Mensagem

Mensagem

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

domingo, 30 de janeiro de 2011

OS TACHOS DA TAP

Enviado por um camarada, eis a lista dos escandalosos vencimentos e privilégios da administração da TAP.
A DESONESTIDADE NOS PODERES PÚBLICOS

A CORRUPÇÃO, FRAUDE, BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS, TRÁFICO DE INFLUÊNCIAS E GESTÃO DANOSA

A TVI, apresentou um programa onde a título de moralização da vida pública, denuncia vários casos de empresas públicas onde impera a desonestidade, sob o olhar tranquilo e passivo das autoridades ditas “competentes” .

São denúncias inconcebíveis de aceitar!
Nós não compreendemos!
Nós não nos resignamos!
Isto tem que acabar!





sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

UMA NOÇÃO DE PURA BELEZA

Este power point é mais um belo conjunto de fotografias.
Sempre vamos tentando pôr algo de belo, como sal para temperar a pouca beleza dos textos que se seguem.



CORTES ABUSIVOS NOS VENCIMENTOS DOS
TRABALHADORES DA
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Temos conhecimento que vários trabalhadores da função pública sofreram cortes no seu vencimento, superior ao estipulado pela Lei.
É o caso de horas extraordinárias feitas em 2010 e recebidas em 2011, montantes referentes a subsídio de refeição, ajudas de custo, subsídios de transporte e outros, bem como as condições em que se deverá ser feito um recalculo das verbas recebidas indevidamente em 2011 e referentes a prestações de serviço feitas em 2010, bem como, quanto e de que maneira devem ser feitos os cálculos para o IRS, ADSE e CGA .

Para defesa e esclarecimento dos trabalhadores atingidos nos seus vencimentos, pelos cortes determinados pelo artigo 19º de Lei 55-A/2010, publicamos AQUI um estudo de Eugénio Rosa, que sobre a sua aplicação dá uma informação detalhada e onde através do seu endereço informático, poderá obter algum esclarecimento complementar, alem de reproduzir o Anexo á Lei 55-A/2010, que contempla as matérias atrás referidas.
Entretanto o "Expresso" publicou no seu "site" uma aplicação que dá instantaneamente os descontos consoante os ordenados.

Tenha em consideração tudo o que o economista Eugénio Rosa acima disse e depois pode testar a aplicação AQUI
O PROBLEMA DO DESEMPREGO

Sobre esta matéria, já nos pronunciámos anteriormente desenvolvidamente.
Defendemos então a tese, que andamos todos a ser enganados, na convicção de que não será possível o governo criar um número de postos de trabalho, que satisfaça uma parte substancial da mão-de-obra disponível.
Infelizmente a realidade é uma enorme tragédia, até porque o problema não é exclusivo de Portugal.
Bom seria que assim fosse, pois tal como no passado, uma emigração massiva, era na circunstância uma solução de sobrevivência , muito conhecida dos portugueses , em vários períodos da sua história.
Embora este governo pretenda ocultar a verdadeira dimensão da tragédia do desemprego em Portugal, como é pormenorizadamente demonstrado pelo estudo do economista Eugénio Rosa que pode ler
AQUI , o problema nacional e internacional, não deriva exclusivamente de um circunstancialismo, geograficamente localizado.
É o caso da chamada “offshoring” ou "terceirização estrangeira", que aproveitando os baixos salários existentes noutros países, particularmente na Ásia, leva o grande Capital Industrial a aproveitar para transferir para lá numerosos sectores, com a finalidade de explorar a sua mão-de-obra barata.
Acreditamos que essa será uma etapa do Capitalismo limitada no tempo, dado que a evolução natural dessas sociedades, permite adivinhar que as reivindicações dos seus trabalhadores, á medida que o seu desenvolvimento económico se vá consolidando, terão a mesma evolução que no passado tiveram a dos trabalhadores da sociedade ocidental.
É na tradição dessas históricas lutas reivindicativas e sindicais, que ainda hoje assenta básicamente a esperança dos trabalhadores, por um mundo melhor, livre da exploração do homem pelo homem.
Podem vir agora com novas teorias de justiça social, nomeadamente com a tese do “Capitalismo Consciente” que problema fundamental continua e continuará a residir naturalmente nas características e natureza exploradora do Sistema Capitalista e nas relações de produção, que ele desde sempre determinou.
O aparecimento da informática, da robotização e das tecnologias de ponta, nomeadamente a nano tecnologia na propriedade e ao serviço do patronato e do grande Capital, coloca nas mãos destes, totalmente, o controle do mundo produtivo.
Com a queda da União Soviética, o mundo do trabalho ficou desprotegido.
Sem essa referência fundamental, os trabalhadores perderam muita da sua capacidade reivindicativa.
O Sistema Capitalista tendo a Banca como seu instrumento, entraram num delírio de exploração da humanidade em geral, do trabalho e da produção em particular, numa dimensão escandalosa, que deu origem aos problemas com que se debate actualmente toda a economia mundial, com alguma excepção da China e dos países emergentes do Sueste Asiático.
Só a luta por uma profunda alteração das relações de produção, poderá solucionar a angústia, o sofrimento e a perturbação que essa exploração e a respectiva diminuição dos postos de trabalho, estão provocando.
Só criando uma nova ordem social e um sistema político em que o socialismo seja a matriz moral das relações de produção, se dará o passo civilizacional, que justifica a inteligência com que a Natureza privilegiou o ser humano.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

O INGLÊS DE SÓCRATES

ELE NEM PERCEBE QUANTO RIDICULARIZA PORTUGAL


terça-feira, 25 de janeiro de 2011

SOCRÁTICAS CHINESICES

Este “power point” é uma espécie de efabulação do que se passa em Portugal.
Nele os artistas, de um monte de lixo, conseguem criar figuras humanas.
Para o socrático governo, as figuras humanas, são tratadas como lixo!!!

