Mensagem

Mensagem

terça-feira, 31 de julho de 2012


               A CRISE QUE VIVEMOS 
     E A MISÉRIA QUE SE ADIVINHA

WILLIAM SHAKESPEARE - REVOLUCIONÁRIO
“Que tempo terrível este em que os idiotas dirigem os cegos”  

Hoje, duas notícias me perturbaram.
A primeira, quando na Antena 1 ouvi dizer que 80 casas por dia, eram vendidas pelas Finanças, resultado das hipotecas que tinham vencido o prazo de liquidação.
Somadas às 20 que como é noticiado há muito tempo,  são entregues diariamente aos Bancos, dão a bonita soma de 100 casas que diariamente estão disponíveis, para serem vendidas.
Isto faz-nos pensar como é possível, num Portugal em monstruosa crise, haja tanta gente com dinheiro, ou tanto dinheiro sem gente, que pode disponibilizar o valor de um mercado, que leva á praça 100 casas diariamente, sem que se torne claro, a origem dessa liquidez, ou o misterioso resultado final dessas transacções. 
Para nós é de facto um mistério, que nem o Sherlock Holmes, se atreveria a tentar descobrir.
Nem por um momento duvidamos,  que a violência que origina tantas e tão dramáticas situações, terá forçosamente que  provocar um cataclismo, que ponha a descoberto, aquilo que no nosso entendimento é suficientemente suspeito e incompreensível.
Sem pretenções de adivinho, é objectivamente fácil vaticinar que um escândalo de explosiva  dimensão, abrirá caminho obrigatoriamente,  a uma solução revolucionáriamente moralizadora.
Como, com quem e de que forma, é muito difícil prever neste momento!
A única certeza, é que caminhamos para tensões populares intoleráveis.
Algo ou alguém, corporizará essa necessidade patriótica de se encontrar uma solução, para a trágica situação que se materializa e desenvolve a cada dia que passa.  
Com os governantes que temos, não poderemos contar e com as autoridades policiais e judiciárias competentes, temos sérias dúvidas.
A lembrança das evidências dos BPN’s  e Socráticos exemplos, estão sempre a atormentar o meu congénito optimismo.
A segunda notícia, foi a oportunidade de ver em repetição, dado não ter tido ocasião de ver no passado Domingo, na TVI, parte do programa do PSD, onde o professor Marcelo Rebelo de Sousa (calculem que ia a escrever Marcelo Caetano!!!), “bota” palavra sobre tudo e sobre nada, desde que abone a acção do governo e da Santa Madre Igreja, assessorado pela ex-vedeta da Antena 1, Judite de Sousa.
Dizia o ecléctico mestre, que o seu correligionário Passos Coelho, referira o seu “lixanço pelas eleições” em virtude "de há muito", os seus conselheiros de imagem, o terem “aconselhado” a passar a usar uma linguagem mais popular.
Ligando essa douta sentença, ao facto de termos ouvido igualmente o nosso primeiro-ministro considerar de viva voz, que “as pessoas humildes o entendiam”, (certamente por igual recomendação expressa pelos seus conselheiros de imagem, que são pelos vistos, o principal trunfo da sua governação) só podemos pensar, que foi a seu conselho que Passos Coelho, elevou á categoria de humilde, o significado de papalvo, como gostaria de ter dito, não fora certamente o aconselhamento, não permitir uma franqueza dessa dimensão.
No nosso “humilde” entender (aqui sim!!!), a política para estes “intelectuais” é uma espécie de jogo, onde se planeiam e falsificam as regras, consoante pensam, que os eleitores são mais ou menos humildes, ou seja mais ou menos “potenciais papalvos”.
Reparem, se o que se ouve permanentemente aos governantes, não é um sucessivo planear soluções, emitir criticas ao governo anterior, jurar a pés juntos que “agora é que vai ser” e específicamente na actualidade, fazer da criação de postos de trabalho, a cenoura á frente dos olhos, com que o espertalhão fazia andar o burro.
Não se ouve uma palavra sobre a necessidade de novas relações de produção, uma intensão remota que seja de acabar com os “offshores”.   
Antes pelo contrário, aumentam-se os horários dos trabalhadores, retiram-se os feriados, diminuem-se as férias, aumenta-se artificialmente a Bolsa de Desempregados, para diminuir as remunerações do trabalho, acaba-se com a Contratação colectiva para fragilizar o poder reivindicativo dos trabalhadores.
No campo financeiro, vai-se buscar liquidez a juros imorais, porque é o povo trabalhador, que acaba sempre por pagar.
Estas são as soluções efectivas para os problemas dessa elite maldita, exploradora, e responsável pela situação de atraso que fomentam, de destruição do aparelho produtivo e do qual resultou na actual situação de miséria em que se encontra 25 por cento da população e sem futuro 50 por cento dos seus  jovens.
Com mentiras, chantagens, de demagógicas falsas promessas eleitorais e de sucessivos planos salvíficos, com que desde 1977 o PS/PSD com e esporádicas cumplicidades do CDS, bombardeiam o povo português, as artificiosas alternativas que prometem, redundam sistematicamente no mesmo resultado: empobrecer o povo e enriquecer as elites.
Nós entendemos, baseados na leitura da história, que bem enganados andam aqueles que pensam poder eternamente “comer as papas na cabeça do povo”.
 A facilidade de acesso ao conhecimento, que nos tempos actuais a informática tem proporcionado, mais importante neste caso do que a própria Cultura, funciona como despertador de consciências.
Essa arma fundamental, permite discutir os problemas, com um mínimo de isenção e clarividência.
Longe vão os tempos em que uma sistemática desinformação, permitia que a comunicação social ao serviço do Capital, fosse utilizara para manter em ignorância as verdadeiras intenções das acções políticas, levadas  a cabo após o 25 de Novembro de 1976.
É UM TEMPO DE LUTA, MAS TAMBEM 
DE GRANDE EXPECTATIVA E ESPERANÇA!!!

domingo, 29 de julho de 2012

      UMA NOTÍCIA ASSUSTADORA
EM DESESPERO DE CAUSA, O CAPITALISMO PODE TENTAR ENCONTRAR NA GUERRA, 
A SAÍDA PARA A SUA CRISE.
       A GUERRA DOS ESTADOS UNIDOS-NATO 
                         CONTRA A SÍRIA
FORÇAS NAVAIS DO OCIDENTE , FRENTE A FRENTE COM A RÚSSIA AO LARGO DA SÍRIA
 
por Michel Chossudovsky
.
"Quando voltei ao Pentágono em Novembro de 2001, um dos oficiais superiores do staff teve tempo para uma conversa. Sim, ainda estamos a caminho de ir contra o Iraque, disse ele. Mas havia mais. Isto estava a ser discutido como parte de um plano de campanha de cinco anos, disse ele, e havia um total de sete países, a começar pelo Iraque, a seguir a Síria, Líbano, Líbia, Irão, Somália e Sudão".
Wesley Clark, antigo comandante-geral da NATO
.
Leia o artigo clicando AQUI

quinta-feira, 26 de julho de 2012

quarta-feira, 25 de julho de 2012


   ANTÓNIO FILIPE ESCLARECE!!!!
JUSTIFICANDO O “ESFORÇO” DO PRESIDENTE 
DA REPUBLICA EM VETAR UM DIPLOMA!

