pagam as empresas e cujas contas dos serviços públicos essenciais sugam grande parcela da renda das pessoas. Paga-se muito pouco também pelo consumo de água e gás de cozinha. Os cartões de crédito – exceção feita ao American Express e aos emitidos nos Estados Unidos – são aceitos em Cuba, em muitos lugares. Muitos se perguntam como pode-se viver com tão pouco em Cuba. O incrível é que não há violência no país, pelo rosto vê-se que as pessoas gozam de boa saúde, todos estudam ou só não estuda quem não quer. Quase todos têm trabalho. Não falta alimento nutritivo para ninguém. Só não há luxo e desperdício alimentar . Como a educação e a cultura são prioridades do governo os cubanos pagam muito barato para entrar nos teatros, nos museus, e em todos os locais que custam mais caro para os turistas. Esse pode ser um exemplo a ser seguido aqui no Brasil. Para um brasileiro é muito caro pagar para assistir a um show que os estrangeiros, cheios de dólares acham muito barato no Rio de Janeiro ou para entrar em uma igreja histórica em Ouro Preto. Por isso já cantou Elis Regina que “o Brasil não conhece o Brasil”. Se olharmos bem, após conhecer Cuba, podemos ver que o Brasil é um país para poucos. Cuba é um país para todos. Uma cubana nos provocou: “O Brasil é um país lindo, mas me dói o coração e me deixa indignada ver os deputados brasileiros aumentarem em quase 100% seus próprios salários, já astronômicos. Isso é uma desumanidade gritante. Não entendo como o povo brasileiro não se levanta contra essa e tantas outras injustiças. ” Assim, volto ao Brasil, cheio da energia boa que transcende Havana. Deixamos em terras cubanas novos amigos, aqueles que tanto como nós admiram Ronaldinho, o futebol brasileiro, o samba e algumas telenovelas brasileiras veiculadas em Cuba. A maioria dos cubanos admira a Teologia da Libertação, frei Betto, Leonardo Boff, as Comunidades Eclesiais de Base – CEBs -, o MST e os Movimentos Populares do Brasil. Isso fortalece os nossos laços de amizade e a vontade de voltar ao país que recebe a todos os brasileiros como irmãos. Engana-se, vou arriscar um palpite, quem pensa que Cuba esfacela-se após Fidel Castro. A admiração e o respeito que os cubanos tem pelo Grande Comandante, a ponto de o chamarem de “nosso pai”, garantirão a firmeza na marcha socialista mesmo após sua morte. Fidel está internalizado no povo e será muito mais vivo e forte após sua morte. Em Cuba pode-se afirmar, sem sobra de dúvidas, que há 11 milhões de defensores da Revolução. Quem viver verá! Frei Gilvander Moreira

No ponto de vista de narração histórica dos factos, o excelente artigo de António Vilarigues sob o título “O BLOQUEIO DE QUE MUITOS FALAM SEM SABEREM O QUE DIZEM





