Mensagem

Mensagem

quinta-feira, 25 de março de 2010

AS DAMAS DE BRANCO

OU A HISTÓRIA DE UM “TIRO QUE SAIU PELA CULATRA” AO IMPERIALISMO

Adoro Cuba e tenho uma admiração ilimitada pelas suas gentes.
Mais, tenho um orgulho imenso, na forma como o povo cubano luta para ultrapassar as dificuldades, que lhe são impostas pelo desumano bloqueio dos Estados Unidos, desde 1962.
Isto não nos impede, antes pelo contrário, de sempre que lemos uma notícia negativa sobre a actuação do regime cubano, procurar informar-nos detalhadamente, de forma lúcida e isenta.
Até porque aprendemos imenso, com o que se passa em Cuba.
Sempre….sempre, encontramos respostas e razões justificativas, para manter imperturbável a nossa opinião.
Reconhecemos que é necessário um especial esforço para o conseguir informação isenta, dadas as deformações e manipulações que de uma maneira geral se revestem essas notícias e a forma tendenciosa como os média dos regimes capitalistas, deturpam as situações.
Vem esta “declaração de interesses” a propósito de mais uma campanha internacional que está a ser feita contra Cuba, através do aproveitamento das actividades, comprovadamente subsidiadas pelos Estados Unidos, Espanha e outros países, a esse grupo de mulheres, organizado sobre a designação de “DAMAS DE BRANCO”
Não temos nenhuma informação privilegiada e somente utilizamos os meios publicados ao alcance de qualquer pessoa, para conseguimos as pistas necessárias, para desmascarar a forma miserável, como se pretende não só interferir na actuação do governo cubano, como denegrir a sua heróica resistência, ao seu poderoso vizinho.
Este texto, tem como finalidade principal, trazer aos leitores deste Blogue, a possibilidade de ficarem a conhecer o essencial do problema que se passa em Cuba, com a questão da Damas de Branco.


QUEM SÃO AS DAMAS DE BRANCO, O QUE PRETENDEM?


Embora haja muitos vídeos elucidativos sobre quem são e o que pretendem as “Damas de Branco”, achei este vídeo adequado, sobretudo pelo americanizado fundo musical!!!

CLIQUE AQUI

“A Constituição de Cuba”, de acordo com o artigo 62, proíbe explicitamente qualquer acção contra "os objectivos do Estado socialista".
O comportamento que os países da orla capitalista deviam ter, de acordo com as normas internacionais, era no mínimo respeitar essa Constituição, tal como é rigorosamente intransigente nessa matéria, a atitude de Cuba.
É absolutamente miserável, diríamos mesmo….é sórdido, o seu esforço para denegrir Cuba soberana e o seu governo.
Este artigo.
Em 23 de Fevereiro o canal TV2 mostrou um filme sobre as “Damas de Branco” em Cuba.
É a esse propósito que de H. Boye Svendsen, escreveu o artigo que reproduzimos a seguir e explica a origem e outros aspectos, de toda esta manobra política