A tradição diz-nos das dificuldades de Cavaco Silva, vetar os diplomas que esta cambada que está no governo promove.
Por isso ficámos muito admirados com a “audácia” do Presidente da Republica, ter vetado o diploma sobre as freguesias de Lisboa.
Pela boca de António Filipe, deputado do PCP, ficámos a saber as razões.
Só não deixámos cair os queixos, porque a ginástica a que esta canalha nos obriga, desenvolveu em nós uma capacidade especial para aguentar estes traga-mouros.
Leiam o que diz António Filipe e digam-me lá, se os deputados do PCP não precisam ter uma paciência do caraças. 

“ Por muito absurdo que possa parecer a pessoas de bom senso, o Parlamento não se "enganou" no mapa das freguesias de Lisboa. Antes da votação, Bernardino Soares, em nome do PCP, alertou alto e bom som para o engano do mapa. Só que o rolo compressor PS/PSD (não é engano, é mesmo PS/PSD) decidiu que tinha de ser votado naquele dia. Mesmo com erros, tinha de ser. Depois, os mesmos que propuseram e votaram, foram a Belém, pedir ao Presidente que vetasse. É irracional. Mas já há muito tempo que os estes partidos deixaram de se guiar por critérios de racionalidade.”

terça-feira, 24 de julho de 2012


MAIS UMA VERGONHOSA EXCEPÇÃO
GOVERNO ZOMBA COM OS TRABALHADORES 
E PARTICULARMENTE COM OS DA TELEVISÃO.

O Diário Económico noticiou que o Governo tinha aceitado o pedido da direcção da RTP de manter os vencimentos do seu presidente Guilherme Costa e de outro gestor José Araújo e Silva, em regime de excepção, fora da nova tabela salarial do Gestor Público.
Como sabemos nova tabela salarial, determina que os administradores de empresas públicas, não podem ter uma remuneração acima de 6.850 euros por mês, equivalentes ao vencimento do primeiro-ministro.
Quanto ficam a ganhar estes dois “elefantes brancos” é segredo dos Deuses.
 O que sabemos, é que de certeza o seu custo é desproporcional à sua utilidade e a comissão de trabalhadores, não deixou de assinalar que esta pouca vergonha,  está em perfeita contradição com a apregoada necessidade de uma justa repartição dos sacrifícios e representa um autêntico escárnio para os trabalhadores em geral e os da empresa em particular.


PARA AUMENTAR CLIQUE NA IMAGEM



segunda-feira, 23 de julho de 2012

              DYLAN JASON RATIGAN
  APRESENTADOR DO “RATIGAN DYLAN SHOW”


Este apresentador de enorme sucesso na televisão por cabo norte-americana, que ganhava mais de 1.5 milhões de dólares por ano, terminou a sua intervenção no “Ratigan Dylan Show”.
Esse programa, enquanto dependeu dele, foi o mais visto na televisão por cabo, na rede da MSNBC, cujo nome deriva da junção da Microsoft à “NBC News” e dos seus parceiros, “The New York Times”, “Newsweek” e “The Washington Post”.
Cito esta origem, para que se perceba até que ponto são credenciadas as suas declarações, no importantíssimo vídeo, que vos apresentamos no fim deste texto.
Dylan J. Ratigan, foi o vencedor do Prêmio Gerald Loeb em 2004, com a cobertura do escândalo da “Enron”, é um escritor e jornalista, especialista em questões financeiras, autor do best-seller “Greedy-Bastards” (clicandoaqui pode ler algumas páginas, o que aconselhamos vivamente!!!).
Do ponto de vista ideológico, não sei qual a sua opção política e fico muito perplexo quando vejo colocar como sub-título desse livro “How We Can Stop Corporate Communists, Banksters, and Other Vampires from Sucking America Dry”, que julgo poder traduzir “Como podemos impedir as Empresas (Corporações???) comunistas, Banksters (onde faz a simbiose de Banqueiro+Gangster= Bankster) , e outros vampiros que estão sugando a  América a seco.
As nossas perplexidades nascem, quando ele refere no livro “How We Can Stop Corporate Communists”.
Encontrámos muitas dificuldades em traduzir o sentido da sua escrita, dada a percepção da complexidade das numerosas variantes que poderiam assumir o sentido idiomático desta frase, na medida em que as formas gramaticais, fonológicas e até o próprio léxico que são peculiares aos falantes de americano, poderiam ser atraiçoados, por uma vulgar tradução à letra.
Tal como traduzimos, supomos não andar muito longe da intenção do autor, mas de qualquer modo, assumimos neste caso as nossas dificuldades, porque “cautela e caldos de galinha, nunca fizeram mal a ninguém”.
Aa nossas dificuldades resultam de não entendermos a possibilidade de existir uma generalidade de corporações comunistas ou até “proto-comunistas”, que possam perturbar minimamente a economia dos Estados Unidos, até porque conhecemos muito bem o receio de qualquer cidadão norte-americano em se assumir simpatizante comunista, com receio de sofrer algumas consequências desagradáveis, tal a pressão anticomunista que se faz sentir nos Estados Unidos.
Falamos por experiência própria, na medida em que, em determinada altura, tivemos uma tarefa de recepção a estrangeiros das mais variadas nacionalidades, aos quais por vezes solicitávamos a morada, para podermos enviar informação e propaganda política comunista e só os norte-americanos, embora simpaticamente, recusavam sistematicamente a dá-la.
Acreditamos que as coisas estejam um pouco melhores, até porque há um Partido Comunista que se está a recompondo, da profunda crise que sofreu, após a destruição da União Soviética.
Este ascenso do Partido Comunista dos Estados Unidos, também reflecte a enorme dimensão da crise que está a afectar as classes trabalhadoras e o povo dos Estados Unidos, embora não tenha ainda grande significado numérico, razão pela qual ainda não foi possível eleger um vereador sequer, em qualquer cidade norte-americana.
De qualquer modo, o que nos chamou a atenção neste vídeo particularmente, foi a clarividência e violência das acusações que faz ao sistema político, económico e financeiro norte-americano e concretamente aos partidos democrata e republicano e nomeadamente ao sistema bancário, que reconhece, não só está a empobrecer os contribuintes americanos, como explora os trabalhadores e produtores de todo o mundo.
Na forma extremada como se expressa sobre as consequências da actual crise económica e financeira, não será difícil entender que possa não ser simpatizante do comunismo, mas torna-se paradoxal, que seja um anticomunista quem diz:
“Em conclusão, pouco ou nada adianta a divulgação deste ou de qualquer outro vídeo deste conteúdo, pois se há pessoas que entendem e vêm qual a situação em que encontra o Mundo devido a estes parasitas, quiçá bandidos que nos roubam, haverá gente que, não sendo estupida, é ignorante o que é bem pior e, como assim continuam a perpetuar no poder desta raça maldita que, intitulando-se de liberais não são mais do que bestas ao serviço do capitalismo”.
Pensamos que o abandono de um programa de sucesso impar, que era fruto do seu talento e da sua visão política, económica e financeira, com a dimensão de audição que tinha, não joga bem, com a desculpa invocada para a seu pedido de demissão.
Achamos que é uma história mal contada, porque “não dá a bolota com a porcalhota”.
Acreditamos sim, que tenha sido forçado a sair, pelo facto de ser uma voz demasiado incomoda para o Sistema.
Um individuo que tem uma arma como a dele, atingindo milhões e milhões de telespectadores, que está interessado a continuar essa luta, por outras vias, segundo ele diz, não encontrará forma mais eficaz de entrar na casa das pessoas e fazer-se ouvir, como através do programa de televisão que tinha.
O seu sucesso é disso testemunha.
Pensar que no seu palmarés, as numerosas denúncias de corrupção, fraudes e abusos do poder, como foi por exemplo o já citado caso da “Enron”, ou o caso que também fez despoletar a intervenção do FBI no escândalo da empresa Solyndra, fabricante de painéis solares fotovoltaicos, que havia recebido da administração do Presidente Barack Obama, um empréstimo de 535 milhões de dólares, sob o pretexto de criar 4000 empregos e cujos executivos tinham feito doações substanciais para a campanha do Presidente Obama, falindo pouco depois, são exemplos de uma actuação cívica preciosa, que só permite obter semelhantes resultados, a partir de uma plateia da dimensão que tinha o seu “Ratigan Dylan Show”.
Por estas e por outras, julgamos não estar longe da verdade quando pensamos e afirmamos, que deve ter sido negociada a sua demissão, ou simplesmente obrigado a demitir-se.
As suas intenções de buscar outras formas de intervenção cívica, não passam nestas circunstâncias, de desculpas esfarrapadas, até pelo teor da mensagem de despedida se contradizem com as razões evocadas para a sua saída e confirmam a nossa dedução, ao afirmar:
“ter deixado uma carreira de quinze anos no jornalismo financeiro em meio à crise de 2008, para se juntar com o seu programa, ao conjunto das tradicionais notícias da televisão por cabo, com objectivo claro de revelar a verdade cruel sobre os nossos maiores problemas e contando as histórias inspiradoras para quem tem todas as probabilidades de poder resolvê-los”.
Especificando mais adiante:
"Decidi deixar de notícias na televisão por cabo, para colaborar e participar com alguns líderes a fim de experimentar e explorar novas maneiras de contar as suas histórias". "Embora possa parecer pouco convencional deixar um programa de TV em rápido crescimento político na véspera de uma eleição presidencial, para mim, o momento não poderia ser melhor."
Para quem tinha o programa de maior sucesso na Televisão americana, é um argumento difícil de digerir, mas mais importante do que acima foi escrito, é o que é dito no vídeo, que apresentamos a seguir.