O bloqueio de que muitos falam sem saberem o que dizem Políticos, jornalistas, comentadores, analistas, assessores, consultores e mais recentemente os chamados think tanks (em inglês é mais intelectual, é mais in), falam e escrevem sobre o bloqueio a Cuba. Mas saberão, no concreto, sobre o que se pronunciam? E o que escondem deliberadamente nas suas elucubrações? Através de um documento desclassificado em 1991, ficou a conhecer-se que a 6 de Abril de 1960, o então subsecretário de Estado adjunto para os Assuntos Inter-Americanos, Lester Dewitt Mallory, escreveu num memorando discutido numa reunião dirigida pelo presidente dos Estados Unidos John Kennedy: «Não existe uma oposição política efectiva em Cuba; portanto, o único meio previsível que temos hoje para alienar o apoio interno à Revolução é através do desencantamento e do desânimo, baseados na insatisfação e nas dificuldades económicas. Deve utilizar-se prontamente qualquer meio concebível para debilitar a vida económica de Cuba. Negar dinheiro e abastecimentos a Cuba, para diminuir os salários reais e monetários, a fim de causar fome, desespero e a derrocada do governo». (negritos meus). Isto, sublinhese, um ano antes da invasão da Baía dos Porcos organizada pelos EUA contra Cuba. O presidente dos Estados Unidos, J. F. Kennedy, cumprindo o mandato que lhe tinha sido atribuído pelo Congresso, decretou o bloqueio total contra Cuba a partir das 12:01 AM do dia 7 de Fevereiro de 1962. Esta é a data formal. Mas desde 1959 que se multiplicavam os actos de bloqueio efectivo. O objectivo fundamental era debilitar pontos vitais da defesa e da economia cubanos. Actos como a supressão da quota açucareira, principal e quase único suporte da economia e das finanças da Ilha. Ou o não abastecimento e refinação de petróleo por parte das empresas petrolíferas norte-americanas que monopolizavam a actividade energética. Ou ainda um sufocante boicote a qualquer compra de peças de substituição para a indústria cubana, toda ela de concepção e fabrico norte-americanos. A partir de Fevereiro de 1962 os americanos decretam então o embargo total ao comércio com Cuba, excluindo certo tipo de medicamentos e alimentos. Esta decisão é simultaneamente apoiada e aprovada por todos os países da Organização de Estados Americanos (OEA), com excepção do México. A 22 de Dezembro, Kennedy anuncia sanções aos países que comerceiem com a ilha. No dia 8 de Julho de 1963, os EUA confiscam todos os bens cubanos instalados no seu território, avaliados então em 424 milhões de dólares. A 14 de Maio de 1964, os Estados Unidos anulam todos os fornecimentos de alimentos e medicamentos a Cuba. O presidente dos EUA goza de amplas prerrogativas em matéria de política externa. A que acresce uma vasta faculdade discricionária permitida ao executivo pela «Lei do Comércio com o Inimigo». Assim as sucessivas administrações (onze!!!) modificaram e aprovaram novos regulamentos que refinaram o bloqueio. Nos anos seguintes os EUA proíbem aos seus cidadãos que viajem para a ilha o uso de cartões de crédito de bancos americanos. Interditam às companhias subsidiárias norteamericanas no exterior a possibilidade de comercializarem com Cuba. Impõem aos seus cidadãos um limite de 100 dólares diários nos seus gastos de hotel, alimentação, diversões e compra de artigos cubanos. Com o desmembramento da União Soviética os EUA redobram as medidas do bloqueio a Cuba e advertem a Rússia (e os restantes países ex-socialistas) de que será prejudicada na «ajuda americana» se, de alguma forma, continuar a apoiar a ilha. Democracia à americana Em 1992 foi aprovado pelo Congresso norte-americano a «Lei para a Democracia Cubana», ou Lei Torricelli. Esta lei consiste, essencialmente, na intromissão directa dos EUA nos assuntos internos não só do povo cubano, mas também nos de outros povos. Proíbe, por um período de 180 dias (contados à data da sua saída de Cuba), a entrada nos portos americanos a navios que toquem portos cubanos. Sanciona as instituições norte-americanas sediadas no exterior que negoceiem com a ilha (mesmo contrariando a lei dos respectivos países onde se radiquem). Viola assim claramente o Direito Internacional e as leis estabelecidas pela Organização Mundial do Comércio. Quatro anos mais tarde, em 1996, foi promulgada a «Lei para a Liberdade e a Solidariedade Democrática Cubana» (o leitor já reparou bem nos nomes destas leis?...), conhecida como Lei Helms-Burton (não apoiada, até hoje, por nenhum país do mundo). Com a desintegração dos países ex-socialistas, Cuba perde, literalmente de um dia para o outro, os mercados onde comerciava, a preços favoráveis, 85% das suas exportações. Vê-se por isso forçada a reduzir drasticamente as suas importações em 75%. O país conhece, de imediato, a falta de alimentos, medicamentos, petróleo, transportes e tudo o que é de mais essencial à economia de um Estado e à vida de um povo. Impedida, por força do bloqueio americano, de recorrer a financiamentos e créditos externos, os EUA acreditaram que estava na hora de Cuba se render pela fome. A Lei Helms-Burton tinha esse objectivo. É evidente a intenção de impedir os investimentos