“Quando George W. Bush chegou ao poder nos Estados Unidos em 2001, tinha prometido á comunidade de exilados cubanos em Miami, reforçar a guerra de baixa intensidade contra Cuba.
Com a nomeação de James Cason como chefe do Gabinete de Interesses dos Estados Unidos, junto da Embaixada da Suíça em Havana, imediatamente começou a organizar grupos que pudessem criar instabilidade em Cuba.
Entre outros, os chamados "jornalistas independentes" armados com câmaras, computadores e com o salário pago pelos Estados Unidos, cuja missão era escrever e fazer propaganda negativa, sobre Cuba. Esta actividade subversiva terminou em 2003 com a prisão de 75 chamados dissidentes.
Prestar serviços ao inimigo é um assunto sério.
Na Noruega, em 1985, condenaram Arne Treholt a 20 anos de prisão, por ter falado com os representantes de outro país com o qual temos fronteira e com quem tivemos a paz por mil anos.
Os cubanos que há anos, ao serviço dos Estados Unidos, sequestraram um barco de passageiros, foram condenados a longas penas e para 3 foram emitidas sentenças de morte. Isso não foi agora referido.
Cerca de 10 desses chamados “dissidentes” sequestraram o barco de passageiros da carreira entre Havana Velha e Casablanca, ou seja, dentro do porto de Havana.
O barco foi encontrado à deriva no Estreito da Florida, e os terroristas ameaçaram matar mulheres e crianças num total de cerca de 50 passageiros. Este incidente dramático durou vários dias e por isso, os seus 3 líderes foram condenados à morte.
Esta condenação teve grande relevo num grande número de nações europeias, porque a relação com os Estados Unidos estavam em seu nível mais baixo, por causa dos crimes de guerra cometidos durante a guerra do Iraque. Este caso com Cuba, apareceu numa altura muito oportuna, pois serviu para os países da União Europeia justificarem o apoio aos Estados Unidos no boicote político de Cuba. Curiosamente a Noruega seguiu esta linha.
As “Damas de Branco” se reúnem e marcham pela 5ª Avenida, em todos as cenas.
Esta é a avenida principal em Miramar, um bairro diplomático onde estão a maioria das embaixadas.
Há também a igreja onde eles saem.
Nesta área não é normal haver muitos cubanos, o que significa que as Damas de Branco não fazem o protesto para os cubanos, porque não encontram apoio entre eles e aí somente contam com os jornalistas estrangeiros.
Outra curiosidade é terem escolhido vestirem-se de branco.
Actualmente, o vestido branco simboliza a participação na religião cubana de Santeria, que é o maior grupo religioso do país. É uma visão comum nas ruas de Havana ver o santeros vestidos de branco.
"Em cada esquina há policiais e comités de vigilância de bairro, para as pessoas", dizem para dar a impressão de que Cuba é um Estado policial.
Os comités de bairro ou “CDRs” como são chamados, é a forma mais simples de organização da área baseados na população e abrangem todos os que vivem nos bairros. Na Noruega, podem-se comparar com os nossos grupos de trabalho. O processo de nomeação para a assembleia municipal, para o governo provincial e para a Assembleia Nacional começa no “CDRs” e envolve todos, enquanto os sistemas na Noruega envolvem apenas 5 por cento da população.
Há quase quatro anos que vivo em Havana, nunca tivemos a experiência de estar sendo observados pela polícia ou por outros.
Pelo contrário não há grande cidade no mundo onde se possa sentir tão livre e seguro como é o caso em Havana, com seus 2,2 milhões de habitantes.
Cuba tem a menor mortalidade infantil na América Latina com 4,7 por mil nascimentos.
Cuba já cumpriu os Objectivos do Milénio das Nações Unidas. E para citar o representante do Parlamento, John Alvheim: Cuba tem uma boa assistência sanitária para todos.
Mas Cuba é um inimigo forte.
Os Estados Unidos têm aterrorizado Cuba desde há 110 anos. Primeiro com 60 anos de invasão por dentro e 50, com um bloqueio a partir do exterior, com invasões directas, sabotagens, química e de guerra bacteriológica, alem de um boicote e bloqueio total.
Isso já custou 3.500 vidas e 2000 inválidos. Mas nisso nunca se fala.
Cuba tem de facto um problema com os direitos humanos: a base de Guantánamo, onde E.U. pratica o terror e a tortura de centenas de prisioneiros sem nomes, sem julgamentos ou leis. Os prisioneiros “Nacht und nebel” dos nossos aliados”.

Pode ver aqui o originalAQUI

Para se poder avaliar a dimensão da ilegitimidade e da manipulação da interferência externa. CLIQUE AQUI

Julgamos que será útil desde já denunciar, o comportamento do governo espanhol, na medida em que se intitula socialista e perante Cuba, se comporta como se a sua ligação a este país, que devia ser fraterna, tendo em vista os numerosos laços históricos, fosse semelhante a uma França, Alemanha, etc.etc.

