Mensagem

Mensagem

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

DIAPORAMA DE UM AUTISTA

Um autista caracteriza-se pela sua grande dificuldade em expressar as suas emoções.
Acontece que quando recebemos este “power point”, verificámos que havia nele uma ou outra imagem que nos eram familiares de anteriores diaporamas, o que levaria a regeitá-lo.
Porém, ao chegar á última imagem, ficámos a saber que o autor era autista.
Ficámos atónitos!!!
Tivemos um amigo que tinha um filho autista.
Sabemos quanto amor e espírito de sacrifício transbordava naquele ser humano, para acarinhar e dar alguma felicidade ao seu querido filho.
A criança mordia-o, era quase insensível á dor, repetia os mesmos gestos, mecânica e sistematicamente.
Existia, mas era como se não tomasse conhecimento do que acontecia e era absolutamente incapaz de comunicar com os outros.
Sabemos que há uns casos mais graves do que outros, mas por muito reduzida que seja a sintomatologia, um autista mostra-se sempre muito reticente a explorar o mundo que o rodeia e dificilmente expressa as suas emoções e desenvolve a linguagem.
Parece que neste caso estamos perante um caso menos grave, ou que teve uma boa recuperação, pois já demonstra uma grande sensibilidade e um comportamento que contradiz um pouco, a reticente resistência que um autista normalmente oferece a explorar o mundo que o rodeia e a ligar as palavras ao seu significado.
A nossa surpresa e tocante perplexidade, deve-se ao facto de ver um autista construir um “power point” tão belo e com uma música tão subtilmente adequada.
O autor demonstra uma grande sensibilidade e embora estes doentes tenham a tal dificuldade de ligar as palavras ao que elas querem dizer, ele finaliza com uma surpreendente citação:

“Deixai a Beleza Brilhar”!!!

Maravilhoso !!!


NESTE LINK
POLITIQUICES
MAIS UM EPISÓDIO CARICATO OU O ADENSAR DE UMA TRÁGICOMÉDIA?

ONDE MAIS UMA VEZ SE FALA DA GLOSA DE UM VIDEO, INTERPRETADA COMO COISA SÉRIA.

Ontem escrevemos um texto sob este título de “POLITIQUICES”, onde analisámos a singular interpretação que era feita a uma paródia engraçadíssima, por um tal Joffre Justino, que quase diariamente me envia textos sobre os seus conceitos políticos, ou de publicidade do estabelecimento de ensino, onde é director pedagógico.
Como consideramos o dito senhor não só auto-suficiente em presunção, como extremamente confuso, o que pode ser avaliado pela leitura do seu texto que reproduzimos integralmente (como link) considerámos o assunto terminado, seguindo o velho ditado “não vale a pena gastar cera com ruim defunto”.
Como a análise que nós fizemos, no referido texto, não serviu de nada para fazer perceber aquele senhor, que o vídeo não passava de uma brincadeira, considerámos que o assunto estava encerrado por natureza.
Mas o dito senhor, que deve ser um grande “pega massa”, quer mais conversa e então mandou-me uma pseudo-resposta, mantendo no fundo o mesmo ridículo critério, sobre a paródia do aproveitamento da intervenção do ministro dos negócios estrangeiros suíço, que deve ser uma pessoa encantadoramente bem-disposta e me fez rir até às lágrimas.
Se alguém que esteja a ler este texto não viu o vídeo, vá até lá e se não chorar a rir, é porque não tem sentido de humor.
Mas o tal Joffre Justino, não ficou satisfeito de eu não ter reproduzido a sua resposta e indignado com o meu cobarde silêncio mandou-me um email dizendo:
“Seria um acto revolucionário manter o debate no seu blog colocando lá a minha resposta ao seu texto. Lá fui eu vê-lo. Mas nada. Pouca é a revolução….”

Como sou um cara muito preocupado com a minha imagem revolucionária, não quis deixar a minha reputação pelas ruas da amargura e fui a correr colocar a resposta do hiper-revolucionário cavalheiro e coloquei-a
AQUI
Agora, penso que já recuperei a minha “guevariana” imagem, que cumpre todas as elegantes regras de um revolucionário, fazendo da revolução uma questão de conversa e publicando as lúcidas e sensatas respostas, ás minhas abjectas e vis acusações.
Todos poderão ver que afinal, os comunistas como eu, são uns cobardolas que não querem dialogar neste Blogue com o representante tão lucidamente revolucionário, que tem o todo direito de não perceber que aquele vídeo não passava de uma saudável e bem apanhada paródia ao tango que estão a dançar os dois “distintíssimos” chefes dos partidos a quem devemos, principalmente, a desgraça em que nos encontramos.


Eu pecador me confesso!!!

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

PETROLEO

PARA ONDE VAI O DINHEIRO

Dinheiro, para pagar um produto que a natureza produziu e que, devia ser para benefício integral de TODO O POVO ARABE, OU PELO MENOS DAQUELA REGIÃO, já que na actualidade a GLOBALIZAÇÃO só por si, é uma arma da exploração capitalista.
Está para chegar o tempo, em que fará sentido reflectir, se será moralmente justo reverter a favor de um indivíduo, de uma família, de uma companhia, ou até dos naturais de um só país (para ir mais longe, no caso de admitirmos a GLOBALIZAÇÃO como uma evolução racional, da evolução humana) a fruição das dádivas da Natureza, como é o petróleo, o ouro, a prata, a água, etc., etc., etc.


Interrogamo-nos há muito tempo, quando será “O TEMPO”, da sociedade humana se questionar sobre isto!!!


Por agora, admire neste “power point” a obscena injustiça que é tanta ostentação.

NESTE LINK



UM EPISÓDIO CARICATO

OU UMA TRÁGICOMÉDIA?

A GLOSA DE UM VIDEO, INTERPRETADA
COMO COISA SÉRIA

Recebemos um vídeo que pretende testemunhar os argumentos que materializam um indignado protesto, de mais um texto do inefável Joffre Justino.

Para quem não saiba, Joffre Justino intitula-se a propósito de tudo e de nada, dirigente do PS e director pedagógico de um estabelecimento de ensino qualquer.
Quase diariamente envia-nos textos, onde pretende generosamente elevar o nível cultural e politico do ignorante que nós somos, enviando-nos artigos onde presumidamente nos explica as razões profundas e recônditas das aprimoradas e profundamente ponderadas decisões dos nossos pervertidos governantes.
A forma pretensiosa como descreve os seus altos critérios políticos, as lisonjas que debita com frequência, aos nossos pindéricos governantes, faz-me lembrar a figura do bajulador “Dâmocles” da corte de Dionísio I de Siracusa, que igualmente se considerava uma autoridade nos conceitos e um grande homem de poder, até ver a espada que adejava sobre a sua cabeça, estava debilmente segura pelo frágil fio de uma crina de cavalo, o que pelo seu lendário simbolismo, reflecte exactamente o que acontece com a perigosa situação económica, que estamos a viver.
Mas, não percamos mais tempo e embrenhemo-nos nos mirabolantes e risíveis raciocínios deste autêntico precoce “revolucionário”, a propósito de uma "charge política" feita com aproveitamento de uma cómica legendagem, sem qualquer "nexus" com as imagens do video, onde estão inseridas.

A técnica humorística utilizada, nem sequer é original.
Prossegue na senda de videos semelhantes, os mais conhecidos dos quais são os que mostram Hitler a praguejar, em relação a factos políticos portugueses passados na actualidade.
O supino ridículo, é que o nosso justíssimo Justino e alguns dos seus "compinchas" , "inteligentemente", pensaram que era a sério.

Diz em título, o texto do nosso homem!

De Novo O Fascismo Atacando, Clandestinamente, Como Sempre Faz Na Sua Cobardia Habitual
(Em Volta de Uma Mentira/Vídeo Forjado!)