NO RESCALDO DAS ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS

Mais uma vez em eleições, estiveram os comunistas longe de obter os resultados que correspondessem não só á sua influência social, mas sobretudo aos valores sociais, morais, éticos e económicos, que defendem e certamente correspondem aos interesses da maioria esmagadora do povo português.
Vários argumentos concorreram para que tal acontecesse.
Uns habituais, fruto de um anticomunismo cavernícola, outros do costumeiro tratamento discricionário dos média e desta vez temos a acrescentar uma original maneira de impossibilitar o exercício do direito de voto, particularmente penalizadora dos comunistas, da inteira responsabilidade do Ministério da Administração Interna e provocada pelo cartão do cidadão.
Sabedores que somos da tradicional militância dos comunistas, consideramos que foram eles os mais afectados, entre os milhares de pessoas que se viram impedidos de votar, devido a essa aberração administrativa.
Para o Partido Comunista Português a abstenção no exercício de cidadania, é o comportamento mais prejudicial, na medida em que, esta atitude reflecte uma verdadeiramente vantagem para a direita.
É por esta e outras razões que de há muito defendemos neste Blogue uma consigna, em defesa do voto obrigatório.
Há quem opine, que na democracia impor o direito de voto, é cercear a liberdade individual.
Discordamos como principio.
Levar a esse extremo a liberdade de opção de um indivíduo, é fomentar o alheamento da população em expressar o seu pensamento sobre uma matéria que a todos diz respeito.
A leitura enviesada de liberdade individual, permite a um cidadão abster-se de emitir a sua opinião, mesmo que errada, em defesa dos seus interesses e com reflexos profundos nas orientações políticas e económicas globais da sua própria comunidade.
O paralelo com a obrigatoriedade de cada um comparticipar através dos impostos, para a manutenção do colectivo, não é despiciendo como argumento, mas é sobretudo na oportunidade de aprofundar a discussão política e clarificar os objectivos mais adequados para cada cidadão, que alicerçamos principalmente a nossa opção pelo obrigatoriedade do voto.
Não é por acaso que há muito nos empenhamos a divulgar a necessidade do voto obrigatório, para através dele se possa exercer a pedagogia, que dê aos cidadãos uma maior consciência cívica.
As lições que podemos extrair dos resultados obtidos pelas forças de esquerda, e nomeadamente pelos comunistas, nestas ultimas eleições presidenciais, são exemplarmente inventariadas, num artigo de Fernando Samuel, que pode ler seguir na nossa coluna “Coisa que li… e gostava de ter escrito!” e me foi enviado por vários camaradas e publicado no Blogue Cravo de Abril.
Dos comentários feitos a esse texto, reproduzimos dois extractos, que reflectem algumas das interrogações, perplexidades que devem ser a de muitos comunistas, por um lado incrédulos com o que se passou e por outro, orgulhosos como nós, da excepcional categoria e da brilhante defesa das posições dos comunistas feita pelo seu candidato Francisco Lopes o que para alguns, constituiu uma autêntica surpresa!
Dizia o primeiro:
“Passados que são 37 anos da revolução dos cravos, com o país a atravessar um dos períodos mais negros da sua historia com um assalto a tudo o que é regalia sócio/laboral e desempenhando o PCP um vasto trabalho no terreno, aliás sendo o único partido que o faz no terreno, não seria lógico que tivesse o retorno em votos fruto desse deu trabalho??? Mas não, mantemo-nos nos números de sempre sem que nos consigam explicar porque é que as coisas se passam assim. Porque é que a mensagem não passa????”
E um segundo:
“Foi a melhor campanha a que eu já assisti: um candidato ao lado do povo, a lutar pelo povo e com o povo! Um homem que pela sua simplicidade, determinação, empenho, inteligência, coerência e amabilidade soube honrar esta campanha! A ele, ao colectivo, ao partido, todos os aplausos! Merecidos por mérito, conseguidos por um trabalho incansável e de excelência.”

Por Fernando Samuel

O meu post de ontem à noite - com excertos da Declaração de Francisco Lopes - suscitou uma série de comentários diversificados:
nuns casos, confirmando a ideia de que a «confiança e a certeza em dias diferentes está nas nossas mãos»; que «cá estaremos. E seremos mais»; que «foi feito o que tinha de ser feito» e que «atrás de tempos vêm tempos e outros tempos hão-de vir»; noutros casos, expressando «tristeza» e «alguma desilusão» com os resultados da nossa candidatura... e provocando alguns «desabafos» - contudo, em regra, afirmando inequivocamente a disponibilidade de luta para o futuro, de lutar «contra a maré».
(houve também comentários seguindo os velhíssimos trilhos do pretenso revolucionarismo - aos quais já Lénine e Álvaro Cunhal responderam, o primeiro em 1920, em A Doença Infantil do «Esquerdismo» no Comunismo, o segundo em «O Radicalismo Pequeno-Burguês de Fachada Socialista», na década de 60. Está lá tudo: é só (saber) ler).
No que me diz respeito, não fiquei nem «triste», nem «desiludido» com o resultado eleitoral - que, aliás, considero um bom resultado.
É claro que queria mais votos, queria que a nossa votação tivesse sido superior - mas essa é outra questão: é uma questão que, penso, tem mais a ver com os meus desejos do que com a realidade concreta em que travámos esta batalha - em que, de resto, travamos todas as batalhas eleitorais.
Tenho para mim que, no regime de democracia burguesa em que vivemos ( se quisermos ser mais rigorosos podemos chamar-lhe ditadura do grande capital), as mais difíceis batalhas, para os comunistas, são as batalhas eleitorais.
Trata-se de um combate em que o inimigo «joga em casa», dispondo de meios e instrumentos de intervenção incomensuravelmente superiores aos nossos e recorrendo a todos os métodos e práticas que considera necessários para alcançar os seus dois objectivos essenciais: perpetuar-se no poder e concretizar o velho sonho que eles sintetizam em três palavras: «morte do comunismo».
Os média - não por acaso propriedade do grande capital - constituem um dos mais poderosos instrumentos utilizados, com a sua extraordinária capacidade de difusão das «notícias», das «opiniões», das «ideias» que aos seus patrões interessa que sejam difundidas - e que, de tantas vezes publicadas, acabam por transformar-se, muitas vezes, em «opinião pública».
E só com uma forte consciência política, ideológica e de classe, é possível rejeitar as «notícias», as «opiniões», as «ideias» que o poderoso arsenal de rádios, televisões e jornais fazem chegar, todos os dias, a todas as horas, a milhões de pessoas.
Este é um dado que não podemos deixar de ter em conta quando analisamos, por exemplo, a postura da multidão (homens, mulheres, jovens) que, votando contra os seus próprios interesses, elege os cavacos de que o grande capital precisa para continuar e acentuar a exploração dos que os elegem.
Então, a nossa participação em batalhas eleitorais começa por ser um acto de resistência e é, ao mesmo tempo, um caminho para adquirir mais força para a luta que tem que continuar - a luta de massas, a luta de classes, da qual a batalha eleitoral é parte integrante mas não a decisiva.
Essa participação deve ser assumida, também, (digo eu) com a consciência plena de que, em eleições burguesas, tudo está cirurgicamente programado, montado e organizado no sentido de assegurar previamente, sempre, a vitória eleitoral ao (aos) candidato(s) do sistema - e também com a consciência plena de que, no dia em que o grande capital verificar que essa vitória não está previamente assegurada... pura e simplesmente acaba com as eleições. (foi assim que fizeram, por exemplo, quando, convencidos de que o eleitorado ia dizer «não» ao tratado porreiro, pá... pura e simplesmente proibiram o referendo)
Por tudo isto, cada batalha eleitoral é, para os comunistas, uma batalha em que a vitória não se traduz em serem os mais votados (coisa impossível de acontecer neste contexto), mas em fazerem o que deles se espera e, com isso, criarem condições para para dar mais força à luta dos trabalhadores e do povo.
Nestas presidenciais, impunha-se que os comunistas apresentassem uma candidatura própria, em condições de afirmar inequivocamente a sua posição face à dramática situação actual do País, a partir da análise rigorosa dessa situação, da sinalização clara das suas causas e dos seus causadores e da apresentação das suas respostas - respostas que, necessariamente viradas para a situação actual, incorporam sempre, necessariamente, o objectivo da construção da sociedade socialista.
E foi isso que os comunistas fizeram, cumprindo as tarefas que lhes eram exigidas - entre as quais a de resistir - e ficando mais fortes para a luta.
É essa a nossa vitória.
E não a subestimemos, porque se trata de um importante resultado - aliás, conquistado a pulso, como não podia deixar de ser, e só conseguido pela notável campanha que erguemos - com um candidato notável, com um notável colectivo partidário e com milhares de notáveis amigos e companheiros de luta.
A nossa campanha foi, para além do resultado em votos, uma sementeira de convicção, de determinação, de verdade, de coragem, de lucidez, de dignidade, de esperança - uma sementeira que, por tudo isso, dará frutos.
Frutos que serão visíveis no reforço da luta de massas.
Da luta de classes - a tal que, ela sim, é decisiva para mudar transformando; para substituir a velha sociedade capitalista, baseada na exploração do homem pelo homem, pela sociedade nova, liberta de todas as formas de opressão e de exploração: a sociedade socialista e comunista.
Para lá chegarmos - sempre dando resposta à situação actual - temos muito caminho para andar.
E a questão não está em medir o caminho que temos que andar - a questão está em não desistirmos dessa caminhada, mesmo sabendo que ela é difícil, complexa, longa e que exige a cada um e a todos os caminhantes todas as forças de que dispõem.
A questão está em nos fazermos ao caminho todos os dias - e, assim e por isso, conquistarmos todos os dias uma importante vitória.