estrangeiros na ilha e, desta forma, impossibilitar o seu desenvolvimento económico. Nos termos desta lei fica proibido que subsidiárias norte-americanas sediadas em terceiros países realizem qualquer tipo de transacção com empresas em Cuba. Que empresas de terceiros países exportem para os Estados Unidos produtos de origem cubana ou produtos que na sua elaboração contenham algum componente dessa origem. Que empresas de terceiros países vendam bens ou serviços a Cuba, cuja tecnologia contenha mais do que 10% de componentes com origem nos EUA, ainda que os seus proprietários sejam nacionais desses países. Que entrem nos portos dos Estados Unidos navios que transportem produtos desde ou para Cuba, independentemente do país de matrícula. Que bancos de terceiros países abram contas em dólares norte-americanos a pessoas jurídicas ou naturais cubanas ou realizem transacções financeiras nessa moeda com entidades ou pessoas cubanas. Esta legislação proíbe ainda os cidadãos americanos ou cubano-americanos de viajarem para Cuba. Impõe restrições às relações entre cubanos residentes em Cuba e nos EUA. Retém ajuda a qualquer país, entidade ou empresa que forneça assistência técnica ou financeira para completar a Central Nuclear de Juragua, na cidade de Cienfuegos. Estabelece a negação de vistos para entrar nos EUA a pessoas, de qualquer nacionalidade (e seus familiares), ou representantes de empresas, que comprem, arrendem ou obtenham benefício de propriedades expropriadas em Cuba depois de 1959. Etc., etc., etc.. Sobre esta lei disse Fidel Castro: «Ao bloqueio económico, comercial e financeiro, os EUA acrescentam agora a lei Helms Burton. No seu desesperado anseio de destruir a revolução cubana, pretendem punir todo o mundo e tentam fechar o cerco que nos rodeia. Podemos garantir que o nosso país jamais se renderá. Não permitiremos que nos roubem a dignidade do homem plenamente conquistada pela revolução». Doze anos depois a realidade aí está a comprovar a justeza destas palavras. Mais recentemente a administração de George W. Bush continuou pelo mesmo caminho. Mas como é apanágio de toda a sua actuação, foi mais longe e aprovou um novo pacote de medidas denominado «Plano Bush». A administração norte-americana propõe-se, pela milionésima vez, aniquilar a Revolução cubana e proclama-o com a sua conhecida arrogância. Estamos perante novas e brutais acções contra o povo de Cuba e contra os cubanos residentes nos Estados Unidos. Medidas definidas pelos seus autores como parte de um plano para provocar «o rápido fim» do Governo revolucionário. Intensificaram a perseguição a empresas e às transacções financeiras internacionais de Cuba, mesmo aquelas para pagamentos aos organismos das Nações Unidas. Roubaram marcas comerciais, como as reconhecidas Havana Club e Cohiba. Adoptaram maiores represálias contra os que fazem comércio com a Ilha, ou com ela realizam intercâmbios de natureza cultural ou turística. Pressionaram ainda mais os seus aliados para forçá-los a subordinar as relações com Cuba aos objectivos de «mudança de regime» que norteiam a política dos Estados Unidos. Impuseram uma escalada sem precedentes no apoio financeiro e material às acções que visam o derrube da ordem constitucional cubana. Consequências políticas, económicas, sócias e culturais Um Avante! inteiro não chegava para enumerar todas as acções e respectivas consequências para o povo de Cuba. Desde logo o facto, muito esquecido, de que cerca de 7 milhões, dos mais de 11 milhões que constituem a população cubana, nasceram sob o estigma do bloqueio. Que, saliente-se, dura há 46 anos e tem afectado sem distinção de sexo, idade, credo religioso ou posição social todo povo da Ilha. O prejuízo económico directo causado ao povo cubano pela aplicação do bloqueio, em cálculos estimados, ultrapassou os 89 mil milhões de dólares. Este número não inclui os danos directos causados a objectivos económicos e sociais do país pelas sabotagens e actos terroristas fomentados, organizados e financiados pelos Estados Unidos. Também não inclui o valor dos produtos deixados de produzir ou os prejuízos derivados das onerosas condições de crédito impostas a Cuba. O ministro dos Negócios Estrangeiros de Cuba elevou o total de perdas estimadas da economia cubana durante 45 anos (1962/2007) de bloqueio a 222 mil milhões de dólares. Quase duas vezes o PIB de um país como Portugal. Vejamos mais em pormenor alguns dos numerosos exemplos desta realidade quotidiana: Estima-se que só em 2006 o comércio internacional cubano foi afectado pelo bloqueio em valores que ultrapassaram os 1 305 mil milhões de dólares. Os maiores impactos registaram-se pela impossibilidade de aceder ao mercado dos EUA. As importações que Cuba realiza não subiram apenas como resultado de preços mais altos, da utilização de intermediários e da necessidade de triangulação para determinados produtos. Encareceram também pelo transporte desde mercados mais longínquos, com o consequente aumento dos fretes e seguros. No final de 2001, pressionado pelo sector agro-exportador norte-americano, o Congresso dos EUA aprovou legislação autorizando que Cuba comprasse