Liguei para uma pessoa amiga, tradutora de alemão e esta pessoa ligou para uma segunda pessoa, para confirmar tudo e eis o resultado - é falso que o ministro suíço se esteja a referir a Portugal, ao primeiro ministro de Portugal, José Sócrates, e ao leader da Oposição portuguesa, Passos Coelho.
O ministro das Finanças suíço trata, na sua intervenção, de um assunto interno, nunca referindo Portugal, nem sequer insinuando qualquer referência a Portugal.
Trata-se, no vídeo abaixo, que anda a ser distribuído por gentes tanto de Esquerda como de Direita, (recebi-o por 4 pessoas diferentes, de leques políticos diferentes), pois, de uma montagem, por via da colocação de um texto por cima de um discurso, dito em língua de conhecimento pouco usual e, ainda por cima, com um sotaque próprio – o suíço!
Não duvido que este email com este vídeo é distribuído pela mesma “central de comunicação” que, na internet, ataca também Manuel Alegre de “desertor”, (o que o próprio já provou que não é), de comunista, (que o passado de Manuel Alegre desmente), etc.


Não merece a pena ir mais longe, mas se quiser ver até que ponto pode ir o facciosismo e a imbecilidade de alguns dirigentes deste dito “PS”, que justificam perfeitamente a ruína a que chegou o presente dos portugueses, pode ler
AQUI a versão integral desse texto.
Para já, ria-se como nós nos rimos, enquanto estávamos a ver o vídeo.
Depois desfrute o texto e ajuíze o delírio dos comentários feitos por quem se pretende ser um exemplo de cidadania.
Por fim, não lhe leve a mal, porque tal como diz na bíblica sentença: “Perdoai-lhes, meu pai, porque eles não sabem o que dizem” e divirta-se com o vídeo, porque está muito bem “apanhado”




segunda-feira, 27 de setembro de 2010







APELO Á PARTICIPAÇÃO NA
MANIFESTAÇÃO DO PRÓXIMO
DIA 29 DE SETEMBRO DE 2010
Todos nós sentimos que as condições de vida se agravam dia a dia.
Não é por falta de condições que este país ofereça, antes pelo contrário.
A cáfila que nos tem governado de 1975, o domínio crescente do poder económico, com apoio dos média a confundir as populações, tem conseguido que um cambada de mancomunados serventuários do capital, governem este país de forma desastrosa para o povo.
Não é um falso testemunho, nem demagogia barata.
Basta ver como se faz a distribuição do produto do trabalho e fomentam as monumentais desigualdades entre ricos e pobres, concentra a riqueza nacional nas grandes empresas nacionais e multinacionais, se cobre de tratamento preferencial a banca proporcionando-lhe lucros obscenos.
A seiva da nação é o povo e este cada vez está mais pobre e marginalizado.
É tempo e mais que tempo, de abrir os olhos e analisar correctamente o que se passa, sem a cegueira partidária, própria das paixões clubistas.
É tempo de partir para a luta !!!
É tempo de apoiar a manifestação organizada pela CGTP, como um primeiro passo.
É tempo de abrir a boca, e gritar a nossa revolta!!!


BASTA DE INJUSTIÇA
E DESIGUALDADE !!!

NESTE LINK
TCHAIKOVSKY

FALAMOS DA MÚSICA EM GERAL
E DE TCHAIKOSVKY EM PARTICULAR

A música pode em muitos casos, contribuir para o equilíbrio psicológico e social do ouvinte.
A música sendo uma manifestação abstracta do homem, pode exprimir através da melodia, da harmonia e do ritmo, o que de mais profundo há na sensibilidade e espiritualidade de um individuo.
Pode igualmente constituir um grande estímulo ao desenvolvimento do pensamento criativo e da imaginação.
Não é por acaso que já em tempos remotos, os Gregos consideravam a música como elemento fundamental e estruturante da educação dos cidadãos, a par da educação física.

Tchaikovsky é um compositor prolífico.
Concertos, a óperas, bailados, sinfonias, música de câmara, peças para piano, corais, aberturas
O “power point” de hoje, ocupa-se exactamente deste compositor, com apontamentos biográficos, histórias ligadas ás suas composições, e sobretudo, oferecendo algumas das suas composições mais celebres.


NESTE LINK

GUERRA CIBERNÉTICA

SUPERVÍRUS DE COMPUTADOR

ATACA USINA NUCLEAR IRANIANA

Um dos mais sofisticados vírus de computador já detectados, foi designado de “Stuxnet” e ao contrário da maioria dos vírus virtuais, não está conectado com a internet.
Ele infecta máquinas Windows por meio de portas USB e pen drives usados para transportar arquivos.
É opinião dos analistas da Symantec, empresa norte-americana de segurança informática, baseada na complexidade do código usado e por usar muitas técnicas diferentes, que nunca antes se tinha visto um tipo de ataque como este.
Como se trata de um vírus muito complexo, criado especificamente para permitir o acesso remoto aos computadores infectados, passando a dar às máquinas, novas instruções, como por exemplo desligar motores mexendo nos monitores de temperatura, ou então desligando os refrigeradores das usinas hidroeléctricas, fábricas etc.
Segundo especialistas ouvidos pela BBC, ele permite o acesso remoto ao computador infectado e teve como alvo, uma infra-estrutura iraniana de "alto valor", acrescentando que curiosamente, 60% de todas as infecções mundiais ocorrem no Irão.
É natural que este vírus já tenha atacado a usina nuclear de Bushehr, bem como a usina de enriquecimento de urânio de Natanz.
Outros analistas confirmam que ele deve ter sido criado por algum governo, por considerarem que apresenta muitas tecnologias, que não conhecemos.
"É um projecto enorme, muito bem planejado e financiado e os recursos necessários para realizar um ataque destes apontam para um governo nacional”.
Segundo Ralph Langner, especialista em Tecnologia da Informação industrial:
"Com as provas que temos, é evidente e provável que o Stuxnet seja uma arma de sabotagem direccionada, que contou com informações de membros da indústria"
"Não se trata de um hacker trabalhando no porão da casa dos pais. Ele tem uma quantidade incrível de códigos apenas para infectar outras máquinas"

domingo, 26 de setembro de 2010

ESPANTOSO!!!

IMAGENS DO FUNDO DO MAR

Se bem me lembro, (esta tambem é açoreana...lembram-se do genial Vitorino Nemésio !!!)....dizia ele...agora dizemos nós..... já temos publicado alguns “power points”, mostrando imagens de mergulho, e de caprichosas figuras, habitantes dos fundos marinhos.
Desta vez, excedemos tudo o que a imaginação pode conceber.
Nós, que somos apaixonados do desporto da vela, do mergulho, e de tudo o que se refere á vida do mar, estamos seguros de poder assegurar, jamais ter visto imagens mais bonitas, do que as desta apresentação.
VEJA COM CALMA

É ESPETACULAR!!!!