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

PARA IMITAR A ESPANHA

GOVERNO DECLARA GUERRA AOS DIREITOS DOS TRABALHADORES

Governo confirma as preocupações da CGTP-IN. As propostas apresentadas hoje em sede de Concertação Social mais não visam que facilitar os despedimentos, reduzir as indemnizações e criar condições para os trabalhadores financiarem os seus próprios despedimentos.

O principal justificação é que se trata de alinhar com a Espanha

sábado, 22 de janeiro de 2011

MUSEU DA PIDE
CARTAZES CENSURADOS NO DIA 24 DE ABRIL DE 1974

Se for curto de vista.....clique no cartaz!!!.










































sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

NESTA HORA

Por Sophia de Mello Brayner Andresen

Nesta hora limpa da verdade é preciso dizer a verdade toda
Mesmo aquela que é impopular neste dia em que se invoca o povo
Pois é preciso que o povo regresse do seu longo exílio
E lhe seja proposta uma verdade inteira e não meia verdade

Meia verdade é como habitar meia quarto
Ganhar meio salário
Como só ter direito
A metade da vida

O demagogo diz da verdade a metade
E o resto joga com habilidade
Porque pensa que o povo só pensa metade
Porque pensa que o povo não percebe nem sabe

A verdade não é uma especialidade
Para especializados clérigos letrados

Não basta gritar povo é preciso expor
Partir do olhar da mão e da razão
Partir da limpidez do elementar

Como quem parte do sol do mar do ar
Como quem parte da terra onde os homens estão
Para construir o canto do terrestre
-- Sob o ausente olhar silente de atenção –

Para construir a festa do terrestre
Na nudez de alegria que nos veste
FRANCISCO LOPES

CANDIDATO Á PRESIDÊNCIA DA RÉPUBLICA

O NOSSO CANDIDATO!!!


DAR MILHO AOS PORCOS

UMA ALEGORIA POLÍTICA QUE VEM A PROPÓSITO!!!

Este “power point”, em vésperas de eleições presidenciais, é a primeira mensagens, das que se seguem neste dia.
A conclusão da sua mensagem política tem um elevado significado.
É bom que meditemos nela!!!
DEVE CLICAR SOBRE A IMAGEM
PARA LER MELHOR

A VOTAÇÃO NAS PRESIDENCIAIS

De um camarada nosso, ecebemos este oportuno esclarecimento, assinado por um tal “Vasco Lourenço”, que não sabemos se será o Vasco Correia Lourenço, um dos autores do documento que em Agosto de 1975, ficou conhecido como "Documento dos Nove" ( Melo Antunes, Vasco Lourenço, Pezarat Correia, Manuel Franco Charais, Canto e Castro, Costa Neves, Sousa e Castro, Vítor Alves, Vítor Crespo) esteve na génese do golpe militar que em 25 de Novembro, pôs fim ao chamado PREC, (Processo, revolucionário em curso) iniciado em 25 de Abril de 1974. Embora não conseguindo esquecer a sua acção anti-revolucionária no passado e as consequências da sua acção, relatadas com bastantes exageros e deturpações no livro que escreveu sobre a sua acção no projecto que apadrinhou, e os personagens de que se fez rodear, reconheço que se o texto é de facto dele, bem arrependido deve estar ter apoiado aquela gente, que estão na génese de tanta desgraça está causando a Portugal e aos portugueses. Como achamos que “A serpente muda de pele, mas não de natureza” , é caso para dizer” Quem te viu e quem te vê…..a chorar lágrimas de crocodilo”. O texto independentemente, de quem o escreveu, tem o valor de esclarecer um problema gravíssimo. As consequências que, a abstenção, o voto em branco ou nulo podem ter, se o seu numero tiver alguma dimensão, na eleição presidencial do próximo domingo. Por isso apelo a que independentemente de quem elaborou o texto, vejam nele doutrina a que devemos prestar a maior atenção. Eis então o texto: Cara(o)s amiga(o)s Gostaria de chamar a vossa atenção para o problema do voto em branco, nas eleições presidenciais. Isto, porque para além de continuarem a correr e-mails defendendo o voto em branco, como acto de protesto, começam a correr boatos especulativos, que chegam ao ponto de pretenderem fazer crer que, nas presidenciais, se deve votar nulo em vez de em branco, pois o nulo é que conta!... Em minha opinião, está-se a tentar explorar o facto de, nestas eleições, o voto em branco ter exactamente o mesmo valor que o voto nulo, isto é zero! De facto, nas presidenciais, o voto em branco não é considerado validamente expresso, como pode ver
AQUI
Já nas eleições presidenciais de há cinco anos, teria havido uma segunda volta se o voto em branco fosse considerado validamente expresso (Cavaco Silva 2.773.431 votos; Manuel Alegre + Mário Soares +Jerónimo de Sousa + Francisco Louça + Garcia Pereira + brancos = 2.773.552 votos). Quem não quiser votar em nenhum dos candidatos, mas quiser contribuir para uma segunda volta das eleições presidenciais, não pode votar em branco (estará a anular o voto), não pode anular o voto, pois isso terá o mesmo efeito da abstenção. Quem quiser, acima de tudo, forçar a uma segunda volta, terá de votar num dos candidatos que não se perfilarem como hipotéticos vencedores, à primeira volta. Mesmo que não tenha muita vontade de o fazer, terá de votar num candidato, seja ele qual for, desde que não seja o que aspira a ser eleito à primeira volta... Só assim, o seu voto poderá contribuir para que não haja 50 por cento mais um dos votos validamente expressos, na primeira volta! Se quer contribuir, não hesite! Divulgue esta informação e vote válido! Cordiais saudações

Vasco Lourenço

P.S. Já contactámos a Comissão Nacional de Eleições, mas ainda não recebemos quaisquer informações, nem detectámos qualquer campanha informativa sobre o assunto.