Para ver o vídeo original, sem legendas em português,   CLIQUE AQUI
Para ver a sua página onde justifica a sua saída CLIQUE AQUI

                                       ISLÂNDIA
      UMA ESPÉCIE DE MENINA DOS OLHOS, 
             NO COMBATE AO CAPITALISMO

Este é mais um texto que recebemos descrevendo o estado em que se encontra na actualidade o caso da Islândia, embora nele se referiam muitos dos episódios já anteriormente descritos neste Blogue, em textos publicados oportunamente.
Este episódio histórico, que acompanhamos com todo o interesse desde o princípio, mantem uma indiscutível actualidade, com exemplo vencedor da intervenção popular, na defesa dos seus interesses.
Hoje vai sendo mais fácil ter acesso ao que se passa na Islândia, mas bem nos recordamos dos esforços que tivemos inicialmente de fazer, para obter uma informação, mínima que fosse, nas fontes tradicionais de comunicação social.
A nossa sorte foi ter conseguido encontrar o site de um casal de franceses que estavam na Islândia na ocasião em que rebentou o escândalo e contou o que se estava a passar.
Todas as tentativas que tínhamos feito na Internet, quer através do Google, quer de outros motores de busca , e agências de informação, saíram frustrados, até que chegámos á pista acima referida.
Eis o texto que recebi e resume a actual situação da Islândia:

ISLÂNDIA 
TRIPLICARÁ O SEU CRESCIMENTO EM 2012, APÓS A PRISÃO DE POLÍTICOS E BANQUEIROS

A Islândia conseguiu acabar com um governo corrupto e parasita. Prendeu os responsáveis pela crise financeira, mandando-os para a prisão.
Começou a redigir uma nova Constituição feita por eles e para eles. E hoje, graças à mobilização, será o país mais próspero de um ocidente submetido a uma tenaz crise de dívida.
É a cidadania islandesa, cuja revolta em 2008 foi silenciada na Europa por temor a que muitos percebessem. Mas conseguiram, graças à força de toda uma nação, o que começou sendo crise, se converteu em oportunidade.
Uma oportunidade que os movimentos altermundistas observaram com atenção e o colocaram como modelo realista a seguir.
Consideramos que a história da Islândia é uma das melhores notícias dos tempos actuais.
Sobretudo depois de saber que segundo as previsões da Comissão Europeia, este país do norte atlântico, fechará 2011 com um crescimento de 2,1% e que em 2012, este crescimento será de 1,5%, uma cifra que supera o triplo dos países da zona euro.
A tendência ao crescimento aumentará inclusive em 2013, quando está previsto que alcance 2,7%.
Os analistas asseveram que a economia islandesa segue mostrando sintomas de desequilíbrio. E que a incerteza segue presente nos mercados. Porém, voltou a gerar emprego e a dívida pública foi diminuindo de forma palpável.
Este pequeno país do periférico árctico recusou resgatar os bancos. Os deixou cair e aplicou a justiça sobre aqueles que tinham provocado certos descalabros e desmandes financeiros.
Os matizes da história islandesa dos últimos anos são múltiplos. Apesar de transcender parte dos resultados que todo o movimento social conseguiu, pouco foi falado do esforço que este povo realizou. Do limite que alcançaram com a crise e das múltiplas batalhas que ainda estão por se resolver.
Porém, o que é digno de menção é a história que fala de um povo capaz de começar a escrever seu próprio futuro, sem ficar a mercê do que se decida em despachos distantes da realidade cidadã. E embora continuem existindo buracos para preencher e escuros por iluminar.
 A revolta islandesa não causou outras vítimas que os políticos e os homens de finanças costumam divulgar. Não derramou nenhuma gota de sangue. Não houve a tão famosa "Primavera Árabe". Nem sequer teve rastro mediático, pois os meios passaram por cima na ponta dos pés.
Mesmo assim, conseguiram seus objectivos de forma limpa e exemplar.
Hoje, seu caso bem pode ser o caminho ilustrativo dos indignados espanhóis, dos movimentos Occupy Wall Street e daqueles que exigirem justiça social e justiça económica em todo o mundo.