NESTE LINK

FALTAVA ESTA!!!
Há pouco, ouvindo o noticiário, soube que Passos Coelho afirmara textualmente:
“Nunca mais faço uma reunião com o primeiro-ministro Sócrates, sem a presença de uma testemunha”
Este inacreditável desabafo, foi provocado pelo facto de Passos Coelho considerar que Sócrates, o homem que é primeiro-ministro de um país, que por infelicidade é o nosso, tinha mentido em relação aos termos em que tinham acordado as premissas do nosso Orçamento de Estado.
Como é possível, chegarmos ao ponto de ter um líder do maior partido da oposição, se ver na necessidade de arranjar uma testemunha que garanta a autenticidade das afirmações que profere, quando descreve as conversas e acordos feitos com o primeiro-ministro do seu país.
Que credibilidade pode merecer um homem, seja ele qual for, cujo interlocutor exige que qualquer conversa que tenha com ele, só sob o palio de uma testemunha?
Assim, nestas condições, é muito grave!
E se o interlocutor for o primeiro-ministro?
Alguém acredita que isso seja possível???
É imaginável que neste caso concreto, não seja o Passos Coelho aque está a mentir ou pelo menos a exagerar?
Ou em última hipótese não será para tirar dividendos políticos desta ignominiosa calúnia?
O problema é que conhecendo os antecedentes do “hipotético engenheiro”, dos casos Freeport, Casa da Bramcamp, etc, etc., etc., (mais uns quantos etc.s,), não me resta dúvidas que afinal estou a viver não em Portugal mas numa dysneylandia onde tudo é um “Faz de conta”

Que Alá tenha piedade de nós!!!
Só pode ser !!!


sábado, 25 de setembro de 2010

ILHA DO PICO

MAIS UMA MARAVILHA DO NOSSO PORTUGAL

Desenvolvendo-se em torno do majestoso vulcão, com 2351 metros de altitude, que lhe dá o nome, coroado pelo Pico Grande, cratera arredondada com cerca de 700m de perímetro e profundidade que atinge os 30m. Numa extremidade da cratera o cone vulcânico do Piquinho, ou Pico Pequeno com cerca de 70m de altura, de cuja base emanam fumarolas, constitui o cume da cratera.
A subida ao Pico é possível sempre que acompanhado por guia local.
Quanto aos encantos próprios da ilha, vão sendo descritos com as imagens, o que nos dispensa de descrever deixando a adjectivação das belezas para a sua sensibilidade.



NESTE LINK


NOTÍCIA DO “EXPRESSO”(one line)
Bolo coberto de ouro de 24 quilates e diamantes artificiais, feito pelo chefe filipino Angelito Araneta Júnior.
Custo cerca de 80500 pesos (185.150 Euros)

Dizia o Expresso:
Imagens que estão a marcar o dia
Imagens de hoje de manhã, da madrugada e até de ontem que estão a marcar a atualidade


Dizemos nós:
Quantos homens, mulheres e crianças, não teriam "hoje de manhã", ou "até de ontem", morrido de fome, se este mundo não fosse tão injusto???
Como é possível alguém fazer deste escândalo uma notícia, sem se indignar???
Como é possível haver tanta gente indiferente???
Como é possível ???
Como é possíve???


Nota importante:
A noticia refe que o bolo tinha custado 80.500 (1.400 Euros)
Como achámos que se o ouro era de 24 quilates, mesmo admitindo que no mercado oriental o ouro é mais barato, fomos fazer as contas e sendo a cotação de 1 peso filipino=2.30 Euros, fazendo as contas dá 185.150 Euros, o que nos parece mais coerente.

CABINE DO A-380

IMAGEM EM 360º DO COCKPIT DO AIRBUS A-38O


Pode-se INTERAGIR dentro da cabine, basta mover os botões abaixo da tela.
É o Máximo! Um verdadeiro show!!!
Conheçam o cockpit do Airbus A380 numa vista de 360º.
Cliquem no último botão da direita para fixar a tela cheia!
Podem INTERAGIR dentro da cabine, basta mover os botões abaixo da tela.
Olhem para cima e explorem os botões no teto da cabine. Olhem para baixo e vejam os aparelhos de rádio e computadores de navegação.
Usem a roda central do rato para aproximar ou afastar a imagem. Vejam o que há atrás das poltronas dos pilotos.

Cliquem AQUI e….. Boa viagem ... divirtam-se!

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

SETUBAL

VISTO DE OUTRA FORMA

Para ver e amar

NESTE LINK


A IMPLOSÃO DA MENTIRA

Mentiram-me. Mentiram-me ontem
e hoje mentem novamente. Mentem
de corpo e alma, completamente.
E mentem de maneira tão pungente
que acho que mentem sinceramente.

Mentem, sobretudo, impune/mente.
Não mentem tristes. Alegremente
mentem. Mentem tão nacional/mente
que acham que mentindo história afora
vão enganar a morte eterna/mente.

Mentem. Mentem e calam. Mas suas frases
falam. E desfilam de tal modo nuas
que mesmo um cego pode ver
a verdade em trapos pelas ruas.

Sei que a verdade é difícil
e para alguns é cara e escura.
Mas não se chega à verdade
pela mentira, nem à democracia
pela ditadura.


Affonso Romano Sant’Anna

Publicado no livro Política e paixão (1984)

terça-feira, 21 de setembro de 2010

AVEIRO Á NOITE

Não sabemos que mais admirar.
Aveiro de dia é encantadora, mas á noite com o relevo misterioso que as luzes lhe dão, fica mais romântica.
Veja se não temos razão


NESTE LINK

AINDA O PREÇO DA

GASOLINA EM PORTUGAL

O escândalo do preço dos combustíveis em Portugal entrou novamente em turbulência.
No início do ano o preço médio de um litro de gasolina era de 1,074 euros. Hoje custa cerca de 1,310 euros.
Os dados da Direcção-Geral de Energia e Geologia (DGEG) mostram que o preço médio de um litro de gasolina subiu 22% nos primeiros seis meses do ano.
Dados da Comissão Europeia também mostram que, aos preços actuais, Portugal é o sétimo país da União Europeia a 27 onde os preços dos combustíveis são mais elevados.
Carlos Barbosa, presidente do Automóvel Clube de Portugal (ACP) acusou de absoluta inoperância a Autoridade da Concorrência (AdC), a propósito do preços dos combustíveis, dando como exemplo a recente abertura de um posto da Galp, em Setúbal, onde são praticados preços mais baixos, que os dos restantes postos concorrentes da petrolífera.
O ACP, bem como o Partido Comunista Português (PCP) desde sempre tem defendido que a concertação entre as gasolineiras é uma realidade, acusando a Galp de dominar "não só os pipelines, o sistema de refinação, como o sistema de armazenagem" estabelecendo as regras segundo os seus interesses particulares, lesando gravemente os interesses dos consumidores e da economia nacional.
É sua convicção que "não há efectivamente concorrência em Portugal" e de acordo com o último relatório de Bruxelas, depois de impostos, o preço médio da gasolina 95 octanas praticadas em Portugal são o nono mais caro em toda a União Europeia e o gasóleo ocupa a 11ª posição entre os 27 países do espaço comunitário.
Em consequência do escândalo público provocado pelas declarações do presidente do ACP, a Comissão Parlamentar dos Assuntos Económicos, resolveu a convocá-lo para ser recebido hoje, a que se seguirá Manuel Sebastião, presidente da Autoridade da Concorrência, em 28 de Setembro.
Seguir-se-ão a Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas (APETRO), a Direcção Geral de Geologia (DGEG), a Associação Nacional de Revendedores de Combustíveis (ANAREC) e a Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED).
A dimensão, o prestígio do Automóvel Clube de Portugal e o extracto social da maioria dos seus sócios, preocupados exclusivamente com o preço da gasolina que é o consumo que mais os afecta, dá á acusação do seu presidente um peso específico, no âmbito do problema mais geral dos combustíveis.
No entanto, segundo o PCP, o problema do preço electricidade e do gás natural ainda é mais grave, dado que a diferença dos preços praticados pelos grupos económicos que dominam o mercado em Portugal, são muito maiores, que a média dos preços nos restantes países da União Europeia,)., contribuindo assim para agravar ainda mais as dificuldades da maioria das famílias trabalhadoras portuguesas.
Esta afirmação, muito pouco publicitada pelo nossos meios de comunicação social, não é gratuita, nem demagógica, como prova o estudo do economista Eugénio Rosa, que pode ler
AQUI