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

PARA REFLECTIR
A BELEZA DA NATUREZA

UMA APRESENTAÇÃO SEM PALAVRAS


NESTE LINK
O CLONE DE SALAZAR
Durante a campanha presidencial do candidato Cavaco Silva, muitas vezes me tenho interrogado, perante o que vou vendo e ouvindo nas suas intervenções, que coisa diferente diria e faria Salazar, se tivesse a atazaná-lo e a obrigá-lo a cumprir, a actual Constituição da Republica Portuguesa?
Que dificuldades teria de ultrapassar, para falar em publico, sem ter no papel o discurso que matreiramente utilizava, para não dizer o que fingia não querer!
Que outros esgares hipócritas colocaria no rosto, para disfarçar o incomodo que lhe causa, ter de obliterar o seu pensamento e a sua vontade, para parecer um democrata?
Que outros amigos e apoiantes teria na Alta-finança, diferente dos apoiantes do cavacal candidadto?
Que personalidades diferentes teria escolhido para uma hipotética comissão de candidatura?
Que outro desprezo sentiria, pelas crianças que passam fome, da miséria dos trabalhadores sem emprego, das mortes aceleradas dos reformados a quem as suas pensões de miséria, nãos lhes permite comprar os remédios necessários.
Que outro dissimulado discurso de estímulo á caridade, faria?
Que outro tratamento daria aos comunistas, se quando falasse deles ou do seu Partido, não conseguisse sequer disfarçar no esgar da sua expressão facial, o rancor que lhe vai na alma.
Que diferente política e diferente discurso preconizaria, se corresse o risco de perder as mordomias?
Que outros ministros escolheria, no sentido de defender interesses que não são os do povo que manipula verbalmente, sob os auspícios do Grande Capital Financeiro, dos grandes empresários e conivência dos meios de comunicação social, pertencentes a um limitado número de correligionários seus?
E por fim, que outras palavras utilizaria essa premonição cavernícola de Cavaco Silva, o actual Frei Tomás da classe política, que pensa pairar acima dos homens e mulheres deste país, fazendo-se passar umas vezes por um anjo salvador, outras por um autêntico S.Jorge, de lança justiceira em riste, matando um dragão, que por acaso nada tem a ver o matreiro Pinto da Costa, outro ícone, da conversa ardilosa.
Esta comparação com aquele S.Jorge, tem vários níveis de abrangência. O santo era um militar dos romanos exércitos, santo padroeiro de Moscovo, de onde certamente fez umas férias, depois da Grande Revolução de Outubro.
O nosso cavacal candidato, não se coíbe de exibir a sua condição de comandante supremo das forças armadas, para vestir a farda militar, com mais ou menos camuflado, quer no fato, quer na linguagem, sempre que as circunstâncias o exigem!!!
E sem querer dar significativa coincidência, ao especial apoio que Cavaco Silva teve ontem em Braga, penso que fora tempo de golpaças militares e teríamos no virginal Ramalho Eanes, o novo Afonso Costa.


NOTA-Para completar a biografia do candidato, apresentamos a sua ficha de inscrição na PIDE AQUI
.
CASO BPN

O QUE ESCONDE CAVACO

É este o título do vídeo que publicamos a seguir, que esclarece alguns dos temas que estão a criar problemas difíceis de”engolir” ao cavacal candidato.
Se calhar não são só os problemas, mas deve também interferir a colaboração do seu primoroso nó da gravata, que de tão apertado, tão imaculado e sem uma ruga, não permite que se veja o mais insignificante desnivelamento daquele precioso e apavoneado apetrecho, tão importante para a severa defesa da escrupulosa estética da sua imagem pública.
Tenho dito!!!






ALDEIA DA COELHA

Se o candidato “Coelho” da Madeira, quando foi visitar a casa de verão do cavacal presidente Frei Tomás, soubesse que é na Aldeia da Coelha que está o segredo do seu pertinaz concorrente, ia rapidamente crismar-se, para adoptar outro nome, pois um coelho na Coelha, era capaz de aumentar a “produção” e ao poder matar a fome a muita gente , lá se iam os argumentos do seu rival e confesso candidato que mais compungidamente descobriu que Portugal é uma fábrica de pobres.




A revista VISÂO, publicou uma outra abordagem, que pode ver AQUI
A FOME NAS ESCOLAS

Recebemos há pouco, de um camarada e amigo o impressionante relato que transcrevemos a seguir.
O texto é um relato extraído do “Diário de professor Arnaldo”, publicado pelo professor Arnaldo Antunes em 19 de Novembro de 2010.
O referido professor, termina a peça com a seguinte frase:
“É este o Portugal de sucesso e orgulho do Sócrates!!!!”
Se fosse hoje, certamente com a desavergonhada campanha presidencial a que assistimos, certamente o professor Arnaldo terminaria:
São estes os pobres, fabricados pela socrática quadrilha, que descobertos, pelo “cavacal” presidente, servem de arma de arremesso, para publicitar a suas candidaturas!!!

NÃO FIQUEMOS CALADOS!!!
INDIGNE-SE, FALE E FAÇA A PARTE DA JUSTIÇA QUE ESTÁ AO SEU ALCANCE, INDO VOTAR NO DIA 23.
ABRA OS OLHOS….. E VÁ VOTAR!!!

EIS O MENCIONADO TEXTO:
Ontem, uma mãe lavada em lágrimas veio ter comigo à porta da escola.
Que não tinha um tostão em casa, ela e o marido estão desempregados e, até ao fim do mês, tem 2 litros de leite e meia dúzia de batatas para dar aos dois filhos.
Acontece que o mais velho é meu aluno. Anda no 7.º ano, tem 12 anos mas, pela estrutura física, dir-se-ia que não tem mais de 10. Como é óbvio, fiquei chocado. Ainda lhe disse que não sou o Director de Turma do miúdo e que não podia fazer nada, a não ser alertar quem de direito, mas ela também não queria nada a não ser desabafar.
De vez em quando, dão-lhe dois ou três pães na padaria lá da beira, que ela distribui conforme pode para que os miúdos não vão de estômago vazio para a escola. Quando está completamente desesperada, como nos últimos dias, ganha coragem e recorre à instituição daqui da vila – oferecem refeições quentes aos mais necessitados. De resto, não conta a ninguém a situação em que vive, nem mesmo aos vizinhos, porque tem vergonha. Se existe pobreza envergonhada, aqui está ela em toda a sua plenitude.
Sabe que pode contar com a escola. Os miúdos têm ambos Escalão A, porque o desemprego já se prolonga há mais de um ano (quem quer duas pessoas com 45 anos de idade e habilitações ao nível da 4ª classe?). Dão-lhes o pequeno-almoço na escola e dão-lhes o almoço e o lanche.
O pior é à noite e sobretudo ao fim-de-semana. Quantas vezes aquelas duas crianças foram para a cama com meio copo de leite no estômago, misturado com o sal das suas lágrimas…
Sem saber o que dizer, segureia-a pela mão e meti-lhe 10 euros no bolso. Começou por recusar, mas aceitou emocionada. Despediu-se a chorar, dizendo que tinha vindo ter comigo apenas por causa da mensagem que eu enviara na caderneta.
Onde eu dizia, de forma dura, que «o seu educando não está minimamente concentrado nas aulas e, não raras vezes, deita a cabeça no tampo da mesma como se estivesse a dormir».
Aí, já não respondi. Senti-me culpado. Muito culpado por nunca ter reparado nesta situação dramática. Mas com 8 turmas e quase 200 alunos, como podia ter reparado?
É este o Portugal de sucesso dos nossos governantes.
É este o Portugal dos nossos filhos.
É este o Portugal de sucesso e orgulho do Sócrates!!!!



O ENRIQUECIMENTO ILÍCITO

Na passada quinta feira dia 13, O Partido Comunista Português entregou no Parlamento pela quarta vez, uma proposta para criminalizar o enriquecimento ilícito.
A persistente luta que este Partido, tem travado nesta importante frente de luta, parece estar finalmente a ter a compreensão de outras forças políticas e até, certamente pela inquestionável importância mediática do tema, já anda a correr uma PETIÇÂO na forma de um abaixo-assinado patrocinado pelo “Correio da Manhã”.
Não é despicienda esta iniciativa, para o seu êxito final.
Vindo de quem vem, das colaborações que pode mobilizar e por tabela da publicidade que faz sobre o tema, ajuda imenso a tenaz luta que o PCP tem tido neste combate.
No sentido de lhe dar todo o apoio e facultar-lhe a possibilidade de também subscrever a PETIÇÃO com o abaixo-assinado
CLIQUE AQUI
UM GRITO DE ESPERANÇA NA TUNISIA