sábado, 21 de julho de 2012


                     “IN MEMORIAN” 
        DE JOSÉ HERMANO SARAIVA


Agora que o senhor morreu, porque foi meu professor de História e era filho do Reitor do meu Liceu Passos Manuel, recordo a ligação que a vida se encarregou de relacionar a essa memória, em muitas e por vezes dolorosas situações pouco "simpáticas" digamos.
Fui aluno do Liceu Passos Manuel, onde para ganhar umas refeições à borla, fazia de fiscal do refeitório, controlando as entradas e vendendo as senhas das refeições e complementos.
Porque tinha pouco mais de 10 anos e era um miúdo desembaraçado, facilmente caí nas graças da maioria dos professores e nomeadamente do Reitor, pai de José Hermano Saraiva, que por ser muito pequenino, era conhecido pelo “meia-leca”.
Era na altura comandante de Bandeira da Mocidade Portuguesa desse liceu, Baltazar Rebelo de Sousa, pai de Marcelo Rebelo de Sousa.
Acontece que todos os sábados à tarde tínhamos actividades daquela organização, entre elas um arremedo da chamada “ordem unida” militar, que consistia em marchar e fazer vários movimentos de conjunto.
Um dia em que me enganei num dos movimentos exigidos à “quina” de que fazia parte, o instrutor castigou-me, calcando violentamente com o calcanhar do seu botim, a biqueira do meu sapato e oscilando para um lado e para o outro, a fim de me ocasionar a maior dor possível.
Decidi nunca mais ir à Mocidade Portuguesa, mas como nesse tempo era obrigatório, a minha mãe, como encarregada de educação, foi chamada à reitoria, para tomar conhecimento do meu comportamento.
O facto de o Reitor me conhecer, as razões que invoquei para o abandono e certamente a simpatia que tinha por mim, autorizou que eu fosse certamente o 1º filiado da Mocidade Portuguesa a não ir obrigatoriamente,  às iniciativas dessa Organização.
Mais tarde no 3º ano, actual 7º, foi o seu filho José Hermano Saraiva, meu professor de História, tendo proposto aos seus alunos, um trabalho ilustrado, no qual me coube na parte da Antiguidade Oriental.
Fiz para isso uma série de desenhos relativos ao antigo Egipto, que em conjunto com todos os outros feitos pelos meus colegas, foi encadernado em forma de livro.
Constou-me que até há poucos anos corria na posse de cada um desses antigos alunos do Liceu, que continuaram a juntar-se num jantar regular, com o professor Hermano Saraiva.
Mais tarde, por uma incrível coincidência, tornou-se chefe da minha companheira, no Instituto de Assistência a Menores, para onde foi nomeado Director. 
As excepcionais qualidades humanas e profissionais da minha companheira, fizeram dela uma referência de eficácia e camaradagem na repartição, merecendo de todos os colegas e nomeadamente do seu chefe  Dr.Hermano Saraiva uma particular consideração, pela forma como sempre se comportou,  em todos os lugares e tarefas que foi chamada a desempenhar.
Por altura de 1969,  vi-me confrontado, com vários processos disciplinares, ordenado pelo Ministério das Corporações, motivados por ter iniciado um movimento Nacional contra os fornecedores de cosméticos, que tinham decidido organiza-se em cartel, para controlar os preços dos cosméticos, sobre a orientação da L’Oreal.
Porque sabia que José Hermano Saraiva era um homem com um passado de grande influência política na situação, fui tentar que assumisse a minha defesa, até por estava a ser vítima de uma perseguição política, contra a qual me sentia impotente, embora cheio de razão e com pleno apoio de todos os profissionais do país, excepção feita a alguns colegas, simpatizantes da situação política, sem grande significado.
Quando lhe contei as razões do conflito, aceitou ficar como meu conselheiro, mas sem querer dar a cara publicamente como meu advogado.
Reviu e redigiu-me alguns textos que apresentei como defesa, mas o ataque aos meus direitos, era de tal modo discriminatório, que ele próprio (para se desculpar e não assumir a defesa das violências que era vítima) me dizia que não entendia o que estava a acontecer.  
Acabei condenado, sem direito a trabalhar legalmente na minha empresa durante seis anos, mas os efeitos práticos da medida eram só de natureza simbólica, por a penalidade ser do foro interno, regulado pelo Ministério das Corporações. 
Soube posteriormente que a PIDE tinha determinado a minha incapacidade de concorrer à Direcção do meu Grémio Profissional, na medida em que sabiam que se eu concorresse ganharia folgadamente as eleições, fosse qual fosse o método que quisessem utilizar, mesmo repetindo a batota com que me tinha impedido de tomar posse como presidente eleito em eleições livres anteriores, situação que originou os justos protestos que estiveram na base dos tais processos disciplinares. 
Pagou-se regiamente do trabalho que teve comigo, a pesar de toda a relação de proximidade e afinidades passadas. 
Ficou para mim claro neste processo, que o seu comportamento era de total cumplicidade com o fascismo, independentemente de nessa altura já não desempenhar nenhum cargo político de relevo.
Agora que morreu e como não tenho vocação de “Mandela” sinto que é menos um petulante fascista, à superfície da terra!!!
QUE A TERRA LHE SEJA LEVE!!!


sexta-feira, 20 de julho de 2012


     MOLLIS LEX… LEX EST ETIAM      
QUE É COMO QUEM DIZ: 
FRACA LEI, TAMBÉM É LEI
CASO FREEPORT
NÃO VAI DAR EM NADA ….APOSTAMOS!!!
TRIBUNAL DO BARREIRO DETERMINOU QUE 
JOSÉ SÓCRATES SEJA INVESTIGADO !!!

Noutro país, gritava: ATÉ QUE ENFIM!!!
MAS ISTO É PORTUGAL

(Gostei desta foto porque parece estar com maus pressentimentos, oxalá tenha razão!!!)

O Tribunal do Barreiro decidiu hoje mandar extrair uma certidão que permita o Ministério Público abrir uma investigação a José Sócrates, pela sua intervenção no caso do licenciamento do Freeport, quando então era ministro do ambiente em 2001/ 02.
O acórdão absolveu os outros implicados no caso, Manuel Pedro e Charles Smith do crime de extorsão na forma tentada, na sequência do próprio Ministério Público, ter reconhecido que não tinham matéria para os condenar.  
O colectivo de juízes indicou no entanto, pelos testemunhos destes implicados, seria José Sócrates um dos destinatários, que terão exigido  o pagamento de “comissões”, para autorizarem o licenciamento do Freeport de Alcochete, justificação que vai levar a que seja finalmente investigada a intervenção de José Sócrates neste caso.

UM HOMEM, UM REVOLUCIONÁRIO!!!
              UM COMUNISTA!!!!                
CONSIDERAÇÕES À MARGEM DE UMA MAGNÍFICA METÁFORA PUBLICADA NO BLOGUE “WEHAVEKAOSINTHEGARDEN”