alimentos aos produtores do país. No entanto, essas importações são acompanhadas por severas restrições. Cuba tem de pagar adiantado, sem a possibilidade de obter créditos financeiros, mesmo privados. Em 2004, essas importações atingiram a casa dos 474,1 milhões de dólares. A venda e o transporte de mercadorias requerem a obtenção de licenças especiais para cada operação. Cuba não pode utilizar sua própria frota mercante para realizar esse transporte, devendo recorrer a navios de outros países, especialmente dos próprios EUA. E os pagamentos são feitos através de bancos de outros países, uma vez que as relações bancárias directas com Cuba estão proibidas. Carência quase absoluta de meios de transporte de passageiros e de mercadorias. O sector ferroviário é paradigmático. Há anos que o governo tem planos para renovar seu parque de locomotivas. Mas a manutenção e reparação das máquinas requer diversos componentes norte-americanos. Cuba também não tem conseguido alugar navios, devido à pressão realizada pelo governo norte-americano sobre as locadoras. Assim, o governo cubano vê-se obrigado a pagar fretes elevadíssimos. Falta de medicamentos, equipamentos e material consumível no sector da saúde. Em sete anos, 1998/2005, os custos do bloqueio ascenderam a 2 269 milhões de dólares. Apenas 50 milhões teriam sido suficientes para remodelar todas as clínicas e hospitais. Sem quantificar, por não terem preço, a dor e o sofrimento provocados por esta política criminosa. O que não impedia que, em Junho de 2006, mais de 30 mil funcionários cubanos da área de saúde estivessem espalhados pelo mundo, trabalhando em missões humanitárias, cuidando especialmente de vítimas de catástrofes e fenómenos naturais. Há décadas que Cuba é vanguarda nesse tipo de acção. A importação de matérias-primas, materiais e equipamentos de uso escolar para assegurar o processo docente educativo, como meios audiovisuais, computadores, equipamento de laboratório, reagentes, etc., é seriamente afectada. A cada dia que passa diminuem os intermediários que se atrevem a correr o risco de realizar transacções com Cuba. O que se traduz num aumento de 20% (e mesmo de 100% nalguns casos), dos preços dos produtos adquiridos. Nem a Internet escapa. Em Cuba, o acesso à rede é lento, caro e limitado. A ilha está impossibilitada de se conectar aos cabos de fibra óptica que passam muito perto de suas costas. Como alternativa utiliza desde 1996 uma ligação via satélite que torna as conexões muito mais lentas e caras. Qualquer modificação do canal exige licença do Departamento do Tesouro dos EUA. O governo aponta essa situação, assim como sua estratégia de prioridades sociais no uso da rede, para explicar as restrições que aplica ao acesso à Internet. Limitações que poderão ser reduzidas em poucos anos por meio de um cabo submarino alternativo de 1 550 km que ligará Cuba à rede da Venezuela. Refira-se ainda que, as instituições e cidadãos dos Estados Unidos estão proibidos de utilizar a Web para transacções electrónicas com instituições cubanas. O bloqueio de downloads de software e informações (inclusive gratuitas) é outra realidade. É sistematicamente negado aos artistas cubanos o direito a participar nas cerimónias dos prémios Grammy e Grammy Latino. Razão evocada: os regulamentos sobre a imigração, que proíbem a entrada nos Estados Unidos a qualquer indivíduo que possa ser prejudicial aos interesses desse país. O mesmo se aplica a cineastas, ao Ballet Nacional de Cuba, a conferencistas universitários, etc., etc., etc.. Mas a política de bloqueio prejudica também aos cidadãos norte-americanos e de terceiros países, como o indicam muitos e variados estudos. A eliminação do bloqueio poderia, por exemplo, criar 100 mil postos de trabalho e rendimentos adicionais de 6 mil milhões de dólares à economia dos EUA. Em 2006 as perdas totais das empresas dos estados Unidos por cada milhão de turistas norte-americanos que não puderam visitar Cuba, atingiram os 565 milhões de dólares. Não é pois de estranhar que a 26 de Abril de 2005, tenha sido anunciado oficialmente a formação da Associação Comercial Cuba-EUA. É composta por mais de 30 companhias, agências estaduais e organizações de 19 estados norte-americanos, com o fim de trabalhar pela eliminação das restrições ao comércio com Cuba. Entre os seus membros encontram-se as grandes empresas ADM, Caterpillar e Cargill. Entre os fundadores contavam-se personalidades como o ex-secretário de Comércio, Bill Reinsch, Kirby Jones, o ex-secretário adjunto de Estado, William D. Rogers, David Rockefeller, a ex-representante comercial Carla Hills, o ex-secretário de Defesa Frank Carlucci e o ex-secretário de Defesa e ex-director da CIA, James Schlesinger. É esta realidade que é ignorada, e/ou escondida, e/ou escamoteada, e/ou deturpada pelos defensores do pensamento único dominante. Uma política, profundamente isolada e rejeitada todos os anos pela Assembleia Geral das Nações Unidas . Tem, como vimos, uma forte oposição interna nos próprios EUA. O que mais reforça o nosso lema: «O que é preciso é informar a malta». In jornal «Avante!» - Edição de 21 de Agosto de 2008