Notas sobre a Revolução Tunisina

Um importante movimento de massas está a ser levado a cabo na Tunísia.
Para se ter uma ideia correcta do que na realidade está por de traz deste impetuoso movimento revolucionário transcrevemos, um artigo de Dyab Abou Jahjah-Fundador e antigo presidente da “Arab European League” , publicado no blogue” Abou Jahjah Comments”, e reproduzido em “ resistir.info
” , que torna muito claro, o que verdadeiramente está em jogo não só naquele país, mas igualmente em todo o mundo árabe.
Para abrir o apetite para o grande interesse de que o artigo se reveste, reproduzimos o primeiro parágrafo do artigo em referência.
“Desde o primeiro dia estava claro que esta revolução não era só acerca do pão, era também contra a ditadura e a corrupção. A revolução foi apoiada por todos os segmentos da sociedade. Pobres, classe média e mesmo a classe média alta. Especialmente a classe média mostrou as suas unhas nos últimos dias em Tunis.”Pode ler o artigo e ver o vídeo
CLICANDO AQUI

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

SHERPAS
Traduzi este “power point”, com algum desconforto, na medida em que me custou ver uns “herois”de corpinho bem feito e uns desgraçados carregados de uma forma barbara, pela necessidade de ganhar a vida.
A desproporção do sacrifício daquela gente que carrega aqueles enormes e pesadíssimos fardos, é chocante, indigno e revoltante.
Ainda por cima, para gáudio de uns quantos “desportistas”, o que torna a situação mais injustificada.
Até aceitamos que a sua colaboração seja útil e necessária, para ajudar a encontrar os melhores caminhos, ou a proporcionarem albergue para quem se quer arriscar naquelas paragens e praticar montanhismo ou alpinismo.
Aquilo que para nós é inadmissível, é o exagero da desproporção dos sacrifícios.
Vão para aquelas paragens, por mero desporto ou prazer pela aventura, mas é doloroso que para satisfazer uns caprichos desta natureza, se sirvam de seres humanos daquela forma, independentemente de se considerar que aquele povo, pelas suas características, está mais familiarizado com as características do terreno, da altitude e do clima.
De qualquer modo são seres humanos.



NESTE LINK
SEM COMENTÁRIOS!!!












NOTÍCIA DO CORREIO DA MANHÃ

TRIBUNAL DE CONTAS, CHUMBA
OPERAÇÕES ÀS CATARATAS EM CUBA.

A auditoria feita pelo Tribunal de Contas à Câmara Municipal de Vila Real de Santo António, relativa às contas de 2007 a 2009, concluiu que a verba então despendida pela autarquia para levar doentes do concelho a Cuba, para serem operados às cataratas, é uma despesa ilegal porque não foi sujeita à consulta prévia do mercado a que estão obrigados este tipo de contratos de aquisição de bens e serviços. "É lamentável pôr em causa a intervenção humanitária na vida de 300 pessoas que estavam há uma década à espera de poder ver", disse ao CM Luís Gomes, presidente da Câmara de Vila Real de Santo António.
De acordo com o Tribunal de Contas (TC), a autarquia gastou 640 540 euros no tratamento, em Cuba, de doentes daquele concelho algarvio, alegando que cada doente custou, em média, 2900 euros. "O tribunal enganou-se nas contas", alega Luís Gomes. O autarca sublinhou que as deslocações dos doentes ao país das Caraíbas – suportadas na íntegra pela câmara – envolviam operações às cataratas e também uma componente de tratamentos integrais de saúde (check-up) com eventual encaminhamento para especialidades.
Segundo o CM apurou, cada doente custou à autarquia 2000 euros, numa primeira fase, e 1400 numa segunda, a partir de 2008. Estes valores incluem 700 euros de viagem e estada por 15 dias, com alojamento e alimentação, operação aos dois olhos e tratamentos integrais. Na altura, as listas de espera nos hospitais públicos eram longas e os privados praticavam entre 3 mil a 4 mil euros só pela operação aos dois olhos. Depois de a câmara começar a levar doentes a Cuba, o Governo ‘injectou’ 20 milhões de euros na redução das listas de espera, levando à queda dos preços nos privados.

Lendo esta notícia, chegamos a várias conclusões:

- A primeira e mais evidente, é o sentimento de revolta que tal decisão nos desperta e a vontade expressar o nosso protesto e a nossa angústia, contra os poderes políticos que determinam situações como estas, num país civilizado como devia ser o nosso.

- A segunda, é interrogarmo-nos, indo ao concreto da questão, como é possível um dito Serviço Nacional de Saúde, conseguir manter 300 doentes com deficiências visuais, esperando dez- anos-dez, por uma simples operação às cataratas.
- A terceira, diz respeito ao facto de um dos muitos organismos de controlo financeiro do Estado, condenarem por irregular uma verba de 640.540 €, dispendidos pela autarquia, para dar vista a 300 dos seus cidadãos, com o argumento de não ter cumprido uma hipotética irregularidade burocrática, ao mesmo tempo que o governo que tutela esse organismo, se permite a dar cobertura legal a uma verba superior a 5.000 milhões de Euros, para cobrir os roubos feitos num Banco “privado”, sob sofismas artificiosos, na defesa do estafado “Interesse Nacional”.
- A quarta, é bom referir, a despesa foi paga com dinheiro da autarquia, logo em grande parte com a participação pecuniária em impostos municipais, dos próprios beneficiários e dos restantes cidadãos desse concelho.
- A quinta, lembrar que a verba dispendida, constituiu um critério de gestão dos dinheiros municipais que ao dar prioridade á questão da saúde pública, mais não fez que utilizar um direito inerente aos plenos poderes que nesse capítulo têm as autarquias.
- A sexta, torna-se doloroso pensar que por causa de uma a verba média de 1.700 Euros, (ridícula neste caso, qb) se está a discutir o “urgentíssimo” direito á visão de cada um desses indivíduos. Se ainda por cima, considerarmos que nessa verba estão incluídos os 700 Euros da viagem, os 15 dias de estadia e os “tratamentos integrais de saúde (check-up) com eventual encaminhamento para especialidades”, como nos refere o Presidente da autarquia.
- A sétima, impressiona-nos a complementaridade dos cuidados clínicos dispensados aos doentes, descriminados pelo presidente da autarquia como um “check- up” geral, com encaminhamento para as especialidades, em comparação com os nossos “civilizados” e “evoluidíssimos” tempos de espera por uma simples consulta, para não falarmos nos tempos de espera para operar doenças, que pela sua natureza e gravidade, a cada dia que passa acelera a morte do doente.
Estas questões numa perspectiva moral, deviam condenar a prisão, os responsáveis por tais situações.
- A oitava, diz respeito á revolta que nos causa o artificioso esquema das taxas, ditas moderadoras, inexistentes em Cuba apesar de ser um país muito pobre, demonstrando á exaustão, a que ponto estas taxas são imorais e injustas.
Nunca é demais lembrar que o nosso Serviço Nacional de Saúde está constitucionalmente descrito como “tendencialmente gratuito”. No entanto, sem qualquer respeito pela principal Lei que nos rege, as entidades que nos “desgovernam” estão sempre a aumentar esse verdadeiro imposto, evocando os mais variados e habilidosos argumentos.
- A nona, porque nos veio á memória um assunto não focado na notícia, mas que se prende com o criminoso preço dos remédios.
É um escândalo, que com o argumento de se cobrir os custos de investigação, se obrigue um cidadão a pagar preços exorbitantes por um remédio, que a maior parte das vezes custa mais a embalagem ao fabricante, que o seu conteúdo.
Não pensem que exageramos. Lembramos o episódio relatado no filme “SICKO”, de Michael Moore, onde este realizador aborda os problemas de saúde de algumas populações, fazendo uma descrição do que se passa no Canadá, Inglaterra e França, onde todos os cidadãos têm cuidados médicos gratuitos, apesar de serem países muito ricos. Demonstrando igualmente nesse filme, que o sistema de saúde cubano, é um dos melhores do mundo, apesar de ser um país muito pobre.
(Curiosamente o americano está em último lugar, entre os países mais desenvolvidos, apesar de ter o custo por pessoa mais elevado de todos)
Na parte do filme que se analisa o sistema de saúde em Cuba, que reproduzimos em vídeo a seguir a este texto, pode-se ver uma americana que fazia parte da equipe de filmagens, debulhada em lágrimas, reconhecendo que ganhava 1.000 dólares por mês de ordenado e tinha de gastar 120 dólares num dos remédios que tomava habitualmente.
Em Cuba esse mesmo remédio custou-lhe apenas, 3,2 pesos Cubanos, equivalentes 5 cêntimos de dólar.
Admitimos que generalizar este problema, rouba credibilidade ao argumento aparentemente, mas no concreto, a realidade pouco se afasta da nossa versão.
- A décima, para terminar, e não exceder o nº dos mandamentos da Lei de Deus, resta-nos o pecado de ter nascido em Portugal, para ter de pagar 3 a 4.000 Euros por uma operação que em Cuba a partir de 2008 custa 1.400 Euros “valores incluem 700 euros de viagem e estada por 15 dias, com alojamento e alimentação, operação aos dois olhos e tratamentos integrais” segundo afirmação do próprio presidente da Câmara de Vila Real,(como acima já foi referido), que teve a “criminosa” atitude de querer dar vista aos cidadãos da autarquia que o elegera, para exactamente tratar dos problemas das suas vidas em geral e da saúde em particular, como se viu de facto.
Agora está “lixado”porque fez concorrência desleal e descobriu a careca aos mafiosos que exploram a situação.
Infelizmente de uma forma geral, os nossos médicos esqueceram muito do humanismo que está subjacente á profissão.
Esqueceram igualmente, que foi o dinheiro dos contribuintes, que pagou até há pouco a quase totalidade da sua formação técnica. Agora aproveitam para explorar quem deles necessita, formando uma elite que só pensa em dinheiro, salvo raras e honrosas excepções.
É um facto indiscutível e generalizado, que o humanismo tradicional da classe médica hoje em dia, foi vendido por um prato de lentilhas.
Se estiver interessado na totalidade do filme, apresentado em vários vídeos,clique
: NESTE LINK