Tenho uma sincera admiração pela imaginação e genial sentido crítico e humorístico do autor do blogue “wehavekaosinthegarden”.
Discordo de alguma “ferroadas” injustas que por vezes tem dado na CGTP e no Partido Comunista Português, opinião que já lhe transmiti por escrito, há algum tempo.
Não deixo de reconhecer o seu imenso talento e sentido de síntese, para glosar verrinosamente aspectos relevantes da nossa política e caricaturar de forma quase sempre hilariante, os seus intervenientes.
A forma subtil, mas sempre persuasivamente inteligente, como aborda os temas e particularmente no que diz respeito ao PCP e à Intersindical CGTP, tem demonstrando no fundo um grande respeito pelas posições do PCP e da Central Sindical, nomeadamente no caso dos seus representantes, como é um exemplo expressivo o sucedido hoje, referente a Jerónimo de Sousa.
A alegoria é feita, recorrendo a uma vigorosa árvore, com fortíssimas raízes arrancadas à terra, numa tensa caminhada, onde a cabeça de Jerónimo de Sousa corporiza essa demanda.
Apoiado numa vara, que neste caso somos levados a supor que simboliza e toma o lugar dos militantes, seus companheiros de luta.
O lado menos positivo do comentário final do autor, resiste com naturalidade ao que possa ser considerado negativo para Jerónimo de Sousa, porque não sendo ele militante comunista, escapa-lhe a dialéctica da vida, quando se luta pela transformação da sociedade e tem de se ter em conta  a dimensão e qualidade dos valores que se defendem e nas realidades objectivas que os comunistas,  revolucionariamente, têm de lutar.
Diz no seu comentário final:
“Coerente no discurso que há anos se repete incessantemente sem atingir nenhum fim. Tão preocupado com a legalidade de tudo o que faz que acaba por não fazer o que podia e devia. Preso ao sistema que ele próprio condena pelo que acaba por viver no seu seio.”
Subentende-se a sua discordância, por não ver da parte do Partido uma atitude, digamos, mais “audaciosa”, mas mesmo assim, entendemos que não releva o respeito que se expressa, na forma impetuosa como representa a árvore e o secretário-geral do PCP, onde ressalta a força e a tenacidade de um homem, caminhando em esfoço, mas com as suas raízes, e o orgulho das suas origens na classe operária, bem assentes na terra.  
Agora atrevo-me a reproduzir o comentário que fiz no Blogue “wehavekaosinthegarden”, relativamente a essa imagem de Jerónimo de Sousa, deixando-o como confirmação do que atrás foi dito e na forma como o autor se expressa diferentemente, relativamente aos outros lideres partidários.
O nosso comentário á imagem, publicado no “wehavekaosinthegarden”,
Para quem como eu, se emocionou por 12 vezes com a peça "As árvores morrem de pé" vistas no Teatro Nacional D. Maria II e algumas na Televisão, com a saudosa e brilhante actriz Palmira Bastos, consideramos genial esta alegoria do blogue “wehavekaosinthegarden”, pelo simbolismo e pela portentosa força que irradia, colocando Jerónimo de Sousa, ligado por fortíssimas raízes à terra.
No fundo não podemos deixar de relacionar essa força, com sua ligação ao povo e aos trabalhadores, numa homenagem aos valores da honra, da verdade e da dignidade, que são o “leit motif” dessa maravilhosa peça de Alexandro Casona .
Não posso deixar de assinalar o pormenor do pau com que Jerónimo de Sousa se apoia, que recorda a cena final da peça, em que a gloriosa Palmira Bastos, impressionante de altiva dignidade, apoiada numa bengala… batendo energicamente com ela no chão, exclamava “As árvores morrem de pé!!!” .
Ao autor, com os meus sinceros parabéns, lembrando o seu comentário final, aconselho-o a compreender que a paciência dos comunistas, é uma virtude revolucionária e dialéctica, que assenta na certeza da razão da sua luta.
A forma como ligou de maneira tão poderosa o homem à terra, provou que sabe bem, a dimensão e as dificuldades da luta que travam os comunistas e que a alternativa é a morte da árvore, ou seja o fim da humanidade.

Como comunista, o meu obrigado!!!


                          EUCALIPTOS

Não sou especialista na matéria.
Mas das memórias da minha infância, retiro a lembrança de um tio muito querido, que amanhava uma propriedade  e na sua margem um vizinho  quis plantar um eucaliptal.
Como não mediava a distância regulamentada da sua fazenda, onde ele semeava trigo, milho e outras novidades, queixou-se à entidade competente e conseguiu que os eucaliptos fossem obrigatoriamente colocados tão longe da sua propriedade, que o vizinho desistiu dessa plantação.
Os receios desse meu tio alicerçavam-se mais de no facto de temer pela nascente de água que possuía na sua propriedade, do que pelo respeito à legislação em vigor que regulava esse plantio.
Ele tinha a certeza que no dia em que o vizinho plantasse o eucaliptal, a nascente donde retirava a água necessária para regar as suas sementeiras desapareceria, dadas as grandes quantidades de água que os eucaliptos absorvem.
Esta história,  aliada ao facto de ser considerada uma planta invasora e às dificuldades que mais tarde soube terem sido criadas às celuloses, que queriam  alugar alguns terrenos na zona do Oeste, onde pretendiam plantar eucaliptos para fins industriais, enraizou-me a convicção de que o eucalipto pelas suas características orgânicas, é extremamente prejudicial para os terrenos onde é plantado, tendo como consequência, a  futura desertificação desses terrenos.
Não será por acaso que há uma “vox  populi” que se refere ao Presidente  Cavaco Silva , como um eucalipto,  que seca tudo à sua volta.
A apetência por esta árvore, deve-se ao facto de crescerem rapidamente e serem utilizadas principalmente para produzir pasta de celulose utilizada no fabrico de papel, razão pela qual o antigo ministro da agricultura, Capoulas dos Santos, acusa agora o governo de estar a ceder aos interesses da indústria da celulose.
Independentemente das consequências nefastas para a biodiversidade das florestas, o eucalipto encontra-se entre as espécies que mais favorecem e propagam os fogos florestais, sendo que esta arvore segundo oespecialista em fogos florestais, Xavier Viegas, proporcionarem fogos deprojecção, em resultado da autocombustão dos óleos voláteis libertados pelo eucalipto, especialmente nos dias de calor mais intenso e nos locais com maior concentração de eucaliptos, o que os tornam imparáveis.
Sujeita a legislação apertada, as plantações de eucalipto para fins industriais, tinham até há pouco como suporte uma gestão silvícola sustentada que garantia a defesa dos valores ambientais e culturais.
A partir de agora, por decisão desta canalha oportunista que desgraçadamente nos está a (des)governar passou a ser possível qualquer pessoa plantar eucaliptos, sem pedir qualquer autorização, em qualquer área florestada que seja destruída por um incêndio, deixando de haver, como acontecia até aqui, o tal suporte de gestão silvícola sustentada, baseada na defesa dos valores ambientais e com sérias consequências até no domínio cultural.
SÓ ESTE GOVERNO FINGE NÃO VER, QUE ESTÃO A FAZER UM CONVITE AOS INCENDIÁRIOS, PARA ACABAR COM O QUE RESTA DE OUTRAS ESPÉCIES QUE SEJAM MENOS RENTAVEIS DE IMEDIATO.

quinta-feira, 19 de julho de 2012

     PARA CONHECER MELHOR O PERSONAGEM

A VERDADE TODA, AINDA NÃO FICA DITA, 
MAS DÃO-SE DOIS PASSOS NESSE SENTIDO!!!

1º PASSO

Já em tempo tínhamos publicado este vídeo no nosso Blogue.
Dado no entanto a actualidade do caso, achámos por bem repetir a sua publicação, para a eventualidade de alguns dos nossos visitantes, ainda não terem visto.  
Em qualquer país do mundo, o seu envolvimento nas  negociatas que aqui denunciamos, terminaria obrigatoriamente com o seu pedido de demissão.
Mas neste país de “brandos costumes”, ele continua a preocupar-se mais com o seu irrepreensível nó da gravata, do que com o seu desempenho de primeiro e principal responsável pelo cumprimento da Constituição Portuguesa, que jurou cumprir e fazer cumprir.

UM CASO QUE CONFIRMA A VOZ DO POVO, 
“QUANTO MAIS JURAS ….MAIS MENTES!!!”



2º PASSO 

Depois de verem o vídeo, não percam o “power  point” que publicamos a seguir. 
De uma forma muito sintética analisa-se o percurso político de Cavaco Silva, desde que para nossa infelicidade, resolveu num congresso do PSD onde foi "por acaso",  dedicar-se à política. 