Este texto, acrescenta ao conhecimento da verdade, muitos dos problemas que levaram á grande Revolução Cubana de Fidel Castro, e á dimensão da bestialidade da acção dos americanos contra este valente e corajoso povo, que são um exemplo épico de resistência e luminosa lição de humanidade.

sexta-feira, 24 de outubro de 2008


JUNTE O UTIL AO AGRADÁVEL
JÁ PENSOU COMO SERIA UTIL TER UM "SREEN-SAVER" A PROTEGER O SEU ECRAN E A DAR-LHE AS HORAS EM ECRAN-INTEIRO???
Pode escolher um relógio digital todo modernaço, ou um clássico analógico.
Para isso clique AQUI

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

A BANCA

NACIONALIZOU O GOVERNO

UM ENGRAÇADO TEXTO DE RICARDO ARAUJO PEREIRA


NESTE LINK

quarta-feira, 22 de outubro de 2008


ALGUMAS CONSEQUÊNCIAS

IMEDIATAS DA CRISE

Segundo a Agência Reuters a China diz que EUA devem encerrar ligações militares com Taiwan.
Precisamos lembrar que segundo a legislação americana esta obriga o governo norte-americano a ajudar Taiwan a se defender.

As más línguas dizem que esse pedido vai ser atendido e que a quantidade de Dólares e Obrigações Tesouro Americanas que os Chineses possuem , nada tem a ver com a decisão.

CRÉDITO Á HABITAÇÃO

23.000 FAMÍLIAS EM APUROS

Há cada vez mais portugueses a entrar em litígio com a banca.
O malparado no crédito à habitação e ao consumo subiu 26,5% entre Agosto do ano passado e o mesmo mês deste ano.
Nas empresas, o incumprimento aumentou 36,8% e já representa 2,2% do total dos empréstimos concedidos.
Construtores estão a falhar os pagamentos à banca
Pelo menos 23 mil famílias portuguesas com empréstimos à compra de casa deixaram de ter as contas em dia com a banca.


ALEMÃES PROCURAM MARX

PARA EXPLICAR A CRISE
O 1º VOLUME DE "O CAPITAL"É A OBRA MAIS MARCANTE
Karl Marx está de volta.

"Ao menos, este é o veredito dos editores e livreiros da Alemanha, que asseguram que suas obras estão voando nas estantes. A crescente popularidade é creditada, naturalmente, à crise econômica em curso. ''Marx entrou de novo na moda'', diz Jörn Schütrumpf, da editora Karl-Dietz, que publica as obras de Marx e Engels em alemão. "
Por Kate Connolly no jornal britânico The Guardian*

terça-feira, 21 de outubro de 2008


GPS DE PORTUGAL

HOJE VOU-LHE OFERECER

UM PRESENTE MUITO UTIL

A partir de agora, não terá mais dificuldade em saber onde fica uma rua, uma localidade,um código postal.

Este site tem possibilidades imensas e fácilmente acessíveis.

Indica facilmente todas as localidades, muitas delas com fotografia aérea.
Mapas de todas as localidades, com nomes das ruas.
Todas as ruas de todas as localidades.
Todos os Códigos Postal

Vale a pena colocar este site, nos favoritos.
CLIQUE AQUI


segunda-feira, 20 de outubro de 2008


OPERAÇÃO SARKOSY


COMO A CIA COLOCOU UM DOS SEUS AGENTES
NA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA FRANCESA

Está surpreendido com o titulo?

Então leia este artigo que foi publicado

Êle responde a muitas das interrogações que Nicolas Sarkozy tem colocado com a sua actuação como Presidente da Republica Francesa.

É um artigo demolidor. Que explica muita coisa!!!

PELO DIREITO À ÁGUA

“A ÁGUA É DE TODOS,

NÃO O NEGÓCIO DE ALGUNS”

POR UMA GESTÃO PUBLICA

DE QUALIDADE

O ACESSO Á ÁGUA POTÁVEL COMO SERVIÇO PUBLICO ESTÁ EM RISCO.