REFLEXÕES DE FIDEL CASTRO

Esta é uma reflexão do Fidel Castro sobre a política da saúde em Cuba e o seu comentário sobre a reprodução um artigo do Jornal inglês « The Independent», relatando algumas das suas principais iniciativas internacionais no âmbito da solidariedade internacional.
Inicia com uma alargada descrição da actual participação dos médicos cubanos no Haiti, feita pela jornalista Gladys Rubio naquele jornal e termina com uma nota sobre o que tem representado a política Cubana de ajuda dos países em dificuldades.
Permito-me chamar a vossa atenção para um pequeno e significativo facto, no meio de tantas e tão importantes acções, de generoso humanitarismo.
Recorda a jornalista do “The Independent” a determinada altura:
A chamada “Operação Milagre”, permitiu que os oftalmologistas cubanos, operassem, tratassem e devolvessem a visão a cerca de 1,8 milhões pacientes com cataratas em 35 países diferentes, encontrando-se entre eles, Mario Terán, o sargento boliviano que assassinou Che Guevara, no ano 1967.
É uma preciosa lição para todo o mundo, demonstrando que o Socialismo, é uma forma superior de organização da humanidade.
Por muitos e desesperados esforços que o Capital faça, para manter os seus privilégios elitistas de exclusividade, não conseguirá fazer desaparecer na consciência das massas, os sentimentos de solidariedade e fraternidade que são natos no ser humano.
É a natureza das coisas …é dialéctico. O próximo futuro o provará!!!