ELVIS PRESLEY &

MARTINA MAC BRIDE

Cantam “Blue Christmas” – Um “milagre” da tecnologia


O vídeo que apresentamos a seguir, é de uma sessão ao vivo, em que o “rei” Ellvis Presley , canta o celebre “Blue Christmas” acompanhado pela “coqueluche” americana Martina MacBride.
Acontece que Elvis Presley morreu em 1977 e nessa altura Martina McBride tinha 11 anos.
Só assim se percebe, que este vídeo é fruto de um elevadíssimo tratamento técnico de estúdio.
Quando Elvis Presley canta estava-se em 1968, ao passo que quando Martina MacBride canta a mesma canção, já corria o ano de 2008.
Não fora esta diferença temporal e ninguém se daria conta que este vídeo não era a reportagem de uma sessão ao vivo destes dois ídolos da canção.
O facto de Elvis Presley só olhar para ela no final da música não tem grande significado, até pelo facto de quando ela entra, ficar num plano diferente!
A montagem está perfeita. Do ponto de vista técnico, é uma obra de arte que vale a pena apreciar!!!
Já em 1991, a filha de Nat King Cole gravou a canção “Unforgettable” simulando que fazia dueto com o seu pai.
A voz dele foi remasterizada e misturada com a sua, para simular que os dois estavam a cantar em simultâneo e o resultado foi um êxito espectacular, na época.
Priscila Presley em 2008 convidou uma série de notáveis cantoras, como por exemplo Winonna Judd, Sara Evans, Amy Grant, Le Ann Rimes, Carrie Underwood, Martina MacBride, etc., para usando a mesma técnica, fazerem dueto com o seu marido, falecido há muitos anos, com as canções de Natal, que ele na altura tinha gravado.
Aceite o convite, deu lugar ao disco “Elvis Presley” “Cristmas Duets” que pode ser ouvido
AQUI
A novidade que apresentamos a seguir, vai mais longe no aspecto técnico.
Não só faz a “mixagem” das vozes como da imagem e de forma tão perfeita, que não resistimos a reproduzi-lo na íntegra.







sábado, 18 de setembro de 2010

ROUBARAM-ME A JUVENTUDE

Este” power point” foi feito com alguma falta de rigor histórico.
Algumas imagens do seu início, podem confundir os espíritos menos atentos, dado que a sua acção se passa numa época longínqua. Isso é evidente não só pelas características das fotos em sépia, como pelos trajes das crianças e até pelos ambientes em que elas se situam.
Acontece que, exceptuando 3 ou 4 dessas fotografias do inicio da apresentação, todas as outras mostram a exploração do trabalho infantil nos tempos actuais.
Segundo a OIT (Organização Internacional do Trabalho) cerca de 218 milhões de crianças entre 5 e 17 anos trabalham no mundo, das quais 126 milhões realizam trabalhos perigosos e uma, em cada seis crianças trabalham como forma de complementar o rendimento da família.
De facto ainda hoje nos países subdesenvolvidos, onde reina a pobreza e a miséria, as crianças são obrigadas a trabalhar em ofícios penosos e violentos, como muito bem o testemunha o “power point “ que apresentamos em baixo.
Em África, na Ásia (principalmente na Índia e no Paquistão), e em muitos desses países subdesenvolvidos, milhões de crianças são exploradas sexualmente ou obrigadas a trabalhar em actividades brutalizantes e desumanas e muitas vezes impedidas de frequentarem a escola ou de terem qualquer protecção.
A violência sobre as crianças está de tal maneira enraizada em certos países que, por exemplo, no Paquistão uma criança que aos 4 anos fora vendida pelo pai a um artesão de tapetes para saldar uma dívida de 12 dólares e mais tarde resgatada por uma organização de defesa das crianças, foi assassinada na adolescência, por profissionais do crime, e a família permanentemente ameaçada e sujeita a perseguições, para servir de exemplo.
Voltaremos ao assunto, pois ele é uma das expressões mais criminosamente violentas, da desumanidade do modo de produção capitalista.



NESTE LINK

AINDA A FESTA DO "AVANTE"

A ÓBVIA DIFERENÇA

Artigo de Ruben de Carvalho


.
Publicado no semanário "Expresso" de hoje

.
.
O afunilamento da comunicação social sobre a Festa do “Avante” resulta de um trivial anticomunismo, mas é possível vislumbrar algo mais.
Em raras vezes (bem raras é verdade…) alguns comentadores politicamente á direita pronunciam-se e comentam a vertente cultural da Festa do “Avante”.
Vasco da Graça Moura fê-lo há uns anos em crónica no “DN”, Miguel Esteves Cardoso igualmente, salvo erro, no “Independente”, Marcelo Rebelo de Sousa referiu na TV, José Pacheco Pereira escreveu o ano passado.
É curioso verificar que estas intervenções apresentam, nos seus diferentes estilos, o comum reconhecimento de três traços da Festa: a dimensão e o carácter autenticamente popular, o ambiente simultaneamente alegre e tranquilo de uma assistência completamente transversal (todas as idades, todas as origens sociais, todos os interesses culturais) e a qualidade e diversidade da programação cultural.
E, nessa diversidade, também a multiplicidade da oferta, do desporto ás artes plásticas, da música á promoção livreira, do teatro á culinária regional e, nelas próprias, igual multiplicidade de estilos, tendências, sonoridades.
Nada disto é novidade para os frequentadores da Festa. Mas merece reflexão o contraste com o tratamento habitual da comunicação social, em particular da imprensa.
É claro que nenhuma daquelas quatro personalidades ignora o óbvio: a componente política da Festa, de resto frontal e orgulhosamente assumida pelo PCP e pelos seus militantes.
Mas, exactamente porque isso é óbvio, sentem a singela imposição da evidência e sublinham o que é silenciado.
As intervenções do secretário-geral do PCP, em particular o discurso de domingo (era o que faltava!), e muito de vez em quando um fait divers banal constituem o redutor retrato que de um evento sem paralelo no país fornece a comunicação social.
Este afunilamento resulta evidentemente de trivial anticomunismo, mas é possível vislumbrar algo mais.
Trata-se de tentar silenciar, e assim menorizar, o PCP, as suas propostas e intervenções, a implantação nos trabalhadores, a capacidade de mobilização e diálogo com a sociedade: mas, ao confinar ao discurso político a imagem da Festa tenta-se a sua absurda identificação com quaisquer outras iniciativas de qaisquer outros partidos!
Colocar no mesmo patamar a exaltante realização, política e partidária sem dúvida, mas de uma imensa dimensão cultural e humana, com os escusos favores políticos dos sacos azuis empresariais ou tráfico de influências partidariamente rentável não é operação inocente quando tanto se discute o financiamento partidário.
A questão é que realizar uma exposição de elevado nível científico sobre a biodiversidade, expor dezenas de obras de arte, representar Brecht ou colocar uma orquestra de oito dezenas de músicos sobre um palco e tocar Lopes-Graça ou Rachmaminov para dezenas de milhar de pessoas ( que compraram a sua EP!) não é exactamente o mesmo que almoçar com um empreiteiro porque…”precisava de ver umas coisinhas consigo. Está a ver?”
Estamos.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

DE GRITOS....
É UM GOZO, É PARA RIR ESTE PAÍS!

Aqui as novas regras de avaliação da Função Publica não foram postas em prática.

1º dia foi de apresentações e conhecer o local de trabalho.
O 4º dia foi utilizado nas despedidas.
Os 2º e 3º dias no exercício de funções: sendo de evidenciar a forma extremamente leal, competente e dedicada como desempenhou a função, de excelentes qualidades pessoais e profissionais.
Assim, sim, até dá gosto...









SUPREMA BELEZA

Os adjectivos que deviam estar aqui a classificar este “power point” excepcionalmente, estarão ausentes.
Deixamos a si e á sua sensibilidade a responsabilidade de o fazer.
O nosso mutismo, reflecte a nossa avaliação!!!



NESTE LINK


















UMA NOVA PROFISSÃO LIBERAL

Quando passar numa das principais artérias da cidade de Lamego, não vai precisar de muita atenção para esbarrar numa original placa.
Não se trata de um escritório de advogado, ou um consultório médico, nem mesmo de um gabinete de contabilidade, mas sim da novíssima profissão liberal de, imagine lá... deputado!!
A mediocridade não enxerga além de si mesma, já dizia Doyle e, antigamente este tipo de pessoas recebiam apropriado adjectivo mas hoje, ainda que tal aconteça pouco lhes importa... já perderam a noção do ridículo e a vergonha!