PRETENDE-SE TORNAR O ACESSO A ESTE ELEMENTO ESSENCIAL Á VIDA COMO UMA FONTE DE LUCRO PARA O CAPITAL

NÃO PODEMOS PERMITIR ESTE ATENTADO AOS DIREITOS DE CIDADANIA
SUBSCREVA UMA PETIÇÃO AQUI




sábado, 18 de outubro de 2008


OS PILARES DA SOBREVIVÊNCIA
DO CAPITALISMO

Um querido amigo, que não via há muito tempo, abraçou-me há dias e disse-me entusiasmado: “Olha, com a idade que tenho, nunca esperei ver o fim do Capitalismo”.
Este pensamento, nascido da colossal crise que o Sistema está a passar, reflectida na histórica quebra das cotações nas Bolsas de todo o mundo, é de uma forma geral, o pensamento de muita gente.
Sobretudo pessoas, politicamente interessadas, que sabem ser a Bolsa um autêntico Casino e uma das componentes fundamentais, dos interesses especulativos que essa politica defende.
Com grande pena minha, tive de abrandar os seus entusiasmos, pois reconheço que o Sistema tem ainda algumas armas, que pode utilizar para se defender.
É uma crise profunda, certamente a maior de toda a história do Capitalismo, mas infelizmente não é a última.
Ainda não é desta, mas embora a sua universalidade seja evidente, a máquina de propaganda e manipulação que os “Mídia” têm em todo o mundo, a pulverização e fragilidade das organizações que poderiam ser mobilizadoras das massas, a sua falta de coesão, são questões de momento inultrapassáveis.
Finalmente, porque não dizê-lo, os erros cometidos pelos dirigentes da Ex-União Soviética, deram trágicos argumentos, a essa humanitária alternativa ao Sistema Capitalista, que passou a debater-se, por esses motivos, com acrescidas dificuldades.
De resto, na fase em que a globalização da economia se encontra, embora sendo a mãe e o pai da crise, pelo facto de favorecer as elites que beneficiam e manipulam todo o aparelho do sistema capitalista, não deu tempo às suas vítimas, para se consciencializarem e organizarem numa poderosa frente de combate, com a dimensão que as circunstâncias exigem.
Julgo que mais cedo do que tarde, para lá caminharemos, mas por enquanto esses novos-ricos e seus capangas, conseguiram dominar politicamente vastas áreas desse espaço, ganhando tempo e capacidade de manobra e exploração desses povos e tornando-os muitas vezes seus aliados involuntários e inconscientes.
Ainda voltando ao entusiasmo do meu amigo, ele achava que com estes sintomas, o mundo poderia começar a exigir uma alternativa socialmente aceitável.
Nesse aspecto ele tem alguma razão e de momento até vai parecer que o social se vai impor nas medidas governativas, muito embora as que ele referia, fossem de outra natureza, mais justas, profundas e fraternas.
Cremos que no social e não só.
O susto é tão grande, que de certeza iremos ter ocasião de assistir a ameaças de regulamentar e controlar, tudo o que é visível no Sistema.
Não vão faltar órgãos de controlo para tudo e dirigentes políticos a palrar sobre as rigorosas fiscalizações a que os centros de decisão financeira, vão ficar sujeitos.
O problema é que o Sistema é como uma alcateia de lobos que estão espalhados pelo mundo, sob a liderança do lobo chefe que é a América, onde o “lobby judeu”, histórico suporte do poder financeiro, tem uma influência decisiva.
O que se vai seguir, é mais do mesmo.
Entreajuda na Alta-Finança, desdobramento de responsabilidades no sistema bancário, que por sua vez, vomitam para cima do “Zé pagante”, a responsabilidade de saldar os prejuízos que eles provocaram.
Mas falando ainda sobre a opinião do meu amigo, dou-lhe de barato alguma razão para o seu entusiasmo.
Não me esqueço que as vitimas desta e doutras crises menores, lhe dão argumentos válidos, para pensar que elas jogam a favor de uma tomada de consciência das verdadeiras causas dos seus problemas.
Essa tomada de consciência, sempre se dilata com as crises e como esta é de uma dimensão que não há memória, certamente que as suas consequências, serão também por razões equivalentes, proporcionais.
O “Zé pagante “, tem a seu favor duas vantagens fundamentais, é por um lado o criador das mais-valias e por outro o consumidor necessário para escoar a produção.
Além destas funções, naturais na sua vida em sociedade, a mãe Natureza dotou-o de um instinto de sobrevivência, que levado ao limite, provoca nos seres humanos, reacções incontroláveis.
Se como penso, o meu amigo exagera no seu entusiasmo, não deixa no entanto de ter alguma razão.
O caminho que o Capitalismo está a seguir para manter as suas prerrogativas e privilégios, dão a garantia de não serem sustentáveis “ad eternum”.
Antes pelo contrário.
A evolução natural do homem, dá-lhe hoje uma lucidez incomparavelmente maior do que no passado e esse processo de desenvolvimento, evolui em velocidade exponencial.
É nesse aspecto que se consolidam as expectativas do meu velho amigo.
A necessidade que houve de praticamente nacionalizar uma quantidade de Bancos, retirou ao Capitalismo o principal argumento em que baseava a sua tradicional tese, de ser necessário reduzir o papel do Estado á sua dimensão mínima.
Todos sabemos por vivida e dolorosa experiência, em que nós os portugueses nessa matéria de Nacionalizações somos doutorados, que em situações como estas, se nacionalizam os prejuízos, para posteriormente se privatizarem os lucros.
Estamos seguríssimos que é assim, mas igualmente estamos seguros, que esta será uma das crises que levará á “Crise final”.
Aí sim, teremos ocasião de refazer o caminho da História e colocar as experiências sociais e politicas que se seguiram á Revolução Francesa e á Revolução de Outubro, no seu devido lugar, como etapas fundamentais da evolução humana, no cumprimento das regras impostas pela Natureza, para sustentar a vida humana, como o sua obra mais conseguida.
Lembremos, mais uma vez, que as razões que levaram á queda da União Soviética assentam principalmente no desvirtuamento do socialismo, que os seus dirigentes levaram a cabo, fundamentalmente para fazer face ao seu principal inimigo “O Capitalismo”, na sua vertente militarista, quer para enfrentar Hitler e as suas hordas, quer posteriormente, durante a chamada Guerra Fria.
O que o meu querido amigo me queria dizer no fundo, é que pensava que esse imenso recuo da história tivesse chegado ao fim, e que estavam maduras as condições para se concluir, que só há um caminho para a humanidade e esse sendo o Socialismo, tendo como horizonte o Comunismo.
Não sendo então esta a última crise do Sistema, como vão fazer para resolver os problemas existentes?
Toda a gente percebe, que estas nacionalizações que estão a levar a cabo, são como um balão de oxigénio, para resolver temporariamente a situação.
Ponhamos o caso em Portugal. O nosso governo foi pioneiro, e disso se gaba e sente orgulhoso, a garantir a cobertura da liquidez dos bancos, dispondo para isso de 20 mil milhões de Euros.
Quem é que os vai pagar? Ou melhor, não tendo nós dinheiro para mandar cantar um cego, que o mesmo é dizer que temos um deficit enorme, uma balança de pagamentos deficitária, isto é, gastamos mais do que produzimos alem de uma divida externa de arrepiar os cabelos, pergunto, onde é que vamos arranjar dinheiro para cobrir esses colossais créditos?