O RESULTADO FOI ESTE: 

quarta-feira, 18 de julho de 2012


ULTIMATO AO BISPO DAS FORÇAS ARMADAS
           D.JANUÁRIO TORGAL FERREIRA

Finalmente o governo e nomeadamente o Ministro da Defesa José Pedro Aguiar Branco vão ter de abrir o jogo!
Pelas palavras do Ministro da Defesa, calculamos que estarão neste momento junto da hierarquia da Igreja Católica, a fazer toda a pressão possível, para afastar D. Januário Torgal Ferreira, das suas funções de Bispo das Forças Armadas.
A sua figura que tornou-se demasiado incomoda pelas suas declarações públicas, denunciando algumas das enormidades deste governo.
Não sei porquê, veio-me à ideia o caso de Manuela Moura Guedes, versus Sócrates!!!
Se por um lado, o ministro que tutela as Forças Armadas está a transferir o Branco do apelido, para a cor do cabelo e a gastar latas e latas de laca para baixar os cabelos que tendem a ficar de pé, sempre que o Senhor “D.Bispo” manda umas bocas sobre o estado da nação e da quadrilha que nos governa, o seu companheiro no governo, Paulo Portas deve estar com um grande osso atravessado na garganta.
Este último companheiro de orações de D. Januário, quanto mais não seja, para se aproveitar da força da Igreja para cativar o voto dos crentes, farta-se de encher a boca como lídimo defensor da Democracia Cristã.
Certamente muito contra a vontade, vai ser obrigado a chegar a roupa ao pelo ao Bispo, seu “irmão na fé”, para salvar a sua continuidade no governo e por arrasto no poder (que é o petisco que ele mais aprecia), pois a presença de Aguiar Branco do PSD no problema, é suficientemente forte,  para obrigar Passos Coelho a arriscar a coligação para obedecer aos desejos do seu ministro da defesa.
Isto não é uma profecia ….mas  aproxima-se!!!

terça-feira, 17 de julho de 2012


             RELVAS EM 2010 ATÉ FOI 

       PROFESSOR UNIVERSITÁRIO !!!



Lista de Pessoal Docente ao abrigo do Decreto-Lei n.º 15/96, de 6 de Março
Informação relativa a 31/12/2010
Notas:
  • Nos termos do Decreto-Lei n.º 15/96, a informação apresentada é da responsabilidade das instituições que a comunicaram ao Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais.
    Em contacto com as instituições responsáveis, o Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais procurará superar, progressivamente, os eventuais erros contidos nestas listas.
  • A inclusão de um docente em listas de diferentes estabelecimentos não implica, necessariamente, uma situação de acumulação irregular.
  • Na coluna "Grau" assinalam-se com (*) os graus sem equivalência ou reconhecimento.
Actividades do Docente no Estabelecimento:
Instituto Superior de Comunicação Empresarial
Nome Miguel Fernando Cassola de Miranda Relvas
Docência Sim
Número de Horas de Docência 3 horas semanais
Regente/Responsável de Disciplinas Sim
Coordenações Não
Membro de Órgãos Científico-Pedagógicos Não
Presidência/Coordenação de Órgãos Científico-Pedagógicos Não
Membros de Orgãos Directivos Não
Outras Situações Não
Habilitações
Grau, Título ou Diploma Curso ou Especialidade Fonte dos Dados
Licenciado Relações Internacionais 4295
Topo



                    PAULO DE MORAIS
MAIS UM EXCELENTE TEXTO, SOBRE ALGUMAS 
DAS GRITANTES IMORALIDADES, DA NOSSA VIDA POLÍTICA

Mais um notável texto de Paulo de Morais, abordando a injusta legislação, que com argumentos falaciosos, conquistou benefícios absolutamente injustos e imorais, para a classe política.
Considerando embora que outros haverá, que estão na vida política com sentido de missão, não posso deixar de referir esse elevado sentido cívico e revolucionário, em todos os elementos que compõem a bancada do Partido Comunista, sem excepção
Já começa a ser mais conhecido, o extraordinário espírito de sacrifício (particularmente nos dias de hoje!), o facto de entregam ao seu Partido, tudo quanto ganham a mais do que o seu ordenado base, tal como todos os outros funcionários do PCP.
Tendo em conta que o seu próprio secretário-geral e deputado Jerónimo de Sousa, pouco mais ganha de que 750 euros, como ex-operário de profissão, todas as homenagens que se possam atribuir a estes convictos lutadores do nosso povo, são inquestionavelmente merecidas.
Depois desta pequena introdução, melhor poderemos avaliar os injustos benefícios de que a maioria dos nossos políticos e ex-políticos beneficiam, por no fundo terem conseguido colocar Portugal na cauda dos países civilizados, com todos os índices, da educação ao nível da pobreza, inferiores a todos os outros. 
É preciso não esquecer que tornaram  Portugal um país do terceiro mundo, onde matar a fome já começa a ser o objectivo principal para a maioria da população.
Até que a maioria dos portugueses tome consciência que quando votam nesta canalha que nos tem governado, estão a votar na sua própria condenação à miséria ou à ruína, o voto é e continuará a ser, a guilhotina do destino de muitos cidadãos enganados e que ainda não tomaram consciência, do facto dos seus destinos estarem a correr um perigo mortal.
Acreditando nas sofisticadas formas como os donos da comunicação social os manipulam, colocam muitas vezes a sua cegueira anti-comunista, como a corda que os está, ou irá enforcar.

ABRAM OS OLHOS, OS OUVIDOS E COLOQUEM A VOSSA LUCIDEZ, AO VOSSO PRÓPRIO SERVIÇO!!!

NÃO PEDIMOS NADA MAIS!!!





 RENDIMENTO MÁXIMO

O destino do país está na mão de aposentados. O presidente Cavaco Silva, a primeira figura do Estado, é reformado. A segunda personalidade na hierarquia protocolar, Assunção Esteves, é igualmente pensionista. Também nos governos nacional e regionais há ministros que recebem pensão de reforma, como Miguel Relvas ou até Alberto João Jardim. No Parlamento, há dezenas de deputados nesta situação. Mas também muitas câmaras são presididas por reformados, do Minho, ao Algarve, de Júlia Paula, em Caminha, a Macário Correia, em Faro.
É imensa a lista de políticos no activo que têm direito a uma pensão. Justificam este opulento rendimento com o facto de terem prestado serviço público ao longo de doze anos ou, em alguns casos, apenas oito. Esta explicação não convence, até porque uma parte significativa deste bando de reformados não só não prestou qualquer relevante serviço à nação como ainda utilizou os cargos públicos para criar uma rede clientelar em benefício próprio. Foi graças a esta teia que muitos enriqueceram e acederam a funções para que nunca estiveram curricularmente habilitados. A manutenção até hoje destes privilégios e prebendas é inaceitável, em particular nos tempos de crise que atravessamos. Sendo certo que a responsabilidade por este anacronismo não é de nenhum destes políticos e ex-políticos em particular - também é verdade que todos têm uma culpa partilhada por não revogarem este sistema absurdo que atribui tenças milionárias à classe que mais vem destruindo o país. Urge substituir este modelo pelo único sistema admissível que é o de que os titulares de cargos públicos, quando os abandonam, sejam indemnizados exactamente nos mesmos termos que qualquer outro trabalhador.
E que passem a reformar-se, como todos os restantes cidadãos, quando a carreira ou a idade o permita. É claro que dirigentes habituados a acumular reformas de luxo com bons salários jamais compreenderão os problemas dos que têm de viver com salários de miséria; ou sequer entenderão as dificuldades dos que sobrevivem apenas com pensões de valor ridículo. Não serão certamente estes reformados de luxo que conseguirão proceder às reformas estruturais de que Portugal tanto está a precisar.

segunda-feira, 16 de julho de 2012

            OBSERVEMOS…. PARA PERCEBER              
PARA QUE É, QUE SOMOS TÃO OBSERVADOS!