VEJA AQUI

Outra importante ilação que se pode tirar deste vídeo, dá para perceber na repressão das alterações da ordem pública, até que ponto se distingue as autoridades cubanas, das suas congéneres do mundo capitalista.
Em qualquer país da orla capitalista, os provocadores, como todos nós sabemos, seriam tratados de uma maneira ferozmente agressiva e os sabotadores então, nem se fala!
A superioridade moral do sistema político socialista, é a razão da diferença deste comportamento.
Quanto aos Estados Unidos, sabemos nós, como odeiam o regime de Cuba.
Não esquecemos, nem ninguém pode esquecer o desumano e irracional bloqueio, múltiplas vezes condenado internacionalmente e que desde 1962 tenta estrangular esse heróico país, não esquecemos, nem ninguém pode esquecer, as seiscentas e tal tentativas para assassinar Fidel Castro, retrato de um regime decadente e imoral.
Traçamos a seguir o retrato que a Agência EFE, a maior agência de informações em língua espanhola deu dos acontecimentos, na passada sexta-feira de 19 de Março de 2010:


Nova manifestação das Damas de Branco transcorre sem incidentes por Havana

Havana, 19 mar (EFE).- Um grupo de 60 Damas de Branco, mulheres familiares de 75 opositores cubanos detidos em 2003, protestaram hoje pelas ruas de Havana pelo quinto dia consecutivo, rodeadas de policiais e centenas de partidários do Governo de Raúl Castro, que as insultaram e vaiaram, mas não houve incidentes maiores.
As mulheres saíram da casa de sua porta-voz, Laura Pollán, com flores na mão e roupas brancas, em duas filas, como é habitual nos protestos que se repetem desde que os dissidentes foram condenados a penas de até 28 anos de prisão, acusados de "mercenários" dos Estados Unidos. Ainda há 53 dissidentes presos.
Após desfilar por 20 minutos, as Damas de Branco entraram em uma igreja católica do centro da cidade para assistir à missa.
Os simpatizantes do regime cubano de Raul Castro seguiram as Damas de Branco de volta à casa de Pollán gritando palavras ofensivas às manifestantes ou de apoio ao Governo.
Um triplo cordão de policiais uniformizados e agentes da segurança se interpôs entre as Damas de Branco, que permaneciam caladas, e os seguidores do Governo, que as repreendiam, em uma cena habitual em Havana todo mês de Março, quando se completa o aniversário da chamada "Primavera Negra" de 2003.
O cortejo, que também incluía dezenas de correspondentes, se dissolveu pouco depois que as opositoras entraram na casa de sua porta-voz. EFE

E no dia 21 continuava a informar a mesma Agência EFE:

Havana, 21 mar (EFE).- As Damas de Branco terminaram hoje perante a sede da Assembleia Nacional de Cuba sete dias consecutivos de protestos pelo sétimo aniversário da chamada "Primavera Negra" de 2003, quando foram condenados a longas penas de prisão 75 opositores familiares seus.
Como nos seis dias anteriores, as dissidentes foram rodeados por policiais e agentes do Ministério do Interior, e foram acossadas e insultados por uma contra manifestação de centenas de partidários do regime liderado há 51 anos pelos irmãos Fidel e Raúl Castro.
Mais de 50 familiares de presos políticos, vestidas de branco, assistiram a uma missa na Igreja Católica de Santa Rita, como fazem todos os domingos há sete anos, e depois percorreram vários quilómetros até a sede do Parlamento.
Continuam presos 53 dos 75 condenados em 2003, acusados de ser "mercenários" dos Estados Unidos.
Os contramanifestantes gritaram "vivas" ao presidente cubano, general Raúl Castro, e a seu antecessor e irmão mais velho, Fidel, ainda primeiro-secretário do governante Partido Comunista, e repetiram palavras de ordem e insultos como "que vão embora", "mercenárias", "mentirosas" e "vermes".
Laura Pollán, porta-voz das Damas de Branco, assegurou aos jornalistas presentes que em seus protestos são rodeadas por cordões de "tropas paramilitares", mais do que para protegê-las, "para que o povo não se some a elas".
O grupo, que recebeu em 2005 o Prêmio Sajarov do Parlamento Europeu, esteve quase todo o caminho em silêncio, mas às vezes gritava "liberdade" e "Zapata vive", em referência ao opositor Orlando Zapata, morto em fevereiro após uma greve de fome na prisão de 85 dias.
Da mesma forma que nos dias anteriores, na marcha deste domingo estava Reyna Tamayo, mãe de Zapata, considerado "preso de consciência" pela Anistia Internacional.
A manifestação retornava ao ponto de saída quando os governistas obrigaram as mulheres a desviar-se para uma rua onde os policiais detiveram um ônibus ao qual conduziram as Damas de Branco.
Ao contrário da quarta-feira, quando foram forçadas a subir a empurrões em dois ônibus e várias ficaram feridas, hoje as dissidentes não se negaram a entrar no veículo.