Fácil, a Casa da Moeda vai imprimir mais uma quantidade de notas de Euro, para esta e as gerações futuras pagarem.
É o bodo aos ricos!!!! Á custa dos pobres cidadãos deste desgraçado país.
Tenho a certeza que para comer as papas na cabeça destes cidadãos, se vão criar imensos Organismos Reguladores, Organismos Supervisores, Organismos fiscalizadores, Organismos Fiscalizadores de Fiscalizadores.
Até se pode admitir que em certos casos excepcionais, e tratados com pinças, se possa quebrar o segredo bancário.
Numa coisa de certeza não vão mexer, nos “OFFSHORES” .
Será mais provável o 1º Ministro José Socrates, virar socialista, que o Capitalismo permitir uma medida desta natureza.
Se a crise se for desenvolvendo de forma incontrolável, será possível chegar ao extremo de que o governo aceite criar um regime mais intenso de impostos progressivos, mais escalonado, de modo a tapar a boca aos ainda recalcitrantes.
Mas uma coisa é certa. Seja qual for a dimensão e natureza das medidas que o Sistema possa ser obrigado a tomar, deixarão sempre, mas sempre, uma porta aberta para onde se escapem os “amigalhaços”.
Se quiséssemos fazer humor negro com a situação internacional, poderíamos mesmo dizer que o maior problema dos americanos neste momento, para dar liquidez aos seus Bancos e outras entidades financeiras, é não terem capacidade de imprimir tantas notas de dólar, como a velocidade que a dimensão da crise exige. Tenhamos em vista que neste momento já corre no mundo uma quantidade de dinheiro que ultrapassa em 12 vezes a capacidade produtiva mundial, isto é o PIB mundial é 12 vezes menor, do que a representatividade desse dinheiro.
(Para relembrar o Acordo de Bretton Woods e a sua implicação na presente crise vidé neste Blogue, no dia 1 de Outubro, o artigo "Já está mal....Animem-se, ainda vai ficar pior".)
A pergunta que se impõe é esta. Quem vai pagar esse deficit?
É evidente que será no mundo produtivo, do qual os americanos se têm estado a divorciar e limitado a explorar financeiramente.
Uma nota curiosa, demonstrativo dos enfeudamentos da RTP á Voz do Dono.
O locutor do canal um, dizia há poucos dias no noticiário das 20H00, que os Estados Unidos iam fazer ressurgir o Tratado de Bretton Woods.
Foi certamente pelo facto de os Estados Unidos estarem com uma economia “brilhante” nesta altura, que já podem pagar o ouro a 828,50 dólares a onça ‘troy’, que é a sua cotação actual, apesar de ter baixado 68,5 dólares, em consequência das autoridades americanas terem anunciado as medidas com que teoricamente estão a tentar debelar a crise e que na realidade se trata de nacionalizar a maior parte da Banca, que se encontra com enormes dificuldades de liquidez.
Ou seja a Reserva Federal vai imprimir as notas de dólar necessárias para cobrir os prejuízos e quem vier depois que feche a porta.
Tal como os Estados Unidos, a Islândia, país com pouco mais de 300.000 habitantes, que era dada até há pouco como um exemplo de desenvolvimento, para a Europa, representa de forma óbvia, o que o Capitalismo tem de mais perverso.
Este país nunca quis aderir á Europa, ficando assim de fora do concerto da União Europeia, nesta matéria.
Por isso, não poderá contar nesta fase crítica, com o auxílio e as medidas que os restantes países da União Europeia fomentaram, nem do prestígio que o Euro mesmo nestas circunstâncias mantém.
Fruto de uma política ultra liberal, o seu governo proporcionou ao seu povo, crédito sem limites e hoje a Islândia é um pais em “banca rota”, onde o sistema bancário e económico se derreteu.
Isto não é uma força de expressão, é o retrato da situação actual.
A Islândia viu-se obrigada a pedir á Rússia um empréstimo que ronda os 4 mil milhões de Euros, para conseguir ter alguma liquidez.
As consequências desta situação são gravíssimas, pois os seus cidadãos devem aos Bancos o equivalente a 12 vezes o seu PIB.
Se compararmos a situação com Portugal, onde a situação das famílias se debate com gravíssimos problemas de endividamento, que correspondem “só” a 112 % do seu rendimento, poderemos avaliar a dimensão do drama, com que se debate a população da Islândia actualmente.
É uma nota curiosa somente!!! Onde é que se viu o dinheiro valer 12 vezes mais do que aquilo que se produz?
Ah!!! É verdade, era o dinheiro a circular no mundo que também de facto representa 12 vezes mais do que o PIB mundial.
A escola é a mesma!!!
Nunca é demais falar neste fenómeno, porque é ele a mãe e pai da crise, que todo o mundo e nós europeus em particular, vamos ter de pagar.
Todos dizem que esta é a maior crise de sempre do Sistema Capitalista.
Que uma nova Era se inicia, com novas relações económicas e alteração dos centros de decisão.
Uma coisa é certa, o dólar vai deixar de ser uma moeda de referência mundial e veremos aparecer as economias emergentes do Sueste Asiático, a China e a Rússia como pólos mais importantes do desenvolvimento produtivo e da economia mundial.
Algumas dúvidas se põem ao incluir o Japão neste naipe de economias florescentes, dado o seu enfeudamento á economia americana, mas quem cá ficar verá.
Por outro lado e com características completamente diferentes mas de igual modo importantes, os países da América Latina, terão um papel determinante nestes fenómenos de desenvolvimento económico, como pólo independente e autónomo, em relação aos Estados Unidos.
Compreendendo vários Tratados multilaterais já existentes e os que se desenham no horizonte, como por exemplo o Mercosul, com características mais capitalistas, a ALCA (Área livre de Comércio das Américas) com características mais defensoras do social, no entanto, todos eles tendo como ponto comum, tornar as suas economias independentes dos Estados Unidos.
Muito sofrimento, miséria e desespero, se adivinha infelizmente, fruto desta crise que se abateu sobre o mundo, mas que se caracteriza como uma lição definitiva, contra os vícios e criminosas manipulações que o Sistema Capitalista proporciona.
É uma grande e rigorosa lição de vida, que a prática dá aos seres humanos para poderem definir os seus objectivos futuros e determinar o seu destino com maior conhecimento, percebendo e recusando este modo de produção esbanjador, explorador e como se viu sem moral, em que as relações de produção, sendo de novo tipo, dão todos os benefícios, exclusivamente ao capital explorador.
É tempo de acabar com o primado da economia sobre o poder político e colocar o económico/financeiro, sob o controlo e orientação do poder político.
O destino do homem não pode ser o que se tem vindo a desenhar.
A grande lição a tirar desta crise, é poder proporcionar ao ser humano uma maior capacidade de perceber onde estão os seus verdadeiros valores, ter elementos de referência, para poder optar mais correctamente na luta pela defesa dos seus interesses.
Em conclusão, facilmente se verá em breve, que Socialismo é o caminho, é a alternativa.
Com as lições retiradas dos erros cometidos pela União Soviética, na aplicação rigorosa dos ensinamentos de Marx e Lenine, o futuro da humanidade estará assegurado, de que será em paz e harmonia com a Natureza e que a felicidade finalmente, estará ao alcance do homem.