Eça de Queiroz, 1867

in “O distrito de Évora”

“Ordináriamente todos os ministros são inteligentes, escrevem bem, discursam com cortesia e pura dicção, vão a faustosas inaugurações e são excelentes convivas. Porém, são nulos a resolver crises. Não têm a austeridade, nem a concepção nem o instinto político, nem a experiência que faz o ESTADISTA. É assim que há muito tempo em Portugal são regidos os destinos políticos. Política de acaso, política de compadrio, política de expediente. País governado ao acaso, governado por vaidades e por interesses, por especulação e por corrupção, por privilégio e influência de camarilha, será possível conservar a sua independência?”

quarta-feira, 15 de setembro de 2010



DICA DA
LARANJA


UMA SUPER DICA

PARA QUEM COZINHA

.
Siga este conselho se quer fazer uma feijoada...
Coloque uma laranja inteira e não descascada, depois de lavada, na dita feijoada junto com as carnes...
Parece milagre!!!
A gordura fica toda dentro da laranja, basta cortá-la para ter a confirmação.
A laranja não modifica em nada o gosto da feijoada, que fica super light!
Experimente com um pedaço de linguiça, ferva a água, fure a linguiça com 1 garfo, coloque a laranja na panela e depois a linguiça e....
Comprove, em 5 minutos a gordura está toda dentro da laranja!
Depois frite a linguiça e veja como está deliciosa... e a panela sem gordura...
TRANSMITA ESTA DICA AOS SEUS AMIGOS, QUE FICARÃO MUITO GRATOS!!!


ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

UMA FÁBULA EM PHOTOSHOP

Ao procurar o “power point “ que iríamos publicar com o texto de hoje, saltou-nos á memória que no referido texto se acusam os cidadãos dos Estados Unidos da América, de terem uma visão do mundo, profundamente influenciados por Hollywood.
Nesta apresentação, levamos mais longe esse raciocínio.
Consideramos que o Photoshop é meio técnico que mais virtualidades têm, para representar o imaginário americano.
Hollywood serve principalmente para transformar as derrotas americanas em gloriosas e heróicas vitórias, onde os seus heróis virtuais, consolam o quimérico sonho americano de que o “american way of life” tem algum futuro.


NESTE LINK

O FIM QUE NÃO É O FIM

A propaganda americana bem se esforça por fazer crer ao mundo, que a sua intervenção no Iraque foi virtuosa e que a retirada do seu exército do Iraque a partir de 31 de Agosto, seria uma realidade.
Pelo que consta, os habitantes estão muito cépticos e a escalada de violência que se tem verificado nestes últimos dias, só confirmam que têm toda a razão para alimentarem as maiores dúvidas.
A comprovar esses maus presságios, apesar das eleições legislativas terem sido levadas a efeito no início de Março, ainda não se conseguiu formar qualquer espécie de governo.
Sob o título com que iniciámos este texto, recebemos de um camarada uma série de notas retiradas do Blogue “Resistir.info” que aborda este tema, focalizando os aspectos mais importantes da actual situação do Iraque.
Pareceu-me importante reproduzi-lo aqui, na medida em que muito resumidamente transmite uma imagem clarividente da situação, utilizando o colorido cinematográfico tão querido aos cidadãos americanos, cuja vivência, muito por influência de Hollywood, se passa autenticamente de forma virtual.


Eis o texto:

Facto apresentado na comunicação social ocidental (CS):
As últimas tropas dos EUA abandonaram o Iraque, "como prometido e dentro do prazo", de acordo com o presidente Barack Obama.
Os ecrãs das televisões encheram-se de cenas cinematográficas com as imagens das silhuetas dos "últimos soldados dos EUA" contra a luz do nascer do Sol, a cruzar a fronteira para as bases do Kuwait.

Facto: Ainda lá estão.
Continuam a operar, em 94 bases.
Diminuíram os perigosos patrulhamentos nas estradas e caminhos que passaram a ser entregues a paramilitares ou mercenários.
Os mercenários de origem iraquiana têm um ordenado base de 300 dólares. Barato para quem arrisca a vida.
Os paramilitares de origem ocidental, normalmente ex-militares que operaram no Iraque, têm de ordenado base 4.000 dólares, equipam farda e usam equipamento militar, viaturas e blindados exactamente igual aos soldados do exército regular que ganham metade. Pelas queixas destes se soube os seus valores.
São coordenados por generais norte-americanos e têm o suporte logistico do governo dos EUA
As incursões aéreas não sofreram qualquer alteração, bem como os assassinatos selectivos levados a cabo pelas forças especiais.
O número de paramilitares actualmente ultrapassa os 100 mil e continua a aumentar. A maior parte do petróleo iraquiano encontra-se agora sob controlo estrangeiro e vai pagando os serviços e vigilância destes mercenários.
Quando lhes acontece alguma coisa, são tratados pela comunicação social ocidental, como “civis”.

Facto na CS: os apresentadores e os jornalistas da BBC têm descrito a partida das tropas dos EUA como "uma espécie de exército vitorioso" que conseguiu concretizar "uma notável alteração nos destinos do Iraque". O seu comandante, o general David Petraeus, é uma "celebridade", "encantador", "hábil" e "notável".

Facto: não houve qualquer vitória. Há um desastre catastrófico e uma tentativa de levar a cabo uma campanha para "rebaptizar" o banho de sangue como tendo sido "necessário" e "nobre".
Em 1980, Ronald Reagan, na corrida à presidência, rebaptizou a invasão do Vietname, na qual tinham morrido três milhões de pessoas, de "causa nobre", temática entusiasticamente açambarcada por Hollywood.
Os actuais filmes sobre a guerra do Iraque têm uma similar temática purgante: os invasores são simultaneamente retractados como sendo vítimas e idealistas.

Facto na CS: Não se sabe quantos iraquianos terão morrido. As baixas são "incontáveis" ou "na ordem das dezenas de milhares."

Facto: como consequência directa da invasão liderada pelos anglo-americanos, morreram um milhão de iraquianos. Esta estatística da Opinion Research Business baseia-se numa pesquisa, revista pelos seus pares, levada a cabo pela Universidade Johns Hopkins de Washington, DC, cujos métodos são secretamente tidos na conta de "melhor prática" bem como a mais "robusta" por parte do principal conselheiro científico do governo Blair, como foi revelado numa pesquisa efectuada ao abrigo da lei da Liberdade de Informação.
Raramente se confrontam os "encantadores" e "hábeis" generais americanos com esta estatística. Nem com a expropriação de quatro milhões de iraquianos, a subnutrição da maior parte das crianças iraquianas, a epidemia de doenças mentais ou o envenenamento do meio ambiente.







ECOLOGIA

A CULTURA QUE SE IMPÕE!!!

O nosso “power point” de hoje aborda o tema da ecologia.
Se considerarmos que a ecologia é a ciência que defende o bem estar e a saúde da Terra, o texto que se segue também se poderia classificar de “ecológico”, porque trata do bem estar e da saúde política do povo cubano, tão maltratado desde sempre, mas agora com requintes de malvadez!!!