O vídeo que apresentamos a seguir, corrige a penúltima frase desta noticia na medida em que o facto relatado, não corresponde em tempo ao que se passou.
Há uma confusão na notícia, que convêm esclarecer.
Quando faz referência á intervenção da polícia feminina, no antepenúltimo paragrafo, esta não se ficou a dever ao facto dos manifestantes terem decidido “retornar ao ponto de saída”, mas sim a fazer uma vigília, na Praça da Revolução, perto dos escritórios de Raul de Castro, como facilmente se percebe, pelo facto de estarem todas sentadas no chão.
Como se sabe este é um local sagrado para os cubanos, e como tal, para evitar algum incidente mais grave com a população, tiveram de retirar as manifestantes, contra a sua vontade.
O governo cubano considera as “Damas de Branco” como "pontas de lança" da subversão financiada pelos Estados Unidos, e as qualifica justificadamente de "mercenárias".
A líder do movimento “Damas de Branco”, Laura Pollán, mulher de Héctor Maseda, condenado a 20 anos de prisão, era professora de Espanhol e Literatura, tendo abandonado o seu trabalho em 2004, para se dedicar á luta política.
Esta “Dama Chefe”, á porta da igreja de Santa Rita, depois de assistir á missa, que habitualmente antecedia a caminhada silenciosa com as restantes “Damas de Branco” pela Quinta Avenida, afirmava:"ninguém nos paga, não somos mercenárias", e acusava de estar a ser vítima de "intensa campanha promovida pelo governo para nos desarticular".
Estas afirmações que ela própria noutra ocasião desmente, são confirmadas no vídeo que se segue, ao minuto 1,21.
De resto, esta acusação de mercenárias já tinha sido feita pelo prestigiado jornal “Estado de S.Paulo”:

“O movimento também tem apoio do exílio cubano na Europa e nos EUA, de quem recebe alguns recursos. São cerca de US$ 50 mensais para algumas integrantes que não têm como se manter, afirmou Laura. O governo cubano diz que essa é a prova de que as Damas de Branco são financiadas por contra revolucionários que querem desestabilizar o regime.

Os próprios vizinhos, sabem que elas não trabalham e acusam-nas de serem os dólares dos Estados Unidos que as sustentam, como igualmente se poderá ver no vídeo AQUI

O acompanhamento mediático e a presença de numerosos diplomatas estrangeiros, controlando os efeitos da campanha das “Damas de Branco”, dizem bem a que ponto vai a interferência estrangeira, na questão de Cuba.

VEJA AQUI

Em algumas das caminhadas as “Damas de Branco”, ao passarem frente a instituições como o Parlamento, ou mais recentemente no Sindicato dos Jornalistas de Cuba, aproveitavam para gritar ” liberdade, liberdade”.
Episodicamente tentaram distribuir flores ou folhetos com a “Declaração Universal dos Direitos Humanos”, ou objectos marcados com a palavra "liberdade", aos passantes.
Noutra ocasião como já referimos, ao tentaram realizar uma vigília nas proximidades da Praça da Revolução, simbólico coração político de Cuba, esta terminou quando policiais femininas as obrigaram a sair do local e entrar num autocarro, que as conduziu à casa da sua líder, Laura Pollán.