sexta-feira, 17 de outubro de 2008


QUE A MEMÓRIA NUNCA ESQUEÇA

Sob o nazismo, os campos de concentração foram usados como parte de uma estratégia de dominação de grupos étnicos e dissidentes políticos,foram objecto de tratamento desumano e de extermínio.

judeus-ciganos-anarquistas-comunistas- homossexuais e minorias religiosas Testemunhas de Jeová

BALADA DOS MORTOS
DOS CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO

Cadáveres de Nordhausen
Erla,Belsen e Buchenwald!
Ocos, flácidos cadáveres
Como espantalhos,largados
Na sementeira espectral
Dos ermos campos estéreis
De Buchenwald e Dachau.
Cadáveres necrosados
Amontoados no chão
Esquálidos enlaçados
Em beijos estupefactos
Como ascetas siderados
Em presença da visão.
Cadáveres putrefactos
Os magros braços em cruz
Em vossas faces hediondas
Há sorrisos de giocondas
E em vossos corpos, a luz
Que da treva cria a aurora.
Cadáveres fluorescentes
Desenraizados do pó
Grandes, góticos cadáveres!
Ah, doces mortos atónitos
Quebrados a torniquete
Vossas louras manicuras
Arrancaram-vos as unhas
No requinte da tortura
Da última toalete . . .
A vós vos tiraram a casa
A vós vos tiraram o nome
Fostes marcados a brasa
E vos mataram de fome!
Vossas peles afrouxadas
Sobre os esqueletos dão-me
A impressão que éreis tambores —
Os instrumentos do Monstro —
Desfibrados a pancada:
Ó mortos de percussão!
Cadáveres de Nordhausen
Erla, Belsen e Buchenwald!
Vós sois o húmus da terra
De onde a árvore do castigo
Dará madeira ao patíbulo
E de onde os frutos da paz
Tombarão no chão da guerra!

Vinícius de Moraes

CLIQUE PARA ABRIR -ESPERE UM PUCO - CLIQUE EM F5

NESTE LINK