NESTE LINK

FIDEL E O JORNALISTA

TRAMPOLINEIRO

OS MÉDIA INTERNACIONAIS

E O FRACASSO DO MODELO CUBANO

Fidel Castro acaba de desmentir, que alguma vez tenha reconhecido o fracasso da revolução cubana, na entrevista que deu ao jornalista americano Jeffrey Goldberg.
Nós tivemos anteontem conhecimento de que era atribuído a Fidel Castro a afirmação de que a revolução cubana era um fracasso e que em suma, não servia para exportar, até porque, segundo a versão que li, Fidel, considerava que nem para os cubanos tinha servido.
É evidente, que nós tínhamos a certeza que tal não era verdade, ou não fosse a Revolução Cubana, como revolucionários que somos e pelo conhecimento do que lá se passa….a nossa menina dos olhos.
Só para ver se percebíamos o que de facto se passara, procurámos mais informações.
A conclusão a que chegámos, é que por deficiência de tradução da intérprete, e pouca preparação política do jornalista (para não dizermos outra coisa), a teorização que Fidel Castro fez sobre a natureza das revoluções populares, das características peculiares e diferenciadas de cada uma, se caracterizando por não ser possível exportar o mesmo modelo, fosse qual fosse a nação onde ela se verificasse, foi extrapolado que tinha dito que a Revolução Cubana não servia aos cubanos, quando ele afirmou foi :

"O Capitalismo não serve nem para os americanos"
Calculem!!!..... .
No fundo Fidel estava a recordar uma realidade revolucionária, muito semelhante às múltiplas declarações que nesse mesmo sentido ouvimos muitas vezes a Álvaro Cunhal e outros camaradas responsáveis, quando se referiam á especificidade da Revolução dos Cravos.
Um dos grandes problemas que uma revolução socialista sempre apresentou e vai continuar a apresentar, seja em que país for, é a originalidade de que se revestirá, sendo que não há modelos iguais e portanto as referências são nulas.
Há sempre dúvidas sobre que etapas se irão ter de ultrapassar, de que modo e com que velocidade.
Que obstáculos se lhe apresentarão e que tipo de soluções adoptar.
Que condições objectivas e subjectivas, se desenvolverão na evolução natural do processo revolucionário.
Como e com quem, fazer a política de alianças, para ultrapassar os milhentos problemas que se apresentarão na alteração do “status quo”.
Que tipo de sabotagens e sabotadores serão detectáveis e neutralizáveis.
Com que forças se poderá contar, mantendo e estimulando o espírito revolucionário, para anular os adversários.
Muitas e fundamentais perguntas, ficaram por fazer, sobretudo de natureza económica, na densidade de problemas que sempre levanta uma revolução.
Estas questões só foram postas para demonstrar que ao contrário do que aconteceu, esta matéria, pelo menos em teoria, devia fazer parte da bagagem cultural do jornalista.,
Se assim fosse teria evitado o equívoco que foi a degeneração das palavras de Fidel Castro, dando azo a que centenas de agências, televisões, rádios e jornais de de todo o mundo tenham convertido em notícia com o capcioso título:
“Fidel Castro: o modelo cubano já não funciona nem sequer para nós".
pondo na boca de Fidel a ideia de que a fantástica e exemplar Revolução Cubana, já tinha dado o que tinha para dar!!!.


segunda-feira, 13 de setembro de 2010

A BELEZA DA NATUREZA

Este “power point” começa com uma pergunta: “O QUE FAZ UM SER HUMANO PARA SE APROXIMAR DA BELEZA DA NATUREZA” “TALVEZ MÚSICA” e sem desistir da proposta, mostra-nos algumas maravilhas da própria natureza, corporizadas por alguns elementos da fauna, excepcionalmente fotografados, no seu meio ambiente.
A beleza das imagens é de tal maneira poderosa, que não hesitamos em desistir de jamais pensar em ser tão perfeito com ela, independentemente do conceito estético que se queira considerar.
Nós, seres humanos, por muito que porfiemos, jamais conseguiremos produzir tanta e tanta beleza em que a Natureza é perdularia, mesmo com a música mais maviosa ou o som mais harmonioso que se componha.
O que fazemos, por inconsciência, ignorância, maldade, selvajaria, estupidez, incivilidade ou barbarismo, é destruir e esbanjar por vezes metodicamente aquilo que ela, na sua imensa generosidade, prodigalizou para felicidade do género humano.


POR FAVOR NÃO CLIQUE E APRECIE OS PORMENORES E A MÚSICA

NESTE LINK
É DE CAIR DE CÚ

QUE ME PERDOEM OS PURISTAS DA LINGUA PORTUGUESA

OBRIGADO MIGUEL ESTEVES CARDOSO!!!

Já tínhamos conhecimento deste texto de Miguel Esteves Cardoso, que relata a sua ida a uma anterior Festa do Avante.
Julgamos que nessa ocasião, tivemos ocasião de o publicar neste Blogue.
No entanto como nunca é demais relembrá-lo, aproveitamos a circunstância de um nosso amigo e camarada nos ter enviado ontem este importante e esclarecedor texto, para sentirmos que era boa ideia, voltar a publicá-lo.
A quem já o leu, certamente vai dar por bem empregado o tempo a relê-lo.
A quem ainda não o fez, das duas uma: se é comunista ou simpatizante fica babado de orgulho por ser esta a sua Festa.
Se não é e resistiu ao apelo da curiosidade (quanto mais não seja!!!) de ir até á muito badalada Festa do Avante, vai ficar cheio de pena de não ter ido lá.
Quem lá foi este ano, constatou que não exageramos quando dizemos que a Festa do Avante é a maior manifestação cultural, artística e popular que se realiza neste país e que foi testemunhado por uma imensa multidão, que encheu a Festa do Avante durante os três dias e pôde certificar, que apesar das numerosas certidões de óbito passadas ao PCP, das tentativas de asfixia e isolamento, das discriminações e silenciamento dos média, os comunistas são cada vez mais e a Festa do Avante cada vez melhor.
Imensamente difícil se torna descrever a heterogeneidade dos sentimentos que emanam das pessoas que a visitam.
Consideramos por isso, uma referência lúcida e valiosa este texto de Miguel Esteves Cardoso, porque conseguiu não só avaliar perfeitamente, o esforço que representa a construção e o funcionamento da Festa do Avante, como também descrever de forma emotiva e verdadeira, aquele monumento á alegria e ao fraterno e solidário companheirismo dos comunistas, que transpira constantemente, em todo e qualquer canto daquela imenso e encantador espaço.
Eis então esse belíssimo texto:

REPORTAGEM, UMA AVENTURA DENTRO DO COMUNISMO REAL.

O MEC FOI À FESTA DO AVANTE!