O PRINCIPAL ESTÍMULO

AOS NOSSOS ESFORÇOS

Por : Fidel Castro




Em 29 de dezembro de 2010



ás 20h07

Foi tão impressionante a reportagem gráfica da jornalista Gladys Rubio sobre a epidemia de cólera no Haiti, publicada ontem na "Mesa Redonda", que decidi adiar para hoje, quarta-feira, a Reflexão que anunciei na segunda-feira.
O objectivo dessa reflexão era analisar de um outro ponto de vista, o dramático golpe que significou para o povo haitiano o terramoto acontecido no dia 12 de Janeiro deste ano, que foi seguido em menos de 10 meses, por uma epidemia generalizada de cólera e por um furacão.
Tais fatos aconteciam num país que tinha sido vítima dos conquistadores, do colonialismo e da escravidão. A sua população autóctone, tinha sido eliminada pela conquista e pela procura forçosa de ouro.
A nação haitiana, tem como raiz centenas de milhares de seres humanos arrancados da África pelos comerciantes europeus de escravos e vendidos aos agricultores esclavistas do Haiti, para produzirem café, açúcar e outras mercadorias tropicais, com as quais pudessem fornecer os emergentes mercados capitalistas.
O povo haitiano protagonizou, nos primeiros anos do século XIX, a primeira revolução social na história deste hemisfério: foi fonte de inspiração e ponto de apoio em rebelião, para os que realizaram a façanha de libertar América do Sul do domínio espanhol.
A nossa solidariedade com o povo do Haiti tem uma dupla origem: nasce das nossas ideias, mas também de nossa história.
Após a revolução social que lá se levou a cabo, o colonialismo espanhol tornou Cuba, onde também incontáveis africanos tinham sido arrancados de África e vendidos como escravos, como principal fornecedora de café, açúcar e outros produtos tropicais.
Em consequência desse processo, enquanto as colónias espanholas do Sul e da América Central, conseguiam sua independência mediante cruenta e heróica luta, a colónia cubana garantia à metrópole mais receitas líquidas do que todos aqueles países, antes que eles alcançassem a sua independência, fato que influiu decisivamente no destino de nossa Pátria ao longo de quase dois séculos.
Há dois dias explicava como surgiu a cooperação médica com o Haiti, a qual nos levou à formação de centenas de jovens médicos desse país irmão e ao envio de uma força de profissionais cubanos da saúde.
Não se trata de algo que surgiu por acaso. Também não nos surpreendem, os esforços dos Estados Unidos e da Europa para desinformar, ocultar e mentir, sobre as razões da conduta de Cuba.
The Independent, um conhecido jornal britânico de inquestionável prestígio nos meios liberais da Grã-Bretanha, embora não tenha desfrutado do destaque do Wikileaks, do jornal The Guardian ou de outros conhecidos órgãos de imprensa, que consultam Washington sobre as questões mais sensíveis da informação - publicou, há três dias, um corajoso artigo da jornalista Nina Lakhani, intitulado "Médicos cubanos no Haiti envergonham o mundo".
É o assunto que desejava analisar, pela ousadia com que ela chama as coisas por seu nome, neste tema, embora isso não implique que eu compartilhe cada uma de suas apreciações, sobre as razões que determinaram nossa conduta. Vou explicá-lo usando o texto da tradução e de maneira tão breve quanto possível.
"São os verdadeiros heróis - diz - do desastre do terramoto do Haiti, a catástrofe humana à beira dos Estados Unidos perante a qual Barack Obama prometeu uma monumental missão humanitária dos Estados Unidos para aliviá-la".
No entanto, os heróis acerca dos quais falamos são cidadãos do arqui-inimigo dos Estados Unidos. Cuba, cujos médicos e enfermeiras fizeram com que os esforços dos Estados Unidos sejam motivos de vergonha.
"Uma brigada médica de 1 200 cubanos está trabalhando em todo Haiti, devastado pelo terramoto e infestado pela cólera, como parte da missão médica internacional de Fidel Castro, que fez com que o Estado socialista ganhasse muitos amigos, mas pouco reconhecimento internacional."
"... os organismos de ajuda internacional estavam sozinhos na luta contra a devastação que matou 250 000 pessoas e que deixara sem lar a cerca de 1,5 milhões. [...] profissionais da saúde cubanos tem estado no Haiti desde 1998, [...] no meio da fanfarra e da publicidade em torno da chegada da ajuda dos Estados Unidos e do Reino Unido, centenas de novos médicos, enfermeiras e terapeutas cubanos chegaram, sem que quase ninguém falasse deles..."
"Estatísticas publicadas na semana passada, mostram que os médicos cubanos trabalhando em 40 centros através do Haiti, atenderam mais de 30 000 pacientes de cólera desde Outubro.
Eles são o maior contingente estrangeiro, recebendo aproximadamente 40 por cento de todos os pacientes que sofrem cólera.
Outro grupo de médicos da Brigada cubana 'Henry Reeve', uma equipe de especialistas para casos de desastres e emergências, chegou recentemente quando foi evidente que o Haiti estava lutando por encarar a epidemia, que já matou centenas de pessoas."
"...Cuba formou 550 médicos haitianos gratuitamente na Escola Latino-americana de Medicina (ELAM), uma das mais radicais iniciativas médicas do país.
Actualmente outros 400 médicos são preparados nessa escola, que oferece educação gratuita, incluindo livros de graça e um pouco de dinheiro como diária, a qualquer pessoa suficientemente qualificada, que não possa estudar medicina em seu próprio país.
"John Kirk é um professor de estudos sobre América Latina na Universidade de Dalhousie, no Canadá, que investiga sobre as equipes médicas internacionais de Cuba.
Ele disse: 'a contribuição de Cuba no Haiti é como o maior segredo do mundo. Sobre eles quase não se fala, apesar de que estão fazendo uma boa parte do trabalho pesado'.
"Esta tradição data de 1960, quando Cuba enviou um punhado de médicos para o Chile, devastado por um forte terramoto, seguido por uma equipe de 50 membros enviados para a Argélia no ano 1963.
Isto aconteceu quatro anos depois do triunfo da revolução, que viu como quase metade dos 7 000 médicos do país [...] partirem para os Estados Unidos."
"...O programa mais conhecido, é a “Operação Milagre”, que começou com oftalmologistas que tratavam pacientes com cataratas nos empobrecidos povos venezuelanos, em troca de petróleo.
Esta operação devolveu a visão a 1,8 milhões de pessoas em 35 países, incluíndo a de Mario Terán, o sargento boliviano que assassinou Che Guevara no ano 1967.
"A Brigada 'Henry Reeve', rejeitada pelos estado-unidenses após a passagem do furacão Katrina, foi o primeiro grupo que chegou ao Paquistão depois do terramoto de 2005 e o último em sair seis meses mais tarde."
"...segundo o professor Kirk. '... Também é uma obsessão de Fidel, pela qual mereceu apoios nas Nações Unidas'.
"Uma terça parte dos 75 000 médicos de Cuba, junto de outros 10 000 trabalhadores da área da saúde, trabalha actualmente em 77 países pobres, incluído El Salvador, Mali e Timor-Leste.
Isto corresponde a Cuba ter um médico para cada 220 habitantes, uma das taxas mais elevadas do mundo, [...] um médico para cada 370 habitantes na Inglaterra.
"Onde quer que sejam convidados, os cubanos aplicam o seu modelo integral, focalizado na prevenção, visitando as famílias nas suas moradias, monitorando activamente a saúde infantil e materna.
Isto produziu resultados surpreendentes em zonas de El Salvador, de Honduras e da Guatemala, reduzindo as taxas de mortalidade infantil e materna, diminuindo as doenças infecciosas e deixando por arrasto, os trabalhadores da saúde locais melhor capacitados, segundo a investigação do professor Kirk.
"A formação médica em Cuba tem uma duração de seis anos - mais um ano do que no Reino Unido - [...] cada formado trabalha como médico de família durante três anos pelo mínimo."
"Esse modelo ajudou Cuba a conseguir alguns dos índices de saúde mais invejáveis do mundo, apesar de investir apenas 400 dólares per capita no ano passado, se comparado com os 3 000 dólares investidos no Reino Unido e com os 7 500 dólares per capita investidos nos Estados Unidos, de acordo com as cifras da Organização para a Cooperação Económica e o Desenvolvimento.
"A taxa de mortalidade infantil, um dos indicadores mais confiáveis da saúde da nação é de 4,8 em cada 1 000 nascidos vivos, comparável com a taxa do Reino Unido e menor do que a taxa dos Estados Unidos.
Apenas cinco por cento das crianças nascem com baixo peso, um factor fundamental para a saúde a longo prazo..." "Imti Choonara, um pediatra de Derby [...] que participa nos workshops anuais em Camagüey, a terceira cidade de Cuba, diz: 'A saúde em Cuba é assombrosa e a chave é o médico da família, [...] e está focalizada na prevenção... A ironia é que os cubanos chegaram ao Reino Unido, após o triunfo da Revolução, para conhecerem como era que funcionava o NHS (Sistema Nacional de Saúde).
Eles pegaram o que viram, aperfeiçoaram-no e desenvolveram-no. Entretanto nós vamos rumo ao modelo estado-unidense'.
"...o bloqueio norte-americano impede que muitas companhias estado-unidenses comerciem com Cuba e persuade outros países a seguirem o seu exemplo. O relatório de 2009-2010 inclui remédios contra o câncer infantil, o VIH e a artrite, alguns anestésicos, bem como os produtos químicos necessários para diagnosticar infecções e para preservar órgãos."
"...os cubanos estão muito orgulhosos e apoiam sua cooperação no Haiti e em outros países pobres, felizes de estarem a protagonizar uma façanha na área internacional..."
"A formação médica é outro exemplo.
Actualmente há 8 281 alunos de mais de 30 países estudando na ELAM, que no mês passado comemorou o seu 11º aniversário.
O Governo tenta inculcar um sentido de responsabilidade nos estudantes, no intuito de que eles trabalhem no seio de suas próprias comunidades pobres durante pelo menos cinco anos.
"Damien Joel Suárez, 27 anos, um estudante de segundo ano de Nova Jersey, é um dos 171 estudantes norte-americanos; já se formaram 47. Ele rejeita as acusações de que a ELAM faz parte da maquinaria de propaganda cubana. É claro que o Che aqui é um herói, mas a gente não é obrigada a reverenciá-lo'."
Nem todas as coisas que se falam sobre Cuba são favoráveis.
O artigo contém também críticas várias, das quais compartilhamos e por vezes ainda somos mais severos do que o jornal “The Independent”.
No artigo se fala sobre as baixas rendas e das escassezes.
Independentemente de nossos erros, não se dá relevo ao fato de ao longo de mais de 50 anos de bloqueio, de agressões e de ameaças, o nosso país tem-se visto obrigado a investir enormes quantidades de energia, de tempo e de recursos, para enfrentar os embates do império mais poderoso que existiu na história.
Apesar disso, é admirável a sinceridade e a clareza com que Nina Lakhani expõe, e o “The Independent” publica, nesse corajoso artigo sobre o que significa para o sofrido povo haitiano, uma tragédia que durante sua primeira fase já custou a vida a aproximadamente 3 000 pessoas, dentre elas crianças, jovens e adultos, muitos dos quais sofrem desnutrição e outras doenças, sem que por vezes disponham de lenha para ferver a água que eles consomem.
As notícias procedentes desse país irmão, informam que até hoje, quarta-feira 29, outras 717 pessoas foram atendidas pela Missão Médica Cubana.
Há já cinco dias que não se informam falecidos.
A taxa de mortalidade entre os pacientes atendidos por Cuba, que já atingem a cifra de 48 931 pessoas, foi reduzida a 0,55%. A cifra oficial de pessoas afectadas pela cólera era de 130 534 e a cifra de falecidos era de 2 761 pessoas para uma taxa de 2,1%.
Luta-se para que métodos mais eficientes sejam aplicados em todos os centros que combatem a epidemia.
Os Grupos de Penetração da Brigada "Henry Reeve" - integrados por cubanos, latino-americanos e haitianos formados pela ELAM - já são 42 e podem visitar qualquer uma das subcomunas mais isoladas do Haiti.
Aliás, têm 61 centros de atendimento aos pacientes afectados pela cólera.
O esforço de nosso país em prol da saúde humana, que começou logo depois do triunfo da Revolução, como lembra o artigo publicado pelo jornal “The Independent”, pode ser apreciado no fato de no próximo ano formar-se-ão na República Bolivariana da Venezuela 8 000 médicos, que foram educados na teoria e na prática, com a cooperação dos especialistas cubanos da saúde.
A Venezuela também alcançará níveis de saúde, que a colocarão entre as primeiras do mundo.
Tão encorajadores resultados, constituem o principal estímulo aos nossos esforços.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