VEJA AQUI

Há neste vídeo duas observações a fazer, que nos parecem importantes:
1º Os adjectivos utilizados pela locutora, para classificar a “dureza” da intervenção das polícias femininas.
2º O número de prisioneiros por “delito de opinião”, que no dizer do “papagaio” que faz a intervenção final, passaram a ser 200 e não se percebe como, a propósito da manifestação, esteja a falar de telemóveis (???) e autorizações para os cubanos se poderem hospedar nos hotéis(???), porque não têm mais nada para denegrir a imagem de Cuba.
Enfim, continuemos!!!
As “Damas de Branco” têm um site, sustentado por quem as protege e financia, que pode ver
AQUI

Nele pode ler-se algumas estranhas confissões:

Durante el trayecto, las féminas fueron escoltadas por cordones conformados por fuerzas combinadas del Ministerio del Interior. Funcionarios diplomáticos de los Estados Unidos, Polonia, Suecia, Alemania y República Checa, presentes en las calles, comprobaron ocularmente el acto de repudio de que fueron víctimas las féminas.

Mais adiante também se pode ler:

“No hubo violência física, pero sí insultos y gritos contra las Damas de Blanco. "Pin-pon-fuera, abajo la gusanera", repitieron los manifestantes castristas durante más de un kilómetro de recorrido, entre el barrio del Vedado y la casa de Laura Pollán, la portavoz de la agrupación opositora, en la calle de Neptuno”

E sobre a gravidade dos ferimentos :

Algunas han resultado heridas en los forcejeos y empujones al ser arrastradas al interior del autobús, según informa desde La Habana, la corresponsal de TVE Sagrario G. Mascaraque, quien ha afirmado que están siendo tratadas de heridas leves en el hospital.

Voltando novamente ao site, pode ver na parte superior do lado esquerdo da 1ª página, “Viajes solidários a Cuba”, “Vuelos baratos a Cuba” e “Travel to Cuba“ .
Clicando no primeiro título (Viajes solidários a Cuba), temos acesso a uma página, onde na parte de baixo tem uma espécie de foto de DVD que diz: “Guia turística e solidária de Cuba”.

Clicando
AQUI tem acesso ao documento integral.

Como o documento é muito extenso, devido às listagens, vamos reproduzir as partes essenciais desse “Guia”, para se perceber como actua a interferência externa, na sabotagem do processo revolucionário de Cuba.
Nele se relatam os modos como se podem ajudar os contra-revolucionários, dão moradas, formas e precauções a tomar nessa actividade.
No que se refere ao numero de organizações para apoiar os ditos ”prisioneiros de consciência”, pouco lhes deve importar, ser maior o numero de organizações apoiantes, que os apoiados.
Esta actividade claramente contra-revolucionária, utiliza artificiosamente algumas informações turísticas, características locais, e outras indicaçõe gerais, para disfarçar a utilidade deste documento.

Descreve a existênci hipotéticos Partidos “ilegais”, (Partido Unión Libre Cuba-Estados Unidos, Partido Liberal Democrático, Partido Paz Amor e liberdade, Movimiento Cristiano de Liberacion, Corrente Socialista Democrática, etc., etc.) que na realidade mais não são, que uma irrelevante fantasmagoria (Com indicação de moradas e números de telefone) como se confirma pela escassez de militantes, bem patentes nas fotos que mostramos.
No PDF do “Guia turística e solidária de Cuba” encontra uma profusa informação “turística”

Começa este documento por esclarecer:

“Combinamos algo de información meramente turística con la información de ayuda solidaria.
De modo que, por un lado, ofrecemos a los que van a la isla datos de interés turístico
de las distintas provincias de Cuba - sitios para visitar, señas culturales, historia…-. Y por
otro lado, damos información que facilita al viajero ejercer la solidaridad.”