Você sabia que há uma imensa quantidade de gente que nos anda a observar e não se dá por isso?
Há 119 observatórios, para as mais diversas actividades.
Há os que têm obrigação de se preocupar com a fala, como por exemplo o “Observatório da neologia do português” ou o “Observatório de neologismos do português europeu”.
Há os que escarafuncham em tudo o que se relaciona com a droga, “Observatório nacional da droga e toxicodependência”, “Observatório europeu da droga e toxicodependência”, “Observatório geopolítico das drogas”, etc.
Na saúde de uma maneira geral, há montes de “Observatórios” para concluírem certamente, que este é um país gravemente doente, governado por uma canalha que lhe retira toda capacidade de se tratar.
A fase terminal em que se encontra a sua independência, constitui uma ameaça mortal para a sua soberania, roubando a cada dia que passa, toda e qualquer hipótese de sobrevivência.
Há, no domínio da educação, os que observam meticulosamente o que se passa, como por exemplo o “Observatório das ciências do 1º ciclo”, “Observatório das ciências do 2º ciclo” ou mais pomposamente o “Observatório de políticas de educação e de contextos educativos”.
Há aqueles que integram actividades verdadeiramente exóticas, como seja o “Observatório urbano do eixo atlântico”, o “Observatório solar e heliosférico” ou o futurista “Observatório virtual da astrofísica” para não esquecer o secreto “Observatório Mcom”…assim mesmo…Mcom …(Não dizem… com…quê!!! A gentes que adivinhem!!!).
Há o enigmático “Observatório ibérico do acompanhamento do problema da degradação dos povoamentos de sobreiro e azinheira”, que me traz à memória o crime de autorização do corte de 2600 sobreiros, por Luís Nobre Guedes, Telmo Correia, do CDS e Costa Neves do PSD, ao tempo ministros do Ambiente, do Turismo e da Agricultura, dias após as eleições legislativas de 2005, em que José Sócrates substituiu Pedro Santana Lopes.
A rapidez do despacho, numa situação em que o governo já se encontrava em regime de gestão, demonstra a criminosa intenção de favorecer o projecto turístico da Portucale, empresa do Grupo Espírito Santo, na herdade da Vargem Fresca, em Benavente.
Nestes 119 observatórios, você, tal como nós, talvez não faça a mínima ideia de quantas pessoas nos estão a observar e o que observam de facto!!!
Uma coisa é certa: com tanta variedade de observatórios, tudo o que se faça e até mesmo o que não faz, arrisca-se a ter um par de olhos, pelo menos, a observá-lo, controlá-lo e a contabiliza-lo!
Por isso o governo nos trata como números e não como pessoas!!!
Antigamente havia o “Observatório Meteorológico”, que observava o tempo e a PIDE que observava e controlava tudo o que cada um fazia.
Hoje a observação é muito mais sofisticada, ampla, científica, diversificada, neo-liberalizada, cujos resultados ficam no segredo dos deuses e servem principalmente para as classes dominantes, não só arranjarem uns tachos para os amigos familiares e correligionários, como também para manterem as populações sob controlo, pacíficas, ordeiras e serviçais e o menos possível informadas do que verdadeiramente se passa.
Ainda se o que essa gente que nos observa, estivesse a tornar Portugal um país melhor, mais evoluído, mais eficiente, mais culto, mais competente, mais educado, mais idóneo, mais competitivo, mais auto-suficiente, mais justo, mais generoso, mais solidário, mais equitativo, mais imparcial, mais feliz!…talvez valesse a pena!!!
Mas afinal qual é o resultado dessas observações? Quanto custam ??? Que resultados práticos???
Quanto a resultados, na perspectiva dos cidadãos nem sequer vale a pena perder tempo.
Basta ver o atraso do país, o estado lastimoso da economia, a desgraça do desemprego, a miséria dos ordenados da esmagadora maioria dos trabalhadores em contraste com as mordomias e benesses das elites que nos governam e seus capangas de confiança.

A IDEIA QUE SE CIMENTA, É QUE NOS BANCOS, NOS RICOS, NOS GRANDES INDUSTRIAIS E NAS ELITES NÃO SE TOCA.
A RAIA MIÚDA, QUE PAGUE A CRISE !!!

Os índices de suicídios, o aumento da pobreza, o ciclo de fome porque passa grande parte dos portugueses, são por demais evidentes e resultam dessa caótica situação em que os sucessivos governos, nos têm colocado.
O desespero da juventude que se vê sem futuro e aconselhados pelos próprios governantes a desistirem e emigrarem
Quantos milhares abandonam os estudos por dificuldades financeiras???
Será difícil perceber porque muitos deles procuram nas drogas, o refugio para a suas dificuldades?.
O novo recurso a emigração em massa, é a única e desesperada resposta à vista, para o desumano desemprego que se generaliza.
Sair do país é a solução possível para a sobrevivência de centenas de milhares de desempregados.
O decréscimo acentuado da população tem como causa principal, a recusa dos casais a procriarem, fruto das dificuldades com que se debatem!
Os pensionistas e os reformados, estão a braços com dificuldades económicas que não lhes permite comprar os remédios que necessitam, nem recorrer a uma assistência médica, por carência de dinheiro para pagar as taxas moderadoras.
Não será tudo isto que observam os 119 observatórios e nada acontece de bom para este povo.
Vamos então conhecer esses observatórios, tentar deduzir para que servem!
E se só “observam” ….a quem servem?

O ESTADO DA NAÇÃO PERMITE PENSAR QUE ESSES OBSERVATÓRIOS, MAIS DO QUE “OBSERVAR”, SÃO OS OLHOS DOS GOVERNOS QUE CRIARAM UM PAÍS VIRTUAL E, DESTRUÍRAM OS SONHOS NASCIDOS EM ABRIL.
ESSES MESMOS GOVERNOS QUE MATAM AS ESPERANÇAS DO POVO, SEMEIAM O DESESPERO, CRIAM POBREZA E DIFICULDADES, PARA SUSTENTAR UMA ELITE EXPLORADORA E ESPECULATIVA, QUE FAZ DA DEMOCRACIA E DA LIBERDADE, UM SLOGAN VAZIO E SEM EXPRESSÃO CONCRETA, NA VIDA DAS PESSOAS.