“Dizem-se muitas mentiras acerca da Festa do Avante! Estas são as mais populares: que é irrelevante; que é um anacronismo; que é decadente; que é um grande negócio disfarçado de festa; que já perdeu o conteúdo político; que hoje é só comes e bebes.
Já é a Segunda vez que lá vou e posso garantir que não é nada dessas coisas e que não só é escusado como perigoso fingir que é. Porque a verdade verdadinha é que a Festa do Avante faz um bocadinho de medo.
O que se segue não é tanto uma crónica sobre essa festa como a reportagem de um preconceito acerca dela - um preconceito gigantesco que envolve a grande maioria dos portugueses. Ou pelo menos a mim.
Porque é que a Festa do Avante faz medo?
É muita gente; muita alegria; muita convicção; muito propósito comum.
Pode não ser de bom-tom dizê-lo, mas o choque inicial é sempre o mesmo: chiça!, Afinal os comunistas são mais que as mães. E bem dispostos. Porquê tão bem dispostos? O que é que eles sabem que eu ainda não sei?
É sempre desconfortável estar rodeado por pessoas com ideias contrárias às nossas. Mas quando a multidão é gigante e a ideia é contrária é só uma só – então, muito francamente, é aterrador.
Até por uma questão de respeito, o Partido Comunista Português merece que se tenha medo dele. Tratá-lo como uma relíquia engraçada do século XX é uma desconsideração e um perigo. Mal por mal, mais vale acreditar que comem criancinhas ao pequeno-almoço.
BEM SEI QUE A condescendência é uma arma e que fica bem elogiar os comunistas como fiéis aos princípios e tocantemente inamovíveis, coitadinhos.
É esta a maneira mais fácil de fingir que não existem e de esperar, com toda a estupidez, que, se os ignoramos, acabarão por se ir embora.
As festas do Avante, por muito que custe aos anticomunistas reconhecê-lo, são magníficas.
É espantoso ver o que se alcança com um bocadinho de colaboração. Não só no sentido verdadeiro, de trabalhar com os outros, como no nobre, que é trabalhar de graça.
A condescendência leva-nos a alvitrar que “assim também eu” e que as festas dos outros partidos também seriam boas caso estivessem um ano inteiro a prepará-las. Está bem, está: nem assim iam lá. Porque não basta trabalhar: também é preciso querer mudar o mundo. E querer só por si, não chega. É preciso ter a certeza que se vai mudá-lo.
Em vez de usar, para explicar tudo, o velho chavão da “ capacidade de organização” do velho PCP, temos é que perguntar porque é que se dão ao trabalho de se organizarem.
Porque os comunistas não se limitam a acreditar que a história lhes dará razão: acreditam que são a razão da própria história. É por isso que não podem parar; que aguentam todas as derrotas e todos os revezes; que são dotados de uma avassaladora e paradoxalmente energética paciência; porque acreditam que são a última barreira entre a civilização e a selvajaria. E talvez sejam. Basta completar a frase "Se não fossem os comunistas, hoje não haveria..." e compreende-se que, para eles, são muitas as conquistas meramente "burguesas " que lhe devemos, como o direito à greve e à liberdade de expressão.
É por isso que não se sentem “derrotados”. O desaparecimento da URSS, por exemplo, pode ter sido chato mas, na amplitude do panorama marxista-leninista, foi apenas um contratempo. Mas não é só por isso que a Festa do Avante faz medo. Também porque é convincente. Os comunas não só sabem divertir-se como são mestres, como nunca vi, do à-vontade. Todos fazem o que lhes apetece, sem complexos nem receios de qualquer espécie. Até o show off é mínimo e saudável.
Toda a gente se trata da mesma maneira, sem falsas distâncias nem proximidades. Ninguém procura controlar, convencer ou impressionar ninguém. As palavras são ditas conforme saem e as discussões são espontâneas e animadas. É muito refrescante esta honestidade. É bom (mas raro) uma pessoa sentir-se à vontade em público. Na Festa do Avante é automático.
Dava-nos jeito que se vestissem todos da mesma maneira e dissessem e fizessem as mesmas coisas - paciência. Dava-nos jeito que estivessem eufóricos; tragicamente iluminados pela inevitabilidade do comunismo - mas não estão. Estão é fartos do capitalismo - e um bocadinho zangados.
Não há psicologias de multidões para ninguém: são mais que muitos, mas cada um está na sua. Isto é muito importante. Ninguém ali está a ser levado ou foi trazido ou está só por estar. Nada é forçado. Não há chamarizes nem compulsões. Vale tudo até o aborrecimento. Ou seja: é o contrário do que se pensa quando se pensa num comício ou numa festa obrigatória. Muito menos comunista.
Sabe bem passear no meio de tanta rebeldia. Sabe bem ficar confuso.
Todos os portugueses haviam de ir de cinco em cinco anos a uma Festa do Avante, só para enxotar estereótipos e baralhar ideias.
Convinha-nos pensar que as comunas eram um rebanho mas a parecença é mais com um jardim zoológico inteiro. Ali uma zebra; em frente um leão e um flamingo; aqui ao lado uma manada de guardas a dormir na relva.
QUANDO SE CHEGA à Festa o que mais impressiona é a falta de paranóia.
Ninguém está ansioso, a começar pelos seguranças que nos deixam passar só com um sorriso, sem nos vasculhar as malas ou apalpar as ancas. Em matéria de livre de trânsito, é como voltar aos anos 60.
Só essa ausência de suspeita vale o preço do bilhete. Nos tempos que correm, vale ouro. Há milhares de pessoas a entrar e a sair mas não há bichas. A circulação é perfeitamente sanguínea. É muito bom quando não desconfiamos de nós.
Mesmo assim tenho de confessar, como reaccionário que sou, que me passou pela cabeça que a razão de tanta preocupação talvez fosse a probabilidade de todos os potenciais bombistas já estarem lá dentro, nos pavilhões internacionais, a beber copos uns com os outros e a divertirem-se.
A Festa do Avante é sempre maior do que se pensa. Está muito bem arrumada ao ponto de permitir deambulações e descobertas alegres. Ao admirar a grandiosidade das avenidas e dos quarteirões de restaurantes, representando o país inteiro e os PALOP, é difícil não pensar numa versão democrática da Exposição do Mundo Português, expurgada de pompa e de artifício. E de salazarismo, claro.
Assim se chega a outro preconceito conveniente. Dava-nos jeito que a festa do PCP fosse partidária, sectária e ideologicamente estrangeirada. Na verdade, não podia ser mais portuguesa e saudavelmente nacionalista.
O desaparecimento da União Soviética foi, deste ponto de vista, particularmente infeliz por ter eliminado a potência cujas ordens eram cegamente obedecidas pelo PCP.
Sem a orientação e o financiamento de Moscovo, o PCP deveria ter também fenecido e finado. Mas não: ei-lo. Grande chatice.
Quer se queira quer não (eu não queria), sente-se na Festa do Avante!
Que está ali uma reserva ecológica de Portugal. Se por acaso falharem os modelos vigentes, poderemos ir buscar as sementes e os enxertos para começar tudo o que é Portugal outra vez.
A teimosia comunista é culturalmente valiosa porque é a nossa própria cultura que é teimosa. A diferença às modas e às tendências dos comunistas não é uma atitude: é um dos resultados daquela persistência dos nossos hábitos. Não é uma defesa ideológica: é uma prática que reforça e eterniza só por ser praticada. (Fiquemos por aqui que já estou a escrever à comunista).
A Exposição do Mundo português era “para inglês ver”, mas a Festa do Avante! Em muitos aspectos importantes, parece mesmo inglesa. Para mais, inglesa no sentido irreal. As bichas, direitinhas e céleres, não podiam ser menos portuguesas. Nem tão-pouco a maneira como cada pessoa limpa a mesa antes de se levantar, deixando-a impecável.
As brigadas de limpeza por sua vez, estão sempre a passar, recolhendo e substituindo os sacos do lixo. Para uma festa daquele tamanho, com tanta gente a divertir-se, a sujidade é quase nenhuma. É maravilhoso ver o resultado de tanto civismo individual e de tanta competência administrativa. Raios os partam.
Se a Festa do Avante dá uma pequena ideia de como seria Portugal se mandassem os comunistas, confessemos que não seria nada mau. A coisa está tão bem organizada que não se vê. Passa-se o mesmo com os seguranças - atentos mas invisíveis e deslizantes, sem interromper nem intimidar uma mosca.
O preconceito anticomunista dá-os como disciplinados e regimentados – se calhar, estamos a confundi-los com a Mocidade portuguesa. Não são nada disso. A Festa funciona para que eles não tenham de funcionar. Ao contrário de tantos festivais apolíticos, não há pressa; a ansiedade da diversão; o cumprimento de rotinas obrigatórias; a preocupação com a aparência. Há até, sem se sentir ameaçado por tudo o que se passa à volta, um saudável tédio, de piquenique depois de uma barrigada, à espera da ocupação do sono.
Quando se fala na capacidade de “mobilização” do PCP pretende-se criar a impressão de que os militantes são autómatos que acorrem a cada toque de sineta. Como falsa noção, é até das mais tranquilizadoras.
Para os partidos menos mobilizadores, diante do fiasco das suas festas, consola pensar que os comunistas foram submetidos a uma lavagem ao cérebro.
Nem vale a pena indagar acerca da marca do champô.
Enquanto os outros partidos puxam dos bolsos para oferecer concertos de borla, a que assistem apenas familiares e transeuntes, a Festa do Avante enche-se de entusiásticos pagadores de bilhetes.
E porquê? Porque é a festa de todos eles. Eles não só querem lá estar como gostam de lá estar. Não há a distinção entre “nós” dirigentes e “eles” militantes, que impera nos outros partidos. Há um tu-cá-tu-lá quase de festa de finalistas.
É UM ALÍVIO A FALTA de entusiasmo fabricado – e, num sentido geral de esforço. Não há consensos propostos ou unanimidades às quais aderir.
Uns queixam-se de que já não é o que era e que dantes era melhor; outros que nunca foi tão bom.
É claro que nada disto será novidade para quem lá vai. Parece óbvio.
Mas para quem gosta de dar uma sacudidela aos preconceitos anticomunista é um exercício de higiene mental.
Por muito que custe dize-lo, o preconceito - base, dos mais ligeiros snobismos e sectarismos ao mais feroz racismo, anda sempre à volta da noção de que “eles não são como nós”. É muito conveniente esta separação. Ma é tão ténue que basta uma pequena aproximação para perceber, de repente, que “afinal eles são como nós”
Uma vez passada a tristeza pelo desaparecimento da justificação da nossa superioridade (e a vergonha por ter sido tão simples), sente-se de novo respeito pela cabeça de cada um.
Espero que não se ofendam os sportinguistas e comunistas quando eu disser que estar na Festa do Avante! Foi como assistir à festa de rua quando o Sporting ganhou o campeonato. Até aí eu tinha a ideia, como sábio benfiquista, que os sportinguistas eram uma minúscula agremiação de queques em que um dos requisitos fundamentais era não gostar muito de futebol.
Quando vi as multidões de sportinguistas a festejar – de todas as classes, cores e qualidades de camisolas -, fiquei tão espantado que ainda levei uns minutos a ficar profundamente deprimido.
POR OUTRO LADO, quando se vê que os comunistas não fazem o favor de corresponder à conveniência instantaneamente arrumável das nossas expectativas – nem o PCP é o IKEA - a primeira reacção é de canseira.
Como quem diz:”Que chatice – não só não são iguais ao que eu pensava como são todos diferentes. Vou ter de avaliá-los um a um. Estou tramado. Nunca mais saio daqui.”
Nem tão pouco há a consolação ilusória do pick and choose.
.É uma sólida tradição dizer que temos de aprender com os comunistas... Infelizmente é impossível. Ser-se comunista é uma coisa inteira e não se pode estar a partir aos bocados. A força dos comunistas não é o sonho nem a saudade: é o dia-a dia; é o trabalho; é o ir fazendo; e resistindo, nas festas como nas lutas.
Hás uma frase do Jerónimo de Sousa no comício de encerramento que diz tudo. A propósito de Cuba (que não está a atravessar um período particularmente feliz), diz que “resistir já é vencer”.
É verdade – sobretudo se dermos a devida importância ao “já”. Aquele “já” é o contrário da pressa, mas é também “agora”.
Na Festa do Avante! Não se vêem comunistas desiludidos ou frustrados.
Nem tão pouco delirantemente esperançosos. A verdade é que se sente a consciência de que as coisas, por muito más que estejam, poderiam estar piores. Se não fossem os comunistas: eles.
Há um contentamento que é próprio dos resistentes. Dos que existem apesar de a maioria os considerar ultrapassados, anacrónicos, extintos. Há um prazer na teimosia; em ser como se é. Para mais, a embirração dos comunistas, comparada com as dos outros partidos, é clássica e imbatível: a pobreza. De Portugal e de metade do mundo, num Portugal e num mundo onde uns poucos têm muito mais do que alguma vez poderiam precisar.
NA FESTA DO AVANTE! Sente-se a satisfação de chatear. O PCP chateia.
Os sindicatos chateiam. A dimensão e o êxito da Festa chateiam. Põem em causa as desculpas correntes da apatia. Do ensimesmamento online, do relativismo ou niilismo ideológico. Chatear é uma forma especialmente eficaz de resistir. Pode ser miudinho – mas, sendo constante, faz a diferença.
Resistir é já vencer. A Festa do Avante é uma vitória anualmente renovada e ampliada dessa resistência. ... Verdade se diga, já não é sem dificuldade que resisto. Quando se despe um preconceito, o que é que se veste em vez dele? Resta-me apenas a independência de espírito para exprimir a única reacção inteligente a mais uma Festa do Avante:
dar os parabéns a quem a fez e mais outros a quem lá esteve. Isto é, no caso pouco provável de não serem as mesmíssimas pessoas.
Parabéns! E, para mais, pouquíssimo contrariado.”(E só com um bocadinho de nada com medo).