Já lhe tenho ouvido chamar muita coisa, mas…….. solidaridade????

O recurso a chamadas “Bibliotecas Independentes”é um dos artifícios que utilizam astuciosamente, para aproveitar a legislação em vigor.
De facto, o regime cubano ao fomentar intensivamente a cultura, promoveu a criação de centros culturais com grande liberalidade.
Os reaccionários, aproveitando essas facilidades, criaram artificiosamente em suas casas umas prateleiras com livros, chamam-lhes “bibliotecas”, dão-lhe nomes pomposos (há uma que tem o nome de Laura Bush!!!) e vão aproveitando para fazer a circular textos, livros e outros materiais contra-revolucionários.
Curioso e com importante significado, são as instruções e precauções a tomar, quando convidam os turistas a levar livros para oferecer a essa “bibliotecas”.
Dão-lhes uma classificação por cores (verde, amarelo e vermelho) consoante o valor do seu conteúdo contra-revolucionário. Verde = Leituras infantis, Amarelo=Literatura, filosofia, políticos genéricos, Vermelho= Leituras contra-revolucionárias, anti-marxistas ou panfletárias.
A forma sub-reptícia como classificam o tipo de livros que podem ser levados, de acordo com os objectivos político dessas pseudo-bibliotecas, demonstra a intenção subversiva que lhe está subjacente.

No PDF do “Guia turística e solidária de Cuba” encontra uma profusa informação “turística”.
Começa este documento por esclarecer:


“Combinamos algo de información meramente turística con la información de ayuda solidaria.
De modo que, por un lado, ofrecemos a los que van a la isla datos de interés turístico
de las distintas provincias de Cuba - sitios para visitar, señas culturales, historia…-. Y por
otro lado, damos información que facilita al viajero ejercer la solidaridad.”

Eis o que o documento entende por “Informação Solidária”

2. Información solidaria
1.Iglesias y centros de donaciones
2.Bibliotecas independientes
3.Familiares de presos políticos
4.Defensores de la democracia y los derechos humanos
En la guía se pueden encontrar direcciones de centros donde donar, como Iglesias, centros
religiosos o bibliotecas independientes bajo los epígrafes de "Iglesias y centros de donaciones"
y "Bibliotecas", respectivamente.

Sobre o papel atribuído á Igreja, basta ver a copiosa lista de que fazem parte centenas de igrejas e comunidades religiosas (Católica, Presbiteriana, Batista, Pentecostal etc.) indicadas no referido documento, como centros de recolha de doações.
Pensamos sinceramente que se estão a servir do prestígio dessas instituições, para dar cobertura ás suas secretas motivações e sobretudo como meio de propaganda, para influenciar o instinto religioso das pessoas.
Ao utilizar a dimensão respeitável, prestigiosa e relevante destes receptadores, mascaram artificiosamente a interferência política, confundindo a intenção dos beneméritos e a fictícia seriedade do movimento.

Quanto ao capítulo 3 e 4, percebe-se perfeitamente a nojenta intenção.
Mas, para alem de toda a infame e primária manipulação do texto, do tipo “gato escondido com o rabo de fora” a pregar como S.Tomaz “Faz o que ele diz…..”, não se coíbem de dizer coisas interessantes, como por exemplo:

“Las playas son espectaculares y los hoteles lujosos, pero están reservadas a los extranjeros,
los cubanos de a pie no pueden acceder a las mejores playas ni a los mejores hoteles -además
no podrían pagarlos”.

Não sei se os hotéis de luxo cubanos podem ter praias reservadas.
Sei que antes da revolução, nenhum cubano tinha acesso a 1 metro de praia que fosse.
Estavam TODAS interditas aos cubanos e reservadas ao turismo, principalmente americano.
Cuba era considerada o prostíbulo dos Estados Unidos, onde se ia para comer uma sandes e dar uma “Queca”, pois 60% das mulheres cubanas, viviam da prostituição.
Não nos esqueçamos que é na dignidade recuperada, que assenta a grande força moral do povo cubano.
É no sistema social que politica e militarmente o defendeu, que vai buscar forças e lealdade para resistir a um incomensurável inimigo, o Capitalismo, que tem no seu poderoso vizinho, os Estados Unidos a força bruta que que melhor o representa.

“También es indudable que cualquier tipo de represión o de acto contra un extranjero que realice un acto solidário tendría repercusión internacional y por ende un costo para la "imagen" del gobierno
cubano………….Por tanto, la realidad es que puede haber ciertos riesgos asociados a algunas de estas actividades solidarias, ……. Lo que podemos hacer es recomendar algunas medidas que sin duda reducirán esos posibles riesgos. Por ejemplo, llevar medicinas ….…..o a una iglesia o llevar libros infantiles a una biblioteca independiente es una actividad con menos riesgo que llevar libros de carácter político sobre el régimen cubano o sus dirigentes y distribuirlos.
Nuestras recomendaciones para minimizar los riesgos son:
􀂈 Visita a distintos activistas, familiares o instituciones, no siempre al mismo muchas veces; así llamas menos la atención y puedes apoyar a más gente.
􀂈 Sé discreto acerca de las labores solidarias, especialmente si vas a visitar a los activistas más conocidos, no lo comentes con cubanos para evitar que se entere “Raimundo y todo el mundo”
􀂈 Y finalmente, en Cuba, no critiques abiertamente al gobierno cubano ni a Fidel Castro Ruz (ni a su hermanooo Raúl, pillín)


Pillin = pícaro, bandido

Estes carrascos da solidariedade a querer dar lições de como “ser solidário”, ao povo mais solidário do mundo.
Estes arautos do egoísmo individualista, a sugerir generosidade, a quem faz dela o seu dia-a-dia.
Estes mestres da exploração capitalista, que propõem esmolar uma nação, que embora com grandes dificuldades, resiste tenazmente a que lhe imponham a possibilidade de no seu território, um homem possa explorar outro homem.
Estes pobres de espírito, que aconselham a levar remédios, para o país que tem o serviço de saúde mais evoluído e progressista do mundo.
Estes falsos devotos, que aproveitam as igrejas, para camuflar o mais ignóbil chantagem, sobre as dificuldades económicas que estão propositadamente a criar, para vergar a vontade daquela gente.
Estes imundos propagandistas de um mundo que faz de cada homem um alvo para explorar, erraram no alvo que escolheram.

Cuba vencerá!!!

1 comentário:

Jota disse...

Para se compreender o processo histórico de um país,não basta ir lá,é preciso conhecer as suas raizes profundas.
Para tirarmos as nossas conclusões sobre Cuba,não é num pacote turistico fechado dentro de um resort em varadero que podemos dizer "eu conheço" quem o fazer é mentiroso.
Vão a Cuba,aluguem um carro,ou andem em transportes publicos,coramm o país de ponta a ponta,pelo seu interior longe do turismo de massas,ficando em casas de cubanos ou em hoteis simples,vivem com o povo e sintam como ele,depois podem dizer eu conheço.
Fiz várias viagens assim a Cuba todas entre 3 a 4 semanas,conheço o país de lés a lés,fiz amigos,e posso dizer sem modestias que conheço Cuba,e assim estou à vontade para puder opinar,porque não ouvi nada através de contra informação imperialista,mas sim senti como os Cubanos o sentem.são o povo mais solidário que pode haver,para não falar no que o País tem de melhor,muito melhor que qualquer país Europeu ou os USA,mas do positivismo do País raramenta a imprensa (anti) fala,então vão lá e vejam,para poderem começar a informar corretamente.
http://cubaaventura.blogspot.com
O meu blog onde descrevo Cuba e a forma de nela viajar independente sem agencias de viagens fazendo tudo a nosso belo prazer.