Observatório nacional de saúde
Observatório dos medicamentos e dos produtos da saúde
Observatório português dos sistemas de saúde
Observatório médico
Observatório vida
Observatório do ordenamento do território
Observatório do comércio
Observatório da imigração
Observatório para os assuntos da família
Observatório permanente da juventude
Observatório nacional da droga e toxicodependência
Observatório europeu da droga e toxicodependência
Observatório geopolítico das drogas
Observatório do ambiente
Observatório das ciências e tecnologias
Observatório do turismo
Observatório para a igualdade de oportunidades
Observatório da imprensa
Observatório das ciências e do ensino superior
Observatório dos estudantes do ensino superior
Observatório permanente do ensino secundário
Observatório das ciências do 1º ciclo
Observatório permanente das organizações escolares
Observatório da comunicação
Observatório das actividades culturais
Observatório local da Guarda
Observatório de inserção profissional
Observatório do emprego e formação profissional
Observatório nacional dos recursos humanos
Observatório regional de Leiria
Observatório sub-regional da Batalha
Observatório permanente da justiça
Observatório estatístico de Oeiras
Observatório da criação de empresas
Observatório português para o desemprego
Observatório Mcom
Observatório têxtil
Observatório da neologia do português
Observatório de segurança
Observatório do desenvolvimento do Alentejo
Observatório de cheias
Observatório das secas 
Observatório da sociedade de informação
Observatório da inovação e conhecimento
Observatório da qualidade em serviços de informação e conhecimento
Observatório das regiões em reestruturação
Observatório das artes e tradições
Observatório de festas e património
Observatório dos apoios educativos
Observatório da globalização
Observatório do endividamento dos consumidores
Observatório do sul Europeu
Observatório europeu das relações profissionais
Observatório transfronteiriço Espanha-Portugal 
Observatório europeu do racismo e xenofobia
Observatório para as crenças religiosas
Observatório dos territórios rurais
Observatório dos mercados agrícolas
Observatório dos mercados rurais
Observatório virtual da astrofísica
Observatório nacional dos sistemas multimunicipais e municipais
Observatório da segurança rodoviária
Observatório das prisões portuguesas
Observatório nacional dos diabetes
Observatório de políticas de educação e de contextos educativos
Observatório ibérico do acompanhamento do problema da degradação dos povoamentos de sobreiro e azinheira
Observatório estatístico
Observatório dos tarifários e das telecomunicações
Observatório da natureza
Observatório qualidade
Observatório quantidade
Observatório da literatura e da literacia
Observatório Nacional para o analfabetismo e iliteracia
Observatório da inteligência económica
Observatório para a integração de pessoas com deficiência
Observatório da competitividade e qualidade de vida
Observatório nacional das profissões de desporto
Observatório das ciências do 1º ciclo
Observatório das ciências do 2º ciclo
Observatório nacional da dança
Observatório da língua portuguesa
Observatório de entradas na vida activa
Observatório europeu do sul
Observatório urbano do eixo atlântico
Observatório de biologia e sociedade
Observatório sobre o racismo e intolerância
Observatório solar e heliosférico
Observatório do sistema de aviação civil
Observatório da cidadania
Observatório da segurança nas profissões
Observatório da comunicação local
Observatório jornalismo electrónico e multimédia
Observatório urbano do eixo atlântico
Observatório robótico
Observatório permanente da segurança do Porto
Observatório do fogo
Observatório da comunicação
Observatório da qualidade do ar
Observatório do centro de pensamento de política internacional
Observatório ambiental de teledetecção atmosférica e comunicações aeroespaciais
Observatório europeu das PME
Observatório da restauração
Observatório de Timor Leste
Observatório de reumatologia
Observatório da censura
Observatório do design
Observatório da economia mundial
Observatório do mercado de arroz
Observatório da DGV
Observatório de neologismos do português europeu
Observatório para a educação sexual
Observatório para a reabilitação urbana
Observatório para a gestão de áreas protegidas
Observatório europeu da sismologia
Observatório nacional das doenças reumáticas
Observatório da caça
Observatório da habitação
Observatório do emprego em Portugal 
Observatório Alzheimer
Observatório magnético de Coimbra

PERGUNTA FINAL E NECESSÁRIA:
Quantos são os presidentes, vice-presidentes, adjuntos, especialistas, tesoureiros, secretárias, administrativos, motoristas, porteiros etc.,etc.???
Quanto custa ao bolso dos portugueses, esta panóplia de organizações, cuja caricata finalidade e enfática designação de algumas delas, é um perfeito retrato dos governantes que temos tido.

ESTE REGABOFE , PARA ALÉM DOS DADOS QUE POSSA FORNECER, É FUNDAMENTALMENTE UM GRANDE MANANCIAL DE TACHOS PARA OS AMIGOS, FAMILIARES E CORRELEGIONÁRIOS…SÓ PODE!!!

domingo, 15 de julho de 2012


   UM AVISO QUE É UMA PROFECIA    
              A DERROTA DESTA POLÍTICA 
               SERÁ A VITÓRIA DO POVO!!!

DIZ JERÓNIMO DE SOUSA:
“O PAÍS GANHARÁ COM A VOSSA DERROTA, BASTA O POVO QUERER!”


       DESCULPAS ESFARRAPADAS 
     PARA JUSTIFICAR OS TACHOS

QUE DIRÁ O MINISTRO RELVAS DAQUI A UNS TEMPOS QUANDO LHE FIZEREM AS MESMAS PERGUNTAS?


É ISTO QUE TEMOS COMO MINISTRO

Alunos da turma 1P1 da Universidade Lusófona, a que hipoteticamente teria pertencido um dos ministros mais responsáveis depois de Passos Coelho, de seu nome Miguel de Vasconcelos, ah desculpem, quero dizer Miguel Relvas, juram a pés juntos que nunca viram esse “cara”, nem mais gordo nem mais magro, quer nas aulas, quer nos testes.
Por outro lado, este brilhante doutor, de um curso que não fez, teve 18 valores na disciplina de Ciência Política, cujo professor Fernando Pereira Marques, declarou nada ter a ver com o assunto.
Concluiu-se "à posteriori" que afinal aquela nota tinha sido dados por Santos Neves, reitor daquela Universidade, que nunca tinha sido professor daquela disciplina e por “pura coincidência” se demitiu, logo que explodiu este escândalo.
Mas não se ficam por aqui as notícias sobre este malabarista da “Ciência Política”.
Nos meandros da baixa criminalidade, a sua vasta experiência de “Doutorado em Expedientes”, já tinha proporcionado a muitos jornais, matéria para encherem muitas páginas.
O nosso azar, é que na seita que o rodeia, ele nem é dos mais brilhantes, daí ter passado quase despercebido.
É digamos, “mal acomparado”, um pilha-galinhas ingénuo, manhoso e bem-falante, no meio de uma quadrilha informatizada, que domina a banca e os meios de comunicação.
Caloteiro de vocação, a sua actividade de delinquente já proporcionou manchetes a várias nos jornais, tais como: Capital, Expresso, Tal e Qual, Templário, Voz Imparcial e outros, tendo denunciado peripécias que fazem parte do cadastro desta multifacetada personagem.
Pelos vistos a sua biografia promete terminar atrás das grades, logo que a justiça atinja de igual modo os políticos e os criminosos, que pratiquem delitos comuns.
Podem ter prova disso, se lerem com atenção não só a biografia de Miguel Relvas na Wikipédia, como os relatos das fraudes praticadas desde há muito, por este deputado, mestre em “Carreirismo Político”, Ministro dos Assuntos Parlamentares, de nome completo Miguel Fernando Cassola de Miranda Relvas, vulgo Miguel Relvas.
Aproveitem para meditar,  nas mãos de quem está entregue o nosso destino comum.
Algumas das notícias relatadas pelos jornais, podem ver na reprodução que fazemos a seguir.