A DOSE É HOJE EM TRIPLICADO

Atendendo a que estivemos muito tempo sem publicar nada, aproveitamos a circunstância para vos encher de beleza, através de três “power points” de fotografias artísticas.
É de facto um conjunto notável.....diria mesmo impressionante!!!
São uma delícia para os olhos e envolventes para os sentidos.
As músicas que lhes servem de fundo, criam um intenso clima de encantamento, que nos coloca de bem com a vida embora momentaneamente, tendo em vista a gravíssima tragédia económica, que se está a abater sobre este pobre Portugal.
Que se abram os olhos, a inteligência e porque não as sensibilidades, não só para a beleza das fotografias que apresentamos,como também para as mensagens que de forma subliminar estão implícitas nos textos e vídeos que se seguem a estas apresentações.
Será também uma óptima oportunidade, para se tirarem as ilações justas e necessárias que elas originam.
PARA REFLECTIR

EM TEMPO DE ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS

Por motivo de doença, fui constrangido a nada publicar no Blogue, desde há muitos dias.
O aliciante que para nós constitui poder “desabafar” através dele e a aceitação que da parte dos leitores ou usuários (como queiram!) tem tido, criaram-nos obrigações, que muito nos responsabilizam.
Recomeçamos, oferecendo a quem por este Blogue está a passar, uma autêntica “refeição pantagruélica”.

PRIMEIRO PRATO

Deste sumptuoso menu, consta de uma notável e histórica intervenção de Lula da Silva, segundo me parece, num comício para reeleição de Zeca, ex-deputado estadual e governador do estado de Mato Grosso do Sul.






SEGUNDO PRATO

Em numerosos comentários que se seguiram a este vídeo, na versão publicada no YouTube, são evocadas muitas vezes, a necessidade para Portugal de um Lula da Silva, ou seja, um presidente que reflectisse os interesses populares nas suas opções político-económicas, como foi o seu caso.
Acreditamos que temos em Portugal, uma resposta justa a este justo anseio.
Pensamos que o nosso Lula pode ser corporizado por Francisco Lopes nas próximas eleições, se o nosso povo tiver a lucidez que os brasileiros ganharam, após os sucessivos fracassos nas obstinadas tentativas de Lula da Silva para ser eleito presidente da Republica do Brasil.
A agradável surpresa que para imensa gente constituiu a revelação de Francisco Lopes, a vibrante clarividência e energia como defende os interesses dos trabalhadores, está na linha de Lula da Silva.
A sua idêntica origem de classe, constitui um subtil argumento, para a garantia de fidelidade aos princípios que defende.
A tudo isto se pode acrescentar o privilégio de ter a seu lado um poderoso colectivo, experiente, dedicado, fraterno e solidário, que em sucessivos anos de luta, cimentou no seu ventre a capacidades de gerar e revelar outros Lulas da Silva.
Acrescentamos, como prova do que acima foi dito, dois vídeos de uma entrevista que a experiente Maria Flor Pedroso lhe fez na Antena 1, a propósito das próximas eleições presidenciais.
Chamo a vossa atenção para um importantíssimo pormenor. Algumas vezes, a entrevistadora faz uma pergunta e contesta a resposta dada, por considerar não corresponder á questão colocada.
É sempre Francisco Lopes que demonstra, que o essencial do problema não está na especulação que habitualmente a média e comentadores encartados da nossa praça fazem da questão, mas sim na substância do conteúdo da sua resposta.
Não nos admiramos que assim aconteça, na medida em que nos lembramos, quando a Flor Pedroso entrevistava no Canal 1 da RTP o “especialista em matéria de especulação” Marcelo rebelo de Sousa, normalmente “embarcava” alegremente nesse engodo.
Pode ser que a lição lhe sirva, para influenciar positivamente o seu pensamento político sobre os comunistas, porque é uma mulher muito inteligente.
Uma consequência resultou seguramente da entrevista.
Francisco Lopes foi suficientemente persuasivo para cativar o voto de muitos dos que o ouviram, o que por si só já é uma nota muito positiva, para a luta dos trabalhadores em particular e dos portugueses em geral.

Para comprovar a síntese que aqui fazemos do valor e capacidade do candidato do Partido Comunista Português, faço-lhe um convite para que ouça essa entrevista CLICANDO AQUI

O DOCE DE SOBREMESA

Apesar das dificuldades que Lula da Silva teve para ultrapassar os obstáculos que sempre colocaram no seu caminho, da perseverança que teve de utilizar na luta pelos seus objectivos, conseguiu manter incólume um coração generoso e uma enorme sensibilidade, que o perturba e leva às lágrimas, perante os dramas humanos do povo humilde e trabalhador, de que sente fazer parte.
Em sua homenagem, colocámos o vídeo que se segue, para que se conheça e pressinta a personalidade popular e emotiva de Lula da Silva, da sua luta e das suas emoções, para que sirva de exemplo e inspiração, aos que lutando por causas justas, entendam que vale a pena lutar, sempre e independentemente das dificuldades que se deparem.

Como habitualmente reflectem os comunistas portugueses:

“A vitória é difícil, mas será nossa!!!


É uma entrevista em que a emoção falou mais alto a ele…… e a nós!!!




domingo, 2 de janeiro de 2011

FASCINANTES FOTOGRAFIAS

Podemos estar a pecar, por publicarmos muitos “power points” sobre fotografia.
Cremos sinceramente, que quem as tem admirado, deve comungar como nós, que são por vezes de uma beleza arrebatadora.
Hoje juntamos mais algumas, que certamente figurarão entre as que de melhor temos publicado.
Que assim seja, são os nossos votos, a que juntamos os nossos desejos de:

UM ANO NOVO, QUE NOS PERMITA SUPORTAR A QUADRILHA QUE NOS GOVERNA E FINALMENTE, QUE O POVO ABRA OS OLHOS E SAIBA ESCOLHER QUEM VERDADEIRA, HONESTA E EMPENHADAMENTE O DEFENDA, TANTO NAS ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS, COMO NAS PRÓXIMAS LEGISLATIVAS!!!

NESTE LINK