domingo, 12 de setembro de 2010

ESTÁTUA VIVAS

UMA FORMA DE ENCANTAR

Perante o horror que descrevemos no texto que se segue, um pouco de encantamento, para podermos continuar a acreditar que vale a pena cultivar a beleza apesar de tudo, ou melhor..... sobretudo!!!
Os belos sentimentos serão sempre o padrão base do ser humano


NESTE LINK


ISTO É O QUE SE SABE!!!

Uma coisa é certa …..não queria estar na pele do denunciante!!!

Já começou por ser atacado pelos colegas, seguir-se-há os que defendem o “espírito de corpo”, depois se escapar a estes, seguem-se os “militarões” por ter colocado o exército na lama, e se mesmo assim sonharem que ele escapou, um dos milhares de “secretas assassinos”, limpá-lhe-há o sarampo por ter mostrado ao mundo a animalidade que o sistema americano consegue produzir.
As últimas noticias que iremos ter dele, serão como habitualmente, que foi colocado no rol das testemunhas protegidas, mudada a identidade, e na melhor das hipóteses ……algumas operações plásticas para mudar o aspecto!!!

Jornal de Notícias - 09 de Setembro de 2010

Soldados matavam civis por "desporto" no Afeganistão

Doze soldados norte-americanos estão a ser acusados de criarem um "esquadrão da morte" que assassinava civis afegãos e coleccionava os seus dedos como troféu. O grupo era constituído por cinco soldados que terão morto três homens afegãos em diferentes ataques. Outros sete são acusados de encobrir os crimes e de atacar um outro soldado que denunciou o sucedido aos superiores.
De acordo com a versão online do jornal britânico "The Guardian", os soldados envolvido integram a brigada de infantaria "Stryker" colocada na província de Kandahar, no Sul do Afeganistão. O "The Guardian" afirma que esta é uma das mais graves acusações de crimes de guerra no Afeganistão. Todos os soldados negaram os factos que, a serem provados, podem resultar em pena de morte ou prisão perpétua.
De acordo com os investigadores e os documentos que integram o processo, a discussão sobre as mortes começou com a chegada do sargento Calvin Gibbs à base Ramrod, em Novembro passado. Nessa altura, o comando foi informado que Gibbs exibia dedos que havia conseguido quando esteve colocado no Iraque e contaca aos restantes soldados como era fácil "lançar uma granada para alguém e matá-lo".
De acordo com as provas coligidas, Gibbs, de 25 anos, arquitectou um plano, juntamente com o soldado Jeremy Morlock, de 22 anos, e outros elementos da unidade para formar um "esquadrão da morte" que acabou por matar três afegãos durante as patrulhas.
A primeira vítima terá sido Gul Mudin, sobre quem "atiraram uma granada e disparam uma espingarda" quando a patrulha entrou na aldeia de La Mohammed Kalay, em Janeiro. Após o ataque, Morlock terá afirmado ao soldado Andrew Holmes, de 19 anos, e que se encontrava de guarda nesse dia, que o assassinato tinha acontecido por "desporto" e ameaçou-o caso contasse alguma coisa sobre o ocorrido.
A segunda vítima, Marach Agha, foi morta a tiro no mês seguinte. Gibbs matou-o e colocou uma espingarda Kalashnikov ao lado do corpo para justificar a morte. Em Maio, Mullah Adadhdad foi morto após ter sido atingido por tiros e uma granada.
O jornal "Army Times" relata ainda que pelo menos um dos soldados acusados coleccionava os dedos das vítimas como recordação e que alguns deles posavam para fotos